Novidades

[News]Séries de eventos dão a largada para as comemorações de 20 anos do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos

Séries de eventos dão a largada para as comemorações de 20 anos do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos

 

Ações amplificam o ensino do teatro hip-hop, promovendo a história e as técnicas de corpo, voz, atuação e música; além de ministrar oficinas, os integrantes do Núcleo Bartolomeu convidam artistas como Dione Carlos, Marcelino Freire, Luh Mazza, Ave Terrena, Carol Bianchi para rodas de conversas.

 


A partir de maio, além das oficinas com Luaa Gabanini, Claudia Schapira, Eugênio Lima e Roberta Estrela D'Alva (na foto), acontecem rodas de conversas com Dione Carlos, Marcelino Freire, Luh Mazza, Ave Terrena, Carol Bianchi e integrantes do Núcleo Bartolomeu

 

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos completa 20 anos de criação e de atuação continuada com a construção da linguagem do teatro hip-hop e ganha comemoração com diversas atividades programadas ao longo de 2021 e 2022. Essas duas décadas de intenso trabalho originaram não só uma cartografia que mescla linguagem e trajetória do grupo, mas também reflexões e um importante olhar para o futuro na formação de novos imaginários.

 

Para começar as celebrações, no dia 10 de maio, segunda-feira, às 20h, acontece a primeira (de cinco) Rodas de Conversa entre integrantes do Núcleo e outros artistas. Foram escolhidos cinco temas - "Teatro Épico e Cultura Hip-Hop", "Arte e Autorrepresentação", "Teatro e política(s)", "Novos imaginários" e  "Dramaturgia Cênica". Para inaugurar este ciclo, a primeira sessão será com os integrantes fundadores do Núcleo - Claudia Schapira, Eugênio Lima, Luaa Gabanini e Roberta Estrela D'Alva. Nas semanas seguintes eles também recebem convidados como Dione Carlos, Marcelino Freire, Luh Mazza, Ave Terrena, Carol Bianchi, entre outros. Os encontros acontecem às segundas-feiras, entre 10 de maio e 7 de junho, às 20h, no canal de YouTube do Núcleo Bartolomeu (www.youtube.com/user/nucleobartolomeu). 

 

Entre 18 de maio e 09 de junho serão realizadas quatro oficinas on-line, via plataforma Zoom, às terças e quartas-feiras, às 14h, com os integrantes fundadores do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos. Os elementos da linguagem estarão no foco, para mostrar como eles contracenam e produzem juntos uma metodologia de trabalho.

 

Mais sobre as Rodas de conversa

 

Para reforçar o caráter de diálogo com a comunidade, o Núcleo Bartolomeu programou uma série de bate-papos virtuais, abertos à participação do público. Nesses eventos, o coletivo recebe convidados para debater temas presentes e importantes nas suas duas décadas de trabalho, como criação de imaginários, presença política, representação, teatralidade etc. Elas acontecem semanalmente, às segundas-feiras, sempre às 20h, pelo canal de YouTube do Núcleo (www.youtube.com/nucleobartolomeu). 

 

O primeiro evento acontece em 10/5, com o tema "Teatro Épico e Cultura Hip-Hop – Uma história do diálogo", com os integrantes do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e mediação de Eugênio Lima. Na semana seguinte, 17/05, também com mediação de Eugênio, o tema é "Arte e Autorrepresentação", com Dione Carlos e Ave Terrena

 

No dia 24/5, com Eleonora Fabião e Laís Machado, e mediação de Luaa Gabanini, o fio será "Teatro e política(s): O Corpo em performance". Luh Maza e Marcelino Freire, com medição de Roberta Estrela D'Alva, falam sobre "Novos imaginários" na segunda, 31/5. Fechando as discussões, Claudia Schapira media a mesa "Dramaturgia Cênica: A cena expandida", com Carol Bianchi, dia 7/6.

 

A ideia principal dessas rodas é rever os conceitos que estiveram presentes nos 20 anos do grupo e também ampliar as vozes de contato, trazendo artistas com outros pontos de vista para a conversa.

 

Os detalhes das oficinas

 

As oficinas são gratuitas, mediante inscrição prévia por meio de formulário, abertas a todos os interessados em aprimorar a criação de uma linguagem poética. As vagas são limitadas.

 

Abrindo a programação, nos dias 18 e 19 de maio, Luaa Gabanini ministra "Corpo Poético". Os participantes terão uma vivência do corpo como matéria cênico-poética, utilizando como base os princípios do movimento cotidiano e das danças urbanas, explorando as possibilidades de expressão do corpo.

 

Eugênio Lima está à frente de "Disco Aula", que acontece nos dias 25 e 26 de maio. Uma história da Discotecagem-Música,dos Beats e das Festas, mixando com acontecimentos sociais, culturais e políticos das épocas.

 

Na semana seguinte, dias 1º e 2 de junho, acontece "Zona Autônoma da Palavra", com Roberta Estrela D'Alva, em que algumas vertentes da poesia falada contemporânea são abordadas. Também serão realizados alguns exercícios práticos a partir da voz, respiração, dicção, a relação do texto escrito com a fala, a postura cênica do corpo.

 

Fechando a programação das oficinas, dias 8 e 9 de junho, é a vez de "Criação Dramatúrgica", com Claudia Schapira. A ideia é trabalhar o texto, colocar as palavras em ação e criar um texto que sirva de instrumento de autorrepresentação.

 

Parte da programação comemorativa foi contemplada pela 36ª Edição do Programa Municipal do Fomento ao Teatro, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Parte das comemorações também é contemplada também pela Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020), através do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura.

 

Além dessas atividades vão acontecer muitas outras atrações, entre elas: Leituras dramáticas das principais obras dramatúrgicas do coletivo; apresentações do espetáculo "Terror E Miséria No Terceiro Milênio – Improvisando Utopias";  ZAP! Slam; estreia do espetáculo "Cabaré Hip-hop – As irmãs do Blues"; lançamento de livro com as 14 peças encenadas pelo Núcleo; e uma Festa-rito.

 

Nesses 20 anos, o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos tem uma trajetória intrinsecamente ligada à cidade de São Paulo, com a construção de sua linguagem – o teatro hip-hop. Formado por Claudia Schapira, Eugênio Lima, Luaa Gabanini e Roberta Estrela D'Alva, o coletivo já levou ao palco 14 peças, é responsável pelo SLAM SP (Campeonato paulista de poesia falada) e SLAM BR (Campeonato brasileiro de poesia falada) e tem um projeto permanente (ZAP! Zona Autônoma da Palavra).

 

O Núcleo pesquisa e desenvolve a linguagem, o diálogo entre a cultura hip-hop, com a contundência da autorrepresentação como discurso artístico, e o teatro épico e seus recursos: o caráter narrativo, apoiado por uma dramaturgia que se configura depoimento do processo histórico; como instrumento que elucida uma concepção do mundo, e coloca o ator-narrador em face de si mesmo como objeto de pesquisa; como ser mutável; em processo, fruto do raciocínio, da reflexão.

 

Serviço

Núcleo Bartolomeu de Depoimentos 20 anos

De Maio de 2021 a Março de 2022

Programação completa em: https://linktr.ee/nucleobartolomeu 

 

Programação das apresentações:

 

1º Roda de Conversa/Debate on-line

Data: 10/05/2021 Horário: 20h às 21h30

Tema: Teatro Épico e Cultura Hip-Hop – Uma história do diálogo.

Com Núcleo Bartolomeu de Depoimentos – Mediação: Eugênio Lima

Transmissão: Facebook e Youtube do grupo Núcleo Bartolomeu

 

2º Roda de Conversa/Debate on-line 

Data: 17/05/2021 Horário: 20h às 21h30

Tema: Arte e Autorrepresentação

Com Dione Carlos e Ave Terrena – Mediação: Eugênio Lima

Transmissão: Facebook e Youtube do grupo Núcleo Bartolomeu

 

3º Roda de Conversas/Debates on-line

Data: 24/05/2021 Horário: 20h às 21h30

Tema: Teatro e política(s) 

Eleonora Fabião e Laís Machado – Mediação: Luaa Gabanini

Transmissão: Facebook e Youtube do grupo Núcleo Bartolomeu

 

4º Roda de Conversas/Debates on-line

Data: 31/05/2021 Horário: 20 às 21h30

Tema:Novos imaginários 

Luh Maza e Marcelino Freire – Medição: Roberta Estrela D'Alva

Transmissão: Facebook e Youtube do grupo Núcleo Bartolomeu

 

5º Roda de Conversa/Debate on-line

Data: 07/06/2021 Horário: 20 às 21h30

Tema: Dramaturgia Cênica: A cena expandida

Carol Bianchi – Mediação: Claudia Schapira

Transmissão: Facebook e Youtube do grupo Núcleo Bartolomeu

 

Programação das Oficinas:

inscrições em: https://linktr.ee/oficinasbartolomeu

 

MÓDULO I - Oficina Corpo Poético – com Luaa Gabanini: Uma vivência do corpo como matéria cênico-poética, utilizando como base os princípios do movimento cotidiano e das danças urbanas, que explora as possibilidades de expressão do corpo. 

Meu corpo e eu: Reconhecendo e despertando potencialidades.

Meu corpo e o outro: Dançando e criando a partir do encontro.

Data: 18 e 19/05/2021 [terça e quarta-feira]

Horário: 14h às 16h, na Plataforma Zoom 

 

MÓDULO II - Oficina Disco Aula – com Eugênio Lima: Uma história da Discotecagem-Música, Beats, Festas e Política. Este curso enveredará pela história da discotecagem, mixando assuntos para criar um mosaico sonoro. Música, vinil, técnicas de discotecagem somam-se aos diversos acontecimentos (sociais, culturais, políticos) na linha imaginária do tempo que "nos toca viver". Disco é cultura. Cultura é arte. Mani-festa-ação, Zona Autônoma, Tecido de renda fina, mas sobretudo: música.

Data: 25 e 26/05/2021 [terça e quarta-feira]

Horário: 14h às 16h, na Plataforma Zoom 

 

MÓDULO III - Oficina Zona Autônoma da Palavra – com Roberta Estrela D'Alva: Algumas vertentes da poesia falada contemporânea serão apresentadas ao público, bem como serão realizados alguns exercícios práticos a partir dos seguintes aspectos: voz, respiração, dicção, a relação do texto escrito com a fala, a postura cênica do corpo. Afinando o instrumento: apresentação do tema (vertentes da poesia falada hoje slam, spoken word e rap), produção de textos e exercícios práticos de voz, respiração e corpo. Da letra à voz: declamando, interpretando e cantando a poesia.

Data: 01 e 02/06/2021 [terça e quarta-feira]

Horário: 14h às 16h, na Plataforma Zoom 

 

MÓDULO IV - Oficina Criação Dramatúrgica– com Claudia Schapira: Trabalhar o texto, como uma dramaturgia que nasce da necessidade de colocar palavras à ação. O que vem primeiro: o texto, o mote, a estética, o conflito? O texto como manifesto, como instrumento de autorrepresentação. A poesia como instrumento para micro-histórias. O texto como elaboração de uma visão de mundo através da máscara de uma personagem.

Data: 08 e 09/06/2021 [terça e quarta-feira]

Horário: 14h às 16h, na Plataforma Zoom 

 

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos

 

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, formado por Claudia Schapira, Eugênio Lima, Luaa Gabanini e Roberta Estrela D'Alva, nasceu no ano de 2000 e tem como pesquisa de linguagem o diálogo entre a cultura hip-hop, com a contundência da autorrepresentação como discurso artístico, e o teatro épico e seus recursos: o caráter narrativo, apoiado por uma dramaturgia que se configura depoimento do processo histórico; como instrumento que elucida uma concepção do mundo, e coloca o ator-narrador em face de si mesmo como objeto de pesquisa; como homem mutável; em processo, fruto do raciocínio, da reflexão.

 

Em 2000, estreou Bartolomeu, O Que Será que Nele Deu, o primeiro espetáculo do Núcleo, dirigido por Georgette Fadel e inspirado no romance de Herman Melville "Bartleby, O Escriturário". Acordei Que Sonhava, uma livre adaptação de "A Vida É Sonho", de Calderón de la Barca, foi o segundo espetáculo da companhia, estreado em 2002, dirigido por Claudia Schapira.

 

Entre os anos de 2002 e 2003, o Núcleo desenvolveu o projeto Urgência nas Ruas – obras-manifesto, intervenções pelas ruas de São Paulo. Esse projeto foi o primeiro a ser contemplado pela Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, fundamental e estruturante da pesquisa e obra do Núcleo.

 

Em 2006 estreia Frátria Amada Brasil – Pequeno Compêndio de Lendas Urbanas, espetáculo inspirado na Odisseia de Homero. Uma pequena odisseia, brasileira e nossa, fruto da vivência nas ruas e das personagens que nelas habitam, autores anônimos da história velada deste país.

 

O projeto 5 x 4 – Particularidades Coletivas, que teve sua estreia em junho de 2008, foi o resultado de um aprofundamento de elementos específicos da pesquisa da linguagem do teatro hip-hop, e gerou cinco espetáculos: Encontros Notáveis, 3×3 – Três DJs em busca do vinil perdido, Manifesto de Passagem – 12 Passos em Direção à Luz, Vai te Catar! e Cindi Hip-Hop – Pequena Ópera Rap.

 

Em 2009, o Núcleo iniciou o projeto Pajelança de Kuarup no Congá, que depois de quase três anos de intensa pesquisa resulta no espetáculo Orfeu Mestiço, uma Hip-Hópera Brasileira, fazendo parte do trabalho ininterrupto deste coletivo por consolidar uma linguagem: o Teatro Hip-Hop.

 

Em 2013, estreou Antígona Recortada; em 2014, BadeRna, último espetáculo realizado na sede do grupo, que foi demolida pela Ink Incorporadora e todos seus associados, e se tornou uma espécie de manifesto cênico, que reflete o cunho político que as ações do grupo assumiriam a partir da perda do seu "território cultural".

 

Em 2015, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, na comemoração dos 15 anos, realizou a Ocupação Arena Urbana – De onde viemos, para onde voltamos, que contou com a temporada de três obras inéditas: Memórias Impressas (instalação cênico-dramática sobre violência feminina), Olhos Serrados (um solo performativo que transitava entre a palavra e o movimento) e 1, 2, 3 – Quando acaba começa tudo outra vez, marcando a incursão do grupo no universo do teatro infantil.

 

Em maio de 2016, estreou Cassandra – Na calada da voz, uma performance teatral, com uma plataforma que se modifica a cada apresentação, trazendo à luz a violência infringida através dos tempos ao discurso feminino.

 

Além dos espetáculos, o Núcleo criou dois projetos permanentes: em 2008, ZAP! Zona Autônoma da Palavra, o primeiro poetry slam (campeonato de poesia) brasileiro, e em 2009, DCC – Dramaturgia Concisa e Contemporânea, um espaço dedicado à criação e debate sobre produção de textos cênicos curtos e inéditos.

 

 

 

Informações para a imprensa:

Canal Aberto Assessoria de Imprensa

Márcia Marques - marcia@canalaberto.com.br - 11 99126 0425

Carol Zeferino - carol@canalaberto.com.br - 11 99425 1328

Daniele Valério - daniele@canalaberto.com.br - 11 98435 6614

 

 

 

 

MATERIAL DE APOIO

 

Mini Bios dos ministrantes das Oficinas:

 

Luaa Gabanini é atriz-Performer. Doutoranda na ECA–USP em 2020, Mestra em Artes Cênicas pela ECA-USP, formou-se em Artes Plásticas na Faculdade Belas Artes, fez especialização em Direção Teatral na Escola Superior de Artes Célia Helena. Membro fundadora do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos onde pesquisa a performatividade, a dança, e o corpo cênico. É professora de expressão corporal na Escola Superior de Artes Célia Helena e no Teatro Escola Célia Helena. Como atriz  no teatro alguns de seus trabalhos são: "Terror e Miséria no Terceiro Milênio – Improvisando Utopias", "Efeito Cassandra – Na calada da voz", "Memórias Impressas", "BadeRna", "Antígona Recortada", "Orfeu Mestiço - Uma Hip-Hópera Brasileira", "Banda Hamlet", "Manifesto de Passagem", "Frátria Amada Brasil", "Acordei que Sonhava", "Bartolomeu - Que Será Que Nele Deu?". No cinema alguns de seus principais trabalhos são: "A Vida Começa...", "CrónicasNãoDitas", "Linha Burra", "Impressões para Clara", "Cinderela", "Sabão de Côco", "A Mãe de Pedra", "A Mulher Morta". Como diretora seus últimos trabalhos foram: "Alteridade", "Anoises", "Encontros Notáveis", "3x3 - 3 Djs em busca do vinil perdido".

 

Claudia Schapira é formada pela escola de arte dramática da USP,  é membro-fundadora do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, onde tem centrado a sua atuação principalmente como dramaturga e  diretora. É também uma das diretoras do Manifestu Impromtpu, coletivo de audiovisual que já desenvolveu dois projetos  de seriados em parceria com o Itaú Cultural e é ganhador do proac desenvolvimento de roteiro de longa metragem, que se encontra  agora em processo de criação. A sua pesquisa dramatúrgica tem sido conduzida   sob a perspectiva da performance e experimentado a  criação de diferentes dispositivos para   a entrada da palavra na  cena. Trabalhou com importantes nomes do teatro (como Ulisses Cruz, José Possi Neto, Cibele Forjaz, Luís Melo e Daniela Thomas) e do cinema (como Tata Amaral, Fabrizia Pinto e Fernando Meirelles). Ao longo de sua carreira foi premiada por seus textos (Prêmio PANAMCO/ Coca-Cola 2001, Prêmio Cooperativa 2008, Prêmio FEMSA/Coca-Cola 2009) e figurinos (Prêmio Shell 2005, Prêmio Mambembe 1995) e foi indicada ao prêmio Shell como melhor autor pela peça "Antígona Recortada – contos que cantam sobre pousos pássaros", espetáculo vencedor do prêmio governador do estado 2014.  Em 2015 venceu com mais outros dois autores o edital da I Mostra de Dramaturgia em Pequenos Formatos Cênicos do Centro Cultural São Paulo com o projeto "Memórias Impressas".

 

Eugênio Lima é dj, Ator-Mc, Pesquisador da cultura diaspórica, Membro Fundador do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e da Frente 3 de Fevereiro e Diretor do Coletivo Legítima Defesa. Ganhador de inúmeros prêmios: Prêmio Shell de Teatro de melhor Música 2020 por "Terror e Miséria no Terceiro Milênio"; Prêmio Governador do Estado 2014 com o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos por "Antígona Recortada: Contos Que Cantam Sobre Pousos Pássaros"; Prêmio Shell de Teatro de melhor Música 2006 por "Frátria Amada Brasil: Pequeno Compêndio de Lendas Urbanas" e Prêmio do Coca Cola/FENSA 2004 de melhor música pela peça "Acordei que Sonhava". Tem um ampla atuação como curador em diversas áreas, dentre seus principais trabalhos de curadoria estão: Ciclo Lélia Gonzáles: Uma Intelectual Amefricana – Flup- a Festa Literária das periferias- 2020; Dramaturgia Negra: Antologia Brasileira de Dramaturgia Negra - FUNARTE São Paulo 2017; Legítima Defesa: Poéticas-Políticas à Procura de um Pouso - Elaboração poética política da imagem da "negritude"- São Paulo 2017. -Ciclo de Debates Internacional "Discursos sobre o não dito" na MITsp Mostra Internacional de São Paulo 2017; Eixo Reflexivo da Ocupação Abdias Nascimento: Cartografia e Conferências Performáticas, São Paulo 2016 -Ciclo de Debates Internacional "Discursos sobre o não dito" na MITsp Mostra Internacional de São Paulo 2016 -Festival Cidade Sonora; Cidade de Fusão/Música de Encontros - FUNARTE São Paulo 2012

 

Roberta Estrela D'Alva é atriz-MC, diretora, diretora musical, pesquisadora, slammer. Membro fundadora do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos- Teatro Hip-Hop e do coletivo transdisciplinar Frente 3 de Fevereiro. Bacharel em artes cênicas pela ECA-USP e doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. É idealizadora e slammaster do ZAP! Zona autônoma da Palavra, primeiro "poetry slam" (campeonato de poesia) brasileiro e curadora do Rio Poetry Slam-FLUP, primeiro poetry slam internacional da América Latina. Em novembro de 2014 foi publicado seu primeiro livro "Teatro Hip-Hop-a performance poética do ator-MC" pela editora Perspectiva. De 2016 a 2018 foi apresentadora do programa Manos e Minas, nas TV Cultura SP e afiliadas. Juntamente com Tatiana Lohmann dirigiu o documentário "SLAM- Voz de Levante" (2018) que foi contemplado com o prêmio especial do júri e o prêmio de melhor direção de documentário no 19o Festival do Rio (Rio de Janeiro International Film Festival) e melhor filme no FIM (Festival Internacional de Mulheres no Cinema). Juntamente com o escritor Marcelino Freire, é curadora da nova sala "Falares" do Museu da Língua Portuguesa, dedicada às oralidades. Recebeu o prêmio Shell de melhor atriz ano de 2012 por sua atuação no espetáculo "Orfeu Mestiço, uma hip-hópera brasileira" e o de melhor música em 2020 pelo espetáculo Terror e Miséria no Terceiro Milênio-Improvisando Utopias, juntamente com Dani Nega e Eugênio Lima. Recebeu o Prêmio Claudia 2018 na categoria Cultura.

PR/CanalAberto

Nenhum comentário