Books Brasil Books

Novidades

[Crítica] A Cidade Perdida

 

Sinopse:

A brilhante e reclusa autora Loretta Sage escreve romances populares de aventura, cujas capas são estreladas pelo belo modelo Alan. Durante a turnê de promoção de seu novo livro, Loretta é raptada.




   O quê eu achei?


Loretta Sage (Sandra Bullock,dispensa apresentações,assim como o resto do elenco)é uma renomada escritora de romances de aventura baseadas nas jornadas de seu finado marido que era arqueólogo, cujas capas são protagonizadas pelo modelo Alan (Channing Tatum,no papel estereotipado de um galã meio lerdo)como o explorador Dash. 

Um dia, durante a turnê de seu lançamento mais recente, eles estão participando de um painel de perguntas e respostas quando Loretta é indagada sobre o futuro de seu personagem mais famoso e ela responde que ele irá morrer. Insatisfeito com a resposta e ansioso por colocar suas mãos no tesouro perdido, o bilionário excêntrico Abigail Fairfax manda seus capangas sequestrarem Loretta para que ela o ajude a traduzir os mapas que levariam ao tesouro antes que o vulcão local entrasse em erupção e destruísse tudo.

A editora dela, a hilária Beth((Da’Vine Joy Randolph)e o guru de meditação Jack Trainer(Brad Pitt em um papel icônico que merecia um spin-off só seu)vão em busca de Loretta e eles tem que lutar contra o tempo para resgatá-la das garras de Abigail.

Embora o romance entre Loretta e Alan seja inevitável em uma produção desse tipo, o longa faz um bom trabalho ao lentamente construir a química e a aproximação entre eles. Há vários momentos super divertidos e Daniel Radcliffe encarna um vilão multifacetado que quase faz o espectador mais experiente esquecer que ele foi o Harry Potter(perderam uma chance de fazer uma piada com magia).E ainda tem as belas paisagens da República Dominicana-algumas cenas foram filmadas lá. 

É uma história que ao mesmo tempo que vai prender sua atenção, vai te fazer suspirar de alívio no final e sair do cinema com um sorriso no rosto. E nos tempos em que vivemos atualmente, já é mais do que suficiente.

                      Trailer:





Nenhum comentário