Novidades

[News]Vento Seco no MIX Brasil

 

Vento Seco, dirigido por Daniel Nolasco, está na seleção da Mostra Competitiva de longas brasileiros do Mix Brasil, que acontece de forma online de 11 a 22 de novembro.

Filmado em Catalão, Goiás, "Vento Seco buscar mostrar parte da cultura gay do interior, que foi responsável pela minha formação até minha vida adulta. Realidade na qual os homens do cerrado se olham, se desejam e transam", explica Nolasco. 

Usando o artificialismo como proposta estética, Vento Seco procura estabelecer um diálogo direto entre alguns elementos do melodrama e do filme erótico, buscando uma reflexão sobre a vida cotidiana dos trabalhadores de uma fábrica de fertilizantes. Além disso, busca levar ao cinema o ambiente pouco representado do interior do centro-oeste brasileiro com todas as suas complexidades.

O filme também se debruça sobre a representação do desejo homoerótico buscando um diálogo com filmes que procuraram pensar uma forma de representação que rompesse com a tentativa de enquadrar os laços homoafetivos, exclusivamente, dentro de códigos estabelecidos por uma cultura que nunca teve como preocupação entender os relacionamentos homoeróticos sobre outro prisma, além daquele estabelecido pela moral vigente. 

"Filmes como O Fantasma de João Pedro Rodrigues, Esse Velho Sonho que se Move, do Alain Guiraudie, o trabalho de cineastas da década de 1970 como o Wakefield Poole (“Bijou”), ou mesmo o trabalho performático de alguns atores como o Al Parker, servem de referência estética e narrativa. Filmes, imagens, corpos, histórias e pessoas que me compõe todo um imaginário dissidente", ele complementa.

O longa fez parte da seleção da Mostra Panorama no Festival de Berlim e estreia comercialmente no primeiro semestre de 2021 com distribuição da Olhar. 

Sobre o diretor:

Daniel Nolasco nasceu na cidade de Catalão, interior de Goiás. É bacharel em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal Fluminense e em História pela Universidade Federal de Goiás. Escreveu e dirigiu mais de nove curtas-metragens, exibidos e premiados em vários festivais nacionais e internacionais. Seu primeiro longa-metragem documentário é “Paulistas” (2017), fez sua estreia no Dok Leipzig. Seu segundo documentário é “Mr. Leather” (2019), exibido em mais de trinta festivais como BAFICI, Frameline, Montreal International Documentary Festival, FicViña Viña del Mar. “Vento Seco” é o seu primeiro longa-metragem de ficção.


Ficha Técnica: 

110 min. | 2020| Cor | Brasil

Direção e roteiro: Daniel Nolasco, Produção: Lidiana Reis; Daniel Nolasco. Elenco: Leandro Faria Lelo; Allan Jacinto Santana; Renata Carvalho; Rafael Theophilo; Leo Moreira Sá; Marcelo D'Avilla; Del Neto; Larissa Sisterolli; Mel Gonçalves; Conrado Helt; Marcelo Souza e Silva; Norval Berbari; Isabella Cecília do Nascimento

Sinopse: No mês de julho, o vento seco e a baixa umidade do ar ressecam a pele dos moradores de uma pequena cidade no interior de Goiás. Sandro divide seus dias entre o clube da cidade, o trabalho, o futebol com amigos e as festas locais. Ele tem um relacionamento com Ricardo, seu colega de trabalho. Mas a sua rotina começa a mudar com a chegada de Maicon, um rapaz que desperta o seu interesse e do qual todos sabem muito pouco.

A produtora – Panaceia Filmes 

A Panaceia Filmes é uma produtora de cinema e conteúdo sediada no centro do Brasil e nasceu com o objetivo principal de pensar e fazer cinema a partir do seu lugar, o estado de Goiás. Desde 2010, a empresa realiza diversos projetos relacionando, produção, reflexão e formação no audiovisual. Como articuladora local tem realizado desde 2014, o mercado regional de cinema - SAPI. Em 2018, por meio da sessão Vitrine, lançou seu primeiro longa-metragem, Paulistas. Seu segundo longa-metragem Alaska foi exibido em mais de 20 praças da rede Cinemark, através do Projeta às 7. Em 2019, dedicou-se à produção de dois novos longas-metragens, Oeste Outra Vez e Vento Seco.

A distribuidora

A Olhar Distribuição nasceu do desejo de buscar a pluralidade de experiências, de visões de mundo, de mostrar a diversidade que existe no contexto em que vivemos. Cada filme tem um universo próprio, repleto de cores, texturas, sorrisos, dilemas e culturas singulares. Nosso objetivo é respeitar cada obra e transpor as fronteiras que limitam os mundos ficcionais e  reais, e levando-as a outros olhares, cercados de realidades distintas, a fim de sensibilizar e provocar a reflexão. 

Os filmes já distribuídos pela Olhar são: “Meu Corpo é Político”, “A gente”, “Ferrugem”, “Homem Livre”, “António Um Dois Três”, “Eleições”, “Dias Vazios”, “A parte do mundo que me pertence”, “Rafiki”, “Fernando”, “Meu Nome é Daniel”, “Nóis por Nóis” e “Alice Júnior” 



Nenhum comentário