Novidades

[News] Segunda-feira, 08/03: Especial Dia Internacional da Mulher no Canal Curta

 

Na segunda-feira, 8 março, Dia Internacional Da Mulher, o canal realiza uma maratona  com documentários e séries sobre grandes mulheres e questões ligadas ao feminino.  Com início às 18h, a programação começa com o episódio “Feminismo”, da série "Estados da Arte", na qual o diretor Eduardo Goldenstein aborda o desejo de libertação e a conflituosa relação entre arte e moral na obra de várias artistas contemporâneas. Na sequência, às 18h30, o episódio “O Feminino Nas Religiões”, da série “No Caminho do Bem”, de Belisario Franca, discute a dicotomia entre inclusão x opressão religiosa. Às 20h, é a vez do episódio “A Voz Feminina”, da série “Cale-se” – que aborda a censura na ditadura militar brasileira e, às 20h30, a cantora Teresa Cristina participa da série “As Canções da Minha Vida”, de Marcus Fernando, na qual fala sobre   sua relação com a música.  A programação continua com dois documentários sobre grandes mulheres brasileiras: Elza Soares - retratada em “My Name Is Now – Elza Soares”, às 21h – e Clementina de Jesus, protagonista de “Clementina”, que vai ao ar às 22h30.


18h – “Estados da Arte” (Série) – Ep: “Feminismo”

Para além das questões de gênero, o desejo de libertação. A conflituosa relação entre arte e moral. Mariana Guimarães se utiliza da tradição do bordado para romper padrões estabelecidos. Carol Valansi faz uma releitura da pornografia. Fabiana Faleiros e Mulheres de Buço afirmam a liberdade feminina através da música e da performance. Marie Carangi promove a marcha das cem tetas, e Laura Lima revela a potência da arte através da ornamentação, da beleza e do corpo. Direção: Eduardo Goldenstein, Duração: 26 min. Classificação: 14 anos. Horários alternativos: 09 de março, terça-feira, às 04h e às 12h; 10 de março, quarta-feira, às 06h; 14 de março, domingo, às 05h30.


18h30 – “No Caminho do Bem” (Série) – Ep: “O Feminino Nas Religiões”

O papel da mulher na sociedade contemporânea é o tema deste episódio de "No Caminho do Bem". Em foco, o debate sobre como a religião pode empoderar ou oprimir a representação feminina, revelando como fiéis mulheres vivenciam a rotina religiosa. Direção: Belisario Franca, Bárbara Kahane. Duração: 26 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 09 de março, terça-feira, às 04h30 e às 12h30; 10 de março, quarta-feira, às 06h30; 14 de março, domingo, às 06h05


20h – “Cale-se” (Série) – Ep: “A Voz Feminina”

O episódio convida nomes como Joyce e Fátima Guedes a relembrarem o cenário da censura musical sob a ótica feminina. Joyce fala sobre o caso da sua música “Eternamente grávida”, citando exemplos de palavras que não foram admitidas pelo regime. Ivan Lins explica que, durante os Anos de Chumbo, os artistas acabaram polarizados entre engajados ou adesistas. Ele comenta o caso da música “O amor é meu país”, de 1970, que fez com que o compositor fosse taxado de ufanista e acabasse sofrendo uma outra censura. Zé Luiz Mazziotti e Fátima Guedes relembram a canção “Mestre Salas dos Mares”.  Direção: Marcus Fernando. Duração: 26 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 09 de março, terça-feira, às 0h e às 14h; 10 de março, quarta-feira, às 08h; 13 de março, sábado, às 18h; 14 de março, domingo, às 09h05.


20h30 – “As Canções da Minha Vida” (Série) – Ep: “Teresa Cristina”

"As Canções da Minha Vida" é um grande painel da música brasileira. Neste episódio, Teresa Cristina mostra a sua interpretação de "Minha História". Ela segue falando da sua relação com a música e ilustra o papo com a versão de "Travessia", famosa na voz de Milton Nascimento. Direção: Marcus Fernando. Duração: 26 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 09 de março, terça-feira, às 0h30 e às 14h30; 10 de março, quarta-feira, às 08h30; 13 de março, sábado, às 19h10; 14 de março, domingo, às 10h15.

21h – “My Name is Now, Elza Soares” (Documentário)

Um filme com a cantora Elza Soares, ícone da música brasileira, numa saga que ultrapassa o tempo, espaço, perdas e sucessos. Elza e seu espelho, cara a cara, nua e crua, ao mesmo tempo frágil e forte, real e sobrenatural, uma fênix, que com a força da natureza transcende e canta gloriosamente. Direção: Elizabete Martins Campos. Duração: 71 min. Classificação: 12 anos. Horários alternativos: 09 de março, terça-feira, às 1h e às 15h; 10 de março, quarta-feira, às 09h; 13 de março, sábado, às 22h30; 15 de março, domingo, às 0h45


22h30 – “Clementina” (Documentário)

O documentário faz uma viagem através das músicas e da história de Clementina de Jesus. Os sambas mais poéticos, o batuque cheio de balanço e os cantos religiosos que revelam uma comunicação forte com o mundo sagrado, vão nos levando para o profundo mundo de Quelé. Marcada na história da MPB pela sua voz excepcional e repertório de música afro-brasileira, essa neta de escravos trouxe com o seu canto a alegria, a potência e o drama da condição do negro no Brasil. Considerada por muitos o elo perdido entre a cultura brasileira e as raízes africanas. Direção: Ana Rieper.  Duração: 75 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 09 de março, terça-feira, às 2h30 e às 16h35; 10 de março, quarta-feira, às 10h30; 13 de março, sábado, às 13h05; 14 de março, domingo, às 20h05


Terça das Artes - 09/03


22h40– "Cildo” (Documentário)

Cildo Meireles é um dos principais artistas plásticos brasileiros, tendo conquistado em 2008 o prestigiado Prêmio Velázques de las Artes Plásticas. Conduzido pelas palavras do próprio Cildo, o filme percorre suas obras, procurando entender o processo criativo e o pensamento do artista. De 2005 a 2008, do ateliê onde trabalha às grandes exposições internacionais, passeamos por suas obras e ideias, em uma trajetória ao mesmo tempo reflexiva e profundamente sensorial.  Direção: Gustavo Moura. Duração: 78 min. Classificação: 10 anos. Horários alternativos: 10 de março, quarta-feira, às 2h40 e às 16h40; 11 de março, quinta-feira, às 10h40; 14 de março, domingo, às 13h40.

Quarta de Cinema – 10/03


22h – “A Luz de Mário Carneiro” (Documentário)

“A Luz de Mário Carneiro” é um documentário que faz um mergulho na história do cinema brasileiro a partir de um de seus maiores diretores de fotografia, Mário Carneiro. Importante fotógrafo e artista plástico, foi um dos principais personagens do Cinema Novo e deixou um vasto e importante material de arquivo inédito sobre sua trajetória, como entrevistas e pequenas experiências em 16mm, além de pinturas, gravuras e desenhos. “A Luz de Mário Carneiro” é uma homenagem a esse personagem que teve grande importância para o desenvolvimento do cinema brasileiro.  Diretor: Betse de Paula. Duração: 73 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 11 de março, quinta-feira, às 02h e 16h; 12 de março, sexta-feira, às 10h; 13 de março, sábado, às 15h35; 14 de março, domingo, às 21h35.

Quinta do Pensamento – 11/03


23h – “Marie Curie, Além do Mito” (Documentário)

As obras e a vida de Marie Curie são como um mito. Embora ela seja homenageada em todo o mundo por sua excelência, sua história e sua vida permanecem pouco conhecidas. Para homenagear esta extraordinária mulher da ciência, por ocasião do centenário de seu Prêmio Nobel em dezembro de 2011, oferecemos um retrato de Marie Curie que, no início do século XX, participou da revolução da física, modificando nossa concepção do mundo e da matéria por meio de seu trabalho sobre a radioatividade. Para pintar um retrato desta cientista excepcional, o ‘Musée Curie’ revela seus arquivos, incluindo alguns não publicados. Através dos seus cadernos e correspondência, através das muitas palavras que Marie Curie nos deixou, queremos encontrar, por trás do mito, a mulher discreta e combativa que ela foi, para reconstituir o seu incrível percurso pelo prisma das suas emoções e pensamentos. Direção: Michel Vuillermet. Duração: 52 min. Classificação: 10 anos. Horários alternativos: 12 de março, sexta-feira, às 03h e às 17h; 13 de março, sábado, às 14h30; 14 de março, domingo, às 23h; 15 de março, segunda-feira, às 11h.

Sexta da Sociedade – 12/03


20h30 – “Serras da Desordem” (Documentário)

Carapirú é um índio nômade que escapa de um ataque surpresa de fazendeiros. Durante dez anos, anda sozinho pelas serras do Brasil central, até ser capturado em novembro de 1988, a 2 mil quilômetros de seu ponto de partida. Levado a Brasília pelo sertanista Sydney Possuelo, ele vira manchete nacional e centro de uma polêmica entre antropólogos e linguistas quanto a sua origem e identidade.  Direção: Andrea Tonacci. Duração: 136 min. Classificação: 10 anos. Horários alternativos: 13 de março, sábado, às 0h30; 15 de março, segunda-feira, às 02h10 e às 14h30; 16 de março, terça-feira, às 08h30

Sábado –13/03


19h45 – “Fronteiras do Pensamento” (Série) – Ep: “José Agualusa”

Autor de romances, contos, novelas e peças de teatro, José Eduardo Agualusa é considerado um dos mais importantes escritores em língua portuguesa da atualidade. Nascido em Angola, ele estudou agronomia e silvicultura, mas logo migrou para o jornalismo, carreira marcada por sua contribuição em diversos jornais. Hoje, com dezenas de prêmios acumulados e livros publicados, Agualusa tem suas obras traduzidas para mais de 25 idiomas. Em Fronteiras do Pensamento, o escritor reflete sobre a capacidade da literatura de questionar e transformar a realidade. Afinal, para ele, a ficção é um exercício permanente de empatia, de se colocar no lugar do outro.  Direção: André Brandão e Ricardo Carioba. Duração: 12 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 14 de março, domingo, às 10h45; 15 de março, segunda-feira, às 08h30.

Domingo – 14/03


15h10 – “Bicho de 7 Cabeças” (Ficção)

Uma viagem ao inferno manicomial. Essa é a odisseia vivida por Neto, um adolescente de classe média baixa, que leva uma vida "normal" até o dia em que o pai o interna em um manicômio depois de encontrar um baseado no bolso de seu casaco. O cigarro de maconha é apenas uma gota d’água que deflagra a tragédia na família. A falta de entendimento leva ao emudecimento na relação dentro de casa e o medo de perder o controle sobre o filho vira o amor do avesso. Internado no manicômio, Neto conhece uma realidade completamente absurda e desumana. Diretores: Laís Bodanzky Duração: 88 min. Classificação: 16 anos. 


Sobre o Grupo Curta!

O Grupo Curta! tem como missão a difusão de conteúdos audiovisuais relevantes nas áreas de artes e humanidades, sejam brasileiros ou estrangeiros, através da TV linear (canal CURTA!), de plataformas de streaming de operadoras de telecom e da internet. A curadoria de conteúdos é, portanto, o motor central do grupo e foi uma das que mais aprovaram projetos originais para financiamento da produção pelo Fundo Setorial do Audiovisual: já foram mais de 120 longas documentais e 800 episódios de 60 séries que chegam ao público em primeira mão através de suas janelas de exibição:


O canal Curta!, linear, está presente nas residências de mais de 10 milhões de assinantes de TV paga e pode ser visto nos canais 556 da NET / Claro TV, 75 da Oi TV e 664 da Vivo Fibra, além de em operadoras associadas à NeoTV; 


O Curta!On, o novo clube de documentários do Curta!, no NOW da Claro / Net, conta com mais de 450 filmes e episódios de séries documentais, organizadas  por temas de interesse como Música, Artes, MetaCinema, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Mitologia e Religião, Sociedade e Pensamento. Há também pastas especiais com novidades – que estreiam a cada mês –, conteúdos originais exclusivos, biografias, além de uma degustação para quem ainda não é assinante do serviço.


A Tamanduá TV, plataforma marketplace aberta para qualquer internauta, já reúne mais de quatro mil conteúdos. O usuário pode alugar filmes e séries específicos ou assinar de forma econômica um dos pacotes que contêm conteúdos segmentados por área de interesse: CineBR, CineDocs, CineEuro, CurtaEducação (para professores e estudantes do Ensino Médio e Enem), MetaCinema (para aficcionados e estudantes de Cinema), entre outros.  Os pacotes CineBR, CineDocs e CineEuro são disponibilizados desde 2018 como serviço de valor agregado (SVA) para perto de oito milhões de assinantes de banda larga fixa (ISP) da operadora CLARO, sem custo adicional. 


As atividades do Grupo Curta! também promovem a geração de royalties para produtores audiovisuais independentes, com a exploração de seus direitos audiovisuais nas diferentes janelas de streaming. O pacotes Cines da Tamandua TV e do Curta!ON estão repassando anualmente mais de R$ 1,5 milhão de reais em royalties para os produtores dos conteúdos que difunde.





Nenhum comentário