03 dezembro 2018

[News] Oficina de escrever e vender livros é investigado em ¨Esse negócio do livro¨




Um dia, Graciliano Ramos chegou à livraria José Olympio e anunciou ter escrito o livro de sua vida: "O mundo coberto de penas". Fez-se um silêncio constrangedor durante o encontro. Enfim, alguém perguntou sobre o que era a obra, e o escritor disse que ela tratava de "gente de vidas secas". Um dos presentes berrou: "esse é o título do seu livro!". A anedota é contada pela editora Maria Amélia Mello em “Esse Negócio de Livro”, série inédita e exclusiva do canal Curta! que estreia quinta-feira, dia 13, às 22h50, enfocando o mercado editorial brasileiro.

Ao longo de 14 episódios, o programa mostra as diversas etapas do processo de publicação de um livro: desde a escrita, passando pela edição e pela diagramação, até chegar à publicação. Dirigida por Adriana Borges e Lúcia Tupiassú, a produção é da Giros com financiamento pelo Fundo Setorial do Audiovisual da ANCINE.

Foram entrevistados autores, editores, publishers, agentes literários, designers, tradutores, livreiros e outros profissionais, para contar detalhes pouco conhecidos sobre o ofício e o mercado editorial brasileiro. Entre os autores entrevistados estão Marcelino Freire, Milton Hatoum, Fernanda Young, Luiz Ruffato, João Paulo Cuenca e outros. No episódio de estreia, “O mercado do livro”, a escritora Lya Luft conta: “Eu fico muito feliz quando estou escrevendo um livro. Meus personagens sofrem à beça, e eu me divirto”.

Alguns best-sellers, como a saga ”Harry Potter”, figuram na lista de curiosidades que o programa apresenta. Essa história de sucesso comercial começou com um fracasso editorial. Paulo Rocco, fundador da Editora Rocco, comprou de um agente literário um livro que havia sido sucesso na Feira de Frankfurt, mas foi um desastre retumbante ao ser lançado no Brasil. Um ano depois, o mesmo agente ofereceu a Rocco os livros da então pouco conhecida autora J. K. Rowling. O editor brasileiro apostou nela e comprou os dois primeiros títulos da série do bruxo.

O programa também aborda as adaptações e traz histórias como a da roteirista Maria Camargo, que conta ter lido 27 vezes o livro ”Dois Irmãos”, de Milton Hatoum, até chegar ao roteiro final da minissérie para a Rede Globo. Outra curiosidade sobre a obra de Hatoum é que, além da TV, ela também foi adaptada ao formato de histórias em quadrinhos: o editor André Conti revela que foi sua a ideia de adaptar o livro para as HQ. Ele, que já conhecia bem o perfil do trabalho dos quadrinistas Fábio Moon e Gabriel Bah, deu a sugestão e o projeto foi um sucesso.

Sobre a Giros
Há mais de 20 anos no mercado, a GIROS é dirigida por Belisario Franca, Maria Carneiro da Cunha e Bianca Lenti, e já produziu mais de 2.000 horas de conteúdo audiovisual para TV e cinema, em narrativas factuais, documentais e ficcionais, exibidas em alguns dos principais canais do mundo e nos eventos mais importantes do setor.
As realizações da Giros foram premiadas em diversas competições de referência no mercado nacional e internacional. Entre esses projetos, podemos destacar: “Menino 23” – documentário vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de 2017 nas categorias “Melhor Documentário” e “Voto Popular: Documentário” e “ Melhor documentário no Montreal International Black Film Festival; “Música do Brasil” – série vencedora do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de 2001 na categoria “Melhor Produção Cultural para Televisão” e medalha de prata no New York Film Festival, indicada ainda ao Emmy International em 2000; “Além Mar”, documentário premiado pela International Documentary Association de Los Angeles na categoria “Melhor Documentário”; “7x Bossa Nova” – série medalha de prata no New York Film Festival; e “Estratégia Xavante” – documentário que recebeu o título de “Melhor Criação de Arte e Mídia” em premiação das Nações Unidas, em Nova York.

Em 2017, em comemoração pelas duas décadas de vida, a Giros trouxe várias novidades – desde séries que já estrearam, como “Latitude, Longitude” e “Imortais da Academia” (Canal Curta!), “TED Compartilhando Ideias”, “Homo Brasilis”, “Fé na Batida”, “De Mala e Cuia”, [L4] até séries que ainda estão para estrear, como “Esse Negócio de Livro” e “Geografia do Movimento” (Canal Curta!). Em 2018, o foco está nas séries de ficção, como “Baile de Máscaras”, “Jungle Pilot” e “Queimamufa!”, além de documentários como “Apenas Meninas”  e “Nazinha.”
Ao longo dos anos, a produtora acumulou sólida experiência em projetos de caráter cultural, nos quais as constantes são a relevância, o apuro na pesquisa, a linguagem estética arrojada e o padrão de excelência na produção.


Sobre o Curta!
Dedicado às artes, à cultura e às humanidades, o Curta! é um canal independente que acolhe a experimentação e se orgulha de ser um parceiro dos realizadores, artistas, criadores e produtores. Com o compromisso de transmitir 12 horas por dia de programação nacional independente, o canal pauta a sua programação pelos seguintes temas: música, dança, teatro, artes visuais, arquitetura, metacinema, filosofia, literatura, história política e sociedade.
O Curta! pode ser visto nos canais 56 e 556 da NET e da Claro TV, no canal 75 da Oi TV e no canal 664 da Vivo, oferecido à la carte pela operadora. Siga o Curta! nas redes sociais: www.facebook.com/CanalCurta, https://twitter.com/canalcurta e www.youtube.com/user/canalcurta. Saiba mais em http://www.canalcurta.tv.br.


Nenhum comentário

Postar um comentário