Novidades

[News]Paula McCartney anuncia "McCartney III" o terceiro álbum de uma trilogia de clássicos, que será lançado no dia 11 de dezembro


 

Paul McCartney anuncia “McCartney III”, o terceiro álbum de uma trilogia de clássicos, que será lançado no dia 11 de dezembro

 

Lançado em 1970 – “McCartney”

Lançado em 1980 – “McCartney II”

A ser lançado em 2020 – “McCartney III”

 

Escrito, interpretado e produzido por Paul McCartney

 

Pré-venda aqui: https://paulmccartney.lnk.to/McCartney3

 

 

 

 

2020 marca 50 anos desde que Paul McCartney lançou seu primeiro autointitulado álbum solo. Apresentando Paul tocando todos os instrumentos e escrevendo e gravando cada música, o charme sem esforço de McCartney só cresceu em estatura e influência ao longo do tempo. O álbum no topo das paradas significaria não apenas um renascimento criativo para Paul, mas também como um modelo para gerações de músicos indie e lo-fi que buscam imitar sua vibração caseira aconchegante e melodias atemporais, incluindo “Maybe I'm Amazed”, “Every Night” e “The Lovely Linda”.

 

A década de 1970 viu Paul formar sua segunda banda, Wings, e dominar as paradas, palcos e as ondas das rádios do mundo, com vários singles #1, turnês mundiais esgotadas, venda de vários milhões de álbuns, incluindo “Band on the Run”, “Venus and Mars”, “Wings at the Speed ​​of Sound”, “London Town” e muito mais. Em 1980, dez anos após o lançamento de “McCartney”, Paul encerrou a década de Wings com o lançamento surpresa de seu segundo álbum solo, o “McCartney II”, com toque eletrônico. Mais uma vez apresentando Paul sozinho, “McCartney II” viria a ser considerado como um clássico atípico, com sucessos como “Coming Up”, “Temporary Secretary” e “Waterfalls”.  

 

A década de 1980 viu Paul recomeçar, desta vez dando início a uma corrida solo sem precedentes. As quatro décadas seguintes veriam o status icônico e lendário de Paul crescer exponencialmente, com obras-primas solo, incluindo “Tug of War”, “Flowers in the Dirt”, “Pipes of Peace”, “Flaming Pie”, “Memory Almost Full” e “New”, e gigantescos shows ao vivo em todo o mundo — na verdade, estabelecendo o recorde mundial de público em um concerto. Em 2018, 54 anos desde que os Beatles alcançaram o #1 na Billboard Album Charts - Egypt Station de Paul seria mais um #1 histórico álbum de McCartney.

 

Por mais difícil que seja acreditar, só se passaram dois anos desde que a Egypt Station chegou ao #1 — e foi apenas no ano passado que a turnê Freshen Up, de Paul, fez seu último show antes que a Covid fizesse uma pausa na música ao vivo, uma lendária explosão no Dodger Stadium, em Los Angeles.

 

Paul não tinha planejado lançar um álbum em 2020, mas no isolamento de "Rockdown", ele logo se viu desenvolvendo alguns esboços musicais existentes e criando outros novos. Em pouco tempo, uma coleção eclética de canções espontâneas se tornaria “McCartney III”: um trabalho despojado, autoproduzido e, literalmente, solo, marcando a abertura de uma nova década, na tradição de McCartney dos anos 1970 e “McCartney II” dos anos 1980. Gravado no início deste ano em Sussex, “McCartney III” é construído principalmente a partir de tomadas ao vivo de Paul nos vocais e guitarra ou piano, overdubbing de seu baixo, bateria, etc. sobre essa base. O processo começou quando Paul voltou a uma faixa inédita do início dos anos 90, “When Winter Comes” (coproduzida por George Martin). Paul criou uma nova passagem musical, dando origem à abertura do álbum “Long Tailed Winter Bird” — enquanto “When Winter Comes”, com a nova introdução 2020 Winter Bird, se tornou o grande final do novo álbum.

 

Falando sobre III, Paul disse: “Eu vivia uma vida de confinamento em minha fazenda com minha família e ia para meu estúdio todos os dias. Eu tive que trabalhar um pouco em algumas músicas de filme e que se transformou na faixa de abertura e então quando acabou pensei: ‘o que eu vou fazer a seguir?’ Eu tinha algumas coisas em que trabalhei ao longo dos anos, mas às vezes o tempo se esgotava e a música ficava pela metade, então comecei a pensar no que eu tinha. A cada dia, eu começava a gravar com o instrumento no qual escrevi a música e, gradualmente, colocava tudo em camadas. Era muito divertido. Era sobre fazer música para você mesmo ao invés de fazer música como um trabalho. Então, eu só fiz coisas que eu gostava de fazer. Eu não tinha ideia de que isso ia acabar como um álbum”.

 

“Long Tailed Winter Bird” e “Winter Bird/When Winter Comes” começa e termina a vasta e íntima variedade de modos e humores de “McCartney III”, da introspecção ao melancólico, do lúdico ao ruidoso e todos os pontos intermediários — capturado com alguns dos mesmos equipamentos do Paul's Rude Studio, usados em 1971 nas sessões do Wings. E a variedade de instrumentos vintage de Paul que ele tocou no novo álbum tem uma história ainda mais famosa, incluindo o contrabaixo original do trio Bill Black, de Elvis Presley, ao lado do icônico baixo de violino Hofner de Paul e um mellotron do Abbey Road Studios, usado em gravações dos Beatles, para citar apenas alguns. 

 

De acordo com a fotografia de McCartney & McCartney II, feita por Linda McCartney, as principais fotos de III foram tiradas pela filha de Paul, Mary McCartney — com fotos adicionais do sobrinho de Paul, Sonny McCartney, bem como fotos que Paul tirou com seu telefone (é um assunto de família). A arte da capa e o design tipográfico são do célebre artista americano Ed Ruscha.

 

Tanto “McCartney” quanto “McCartney II” viram Paul abrir uma nova década com reinvenção, pessoal e musical. Assim como o lançamento de “McCartney”, em 1970, marcou o retorno de Paul ao básico na esteira da maior separação da banda na história musical e a obra-prima de vanguarda de 1980, McCartney II, ressuscitou das cinzas de Wings, “McCartney III”  encontra Paul de volta por conta própria, transformando circunstâncias inesperadas em um instantâneo pessoal de um artista atemporal em um ponto único da história.

  

“McCartney III” será lançado em 11 de dezembro nas plataformas digitais, em CD e em LP fabricados pela Third Man Pressing. As configurações de vinil vão desde o padrão 180g até a Third Man Edition de três mil cópias de vinil vermelho numeradas à mão, uma edição '333' vendida apenas via loja online da Third Man Records e limitada a 333 cópias em vinil amarelo com pontos pretos criado usando 33 cópias de vinil reciclado de “McCartney” e “McCartney II”, uma prensagem exclusiva de varejo indie dos Estados Unidos de quatro mil LPs de vinil branco numerados à mão, e muito mais.

 

Em breve, mais informações sobre a comercialização dos formatos físicos no Brasil.

 

© Mary McCartney

PR/LB

Nenhum comentário