Books Brasil Books

Novidades

[News] Sesc Pinheiros recebe Lia Rodrigues Cia de Danças na estreia de Encantado; a obra Fúria, premiada pela APCA em 2019, compõe a temporada

 

Figura 1: Cena de Encantado. Foto: Sammi Landweer

Encantado é o título da nova criação da Lia Rodrigues Companhia de Danças que se inicia no contexto da crise sanitária provocada pelo covid-19.  A escolha desse título nasceu do desejo de usar a magia e a encantação como guias para conduzir o processo criativo que acontece nesse momento dramático em que vivemos no Brasil. Além dessa obra, também será apresentado, no Sesc Pinheiros, o espetáculo Fúria, que fez temporada nacional em 2019. Encantado faz temporada de 17 de março a 10 de abril; já Fúria fica em cartaz dias 14, 16 e 17 de abril.  Sobre Encantado  A palavra "encantado", do latim incantatus, designa algo que é ou foi objeto de encantamento ou de feitiço mágico. ‘Encantado’ é também sinônimo de maravilhado, deslumbrado ou fascinado e também uma expressão de cumprimento social.No Brasil, a palavra ‘encantado’ tem ainda outros sentidos. O termo se refere às entidades que pertencem a modos de percepção de mundo afro-ameríndios. Os ‘encantados’, animados por forças desconhecidas, transitam entre céu e terra, nas selvas, nas pedras, em águas doces e salgadas, nas dunas, nas plantas, transformando-os em locais sagrados. 

______________________________ Como encantar nossos medos e nos colocarmos no coletivo, próximos uns dos outros? Como encantar o que nos cerca , imagens , danças e paisagens e transformá-las em nossos corpos  e ideias?  Como entrar  em encantamento e nos acoplarmos, nós e o ambiente, em arranjos variados  e ir ao encontro dos seres viventes em toda a sua diversidade?______________________________ 

São seres que atravessam o tempo e se transmutam em diferentes expressões da natureza. Não experimentaram a morte, mas seguiram em outro plano, ganhando atribuições mágicas de proteção e de cura. Deste modo, as ações predatórias que ameaçam a vida na Terra, a destruição sistemática das florestas, dos rios e do mar impactam também a existência dos Encantados. Não há como separar os encantados da natureza ou a natureza desses seres. Sobre Fúria  Em Fúria, um mundo povoado de imagens de dor, beleza, violência, opressão e liberdade se constrói e se desmancha sem trégua, diante dos olhos do público. Os corpos dos intérpretes da companhia se destacam e se perdem em meio às roupas, sacos plásticos, rejeitos, em uma mistura de cores, formas e texturas. Um trecho de uma música tradicional dos povos indígenas Kanak, da Nova Caledônia, repetido infinitamente, acompanha grande parte da performance. “Como espiar o tempo em um mundo dominado por uma infinidade de imagens contrastantes - medonhas e belas, sombrias e luminosas - atravessadas por uma infinidade de perguntas não respondidas e perpassadas por contradições e paradoxos?  Como espiar o tempo em um mundo de fúria? Como dar visibilidade e voz ao que está invisível e silenciado?”. Esses são alguns dos questionamentos que Lia destaca como desencadeadores da obra. Sobre as ações sanitárias da Lia Rodrigues Cia de Danças durante a COVID-19 Encantado foi criado entre abril e novembro de 2021, em plena crise sanitária.  Como todos os projetos da Companhia  desde 2004, essa peça foi criada no Centro de Artes da Maré, no Rio de Janeiro, instituição criada e dirigida pela Redes da Maré e pela Lia Rodrigues Cia de Danças em 2009. Durante esse período, a companhia se alinhou à campanha “A Maré diz NÃO ao Coronavírus”, da Redes da Maré, que durante 2020 e 2021 colocou em prática ações contra o coronavírus na região. O Centro de Artes tornou-se centro dessas ações - ele  funciona como local de armazenamento  e distribuição de alimentos, garrafas de água, produtos de higiene e limpeza e Equipamentos de Proteção Individual para 17 mil famílias da região que vivem em extrema pobreza. O Centro de Artes  também foi o centro da organização da vacinação  de mais de 30.000  moradores da Maré em três dias. Através da Redes da  Maré a Companhia foi orientada nos protocolos de testagem  através do projeto Conexão Saúde – De olho na Covid, uma parceria de instituições Centro Comunitário Manguinhos, Cruz Vermelha, Dados do Bem, Estáter, Fiocruz, Redes da Maré, SAS Brasil, Todos Pela Saúde e União Rio, e do aplicativo Dados do Bem, parceria da Redes da  Maré com a Fiocruz. O Centro de Artes da Maré , um lugar para as artes que tem dois palcos magníficos, ocupou esses espaços com cestas básicas que foram distribuídas por muitas pessoas, unindo dessa forma arte, cultura e sociedade. "A sociedade civil se  organiza no Brasil, assumindo o papel que o Estado se recusa a cumprir. A Redes da Maré tem feito isso de uma forma muito eficiente e bonita", diz Lia Rodrigues. "E como conseguimos recursos para trocar o telhado do Centro  de Artes e instalar energia solar, essa obra  também aconteceu no nosso período de criação. Por conta das chuvas dentro do espaço, precisamos refazer o nosso palco de madeira algumas vezes. Tudo isso fez e faz parte do nosso dia a dia de ensaio", complementa a coreógrafa, ressaltando também os protocolos de proteção adotados pela companhia, como uso de máscara, distanciamento, todos os artistas se locomovendo de Uber ou táxi para evitar a possibilidade de contaminação no  transporte público, além de uma pessoa encarregada da higienização do palco, banheiro e espaço de alimentação que trabalhou durante todo o período de ensaios. Para finalizar, testes de COVID-19 eram realizados todas as semanas. "Organizar esse funcionamento  exigiu muito trabalho e, é claro, muito investimento. Foi um longo processo para fazer Encantado  acontecer.  Já no final de 2019 comecei a elaborar um possível caminho para uma nova criação com leituras, encontros e pesquisas. Um processo bastante solitário para preparar o encontro com os artistas posteriormente para os ensaios  presenciais.  No início de 2020 comecei a levantar os recursos financeiros  necessários para levar adiante um projeto de quase 9 meses  de ensaio  envolvendo artistas, colaboradores artísticos, administração, espaço para  ensaio , tempo para pesquisa, equipe técnica etc", conta Lia. Ela reforça que isso só foi possível graças ao apoio concreto de várias instituições europeias, parcerias conquistadas  ao longo do tempo. A companhia tem 32 anos e Lia começou a se  apresentar na Europa em 1994. "É uma construção de confiança , troca, muitas atividades não somente artísticas, mas também de  formação de público, aulas, palestras e encontros. Assim é sempre necessário persistência  e, claro, muito muito trabalho. Uma diferença grande é que na Europa eles acompanham realmente o que faço desde então, eles conhecem e reconhecem o meu trabalho , e  sabem que o mais importante é acompanhar  um artista  e suas atividades ao longo de sua carreira", diz Lia. Nos últimos anos, as únicas fontes brasileiras de investimento no seu trabalho tem sido o SESC de São Paulo (parceiro de muitas décadas), a Bienal de Dança de Fortaleza e o Festival de Curitiba, além da importantíssima parceria com a Redes da Maré nos projetos que desenvolvem juntas, como, por exemplo, o Centro de Artes da Maré que também é  sede da Companhia.Ficha Técnica - Encantado Criação:  Lia RodriguesDançado e criado em estreita colaboração com  Leonardo Nunes, Carolina Repetto, Valentina Fittipaldi, Andrey Da Silva, Larissa Lima, Ricardo Xavier, Joana Lima, David Abreu, Matheus Macena, Tiago Oliveira, Raquel AlexandreAssistente de criação: Amália LimaDramaturgia:  Silvia SoterColaboração artística  e imagens:  Sammi LandweerCriação de luz:  Nicolas Boudier com assistência técnica de  Baptistine Méral e  Magali FoubertOperação de luz: Jimmy WongTrilha sonora/mixagem: Alexandre Seabra (a partir de trechos de músicas do  povo GUARANI MBYA/aldeia  de Kalipety da T.I. Tenondé Porã, cantadas e tocadas  durante a marcha de povos indígenas em Brasília em  agosto e setembro de 2021 contra o ‘marco temporal ‘, uma medida inconstitucional, que prejudica o presente e o futuro de todas as gerações dos povos indígenas).Produção e difusão: Colette de Turville com assistência de Astrid ToledoAdministração França: Jacques SegueillaProdução Brasil: Gabi Gonçalves / Corpo RastreadoProdução e idealização do projeto Goethe Instituto: Claudia OliveiraSecretária: Glória LaureanoProfessores: Amalia Lima, Sylvia Barretto, Valentina Fittipaldi Uma coprodução de Scène nationale Carré-Colonnes; Le TAP - Théâtre Auditorium de Poitiers; Scène nationale du Sud-Aquitain; La Coursive – Scène nationale de La Rochelle; L’empreinte, Scène nationale Brive-Tulle; Théâtre d’Angoulême Scène Nationale; Le Moulin du Roc, Scène nationale à Niort; La Scène Nationale d’Aubusson; Kunstenfestivaldesarts (Brussels); Brussels, Theaterfestival (Basel); HAU Hebbel am Ufer (Berlin); Festival Oriente Occidente (Rovereto); Theater Freiburg; l’OARA - Office Artistique de la Région Nouvelle Aquitaine; Julidans (Amsterdam); Teatro Municipal do Porto; Festival DDD, dias de dança; Chaillot – Théâtre national de la Danse (Paris); Le CENTQUATRE-PARIS; e Festival d’Automne à Paris. Com apoio de FONDOC (Occitanie)/França; Fundo internacional de ajuda para as organizações de cultura e educação 2021 do ministério federal alemão de Affaires étrangères, do Goethe-Institut et de outros parceiros; Fondation d’entrepriseHermès/França, com a parceria de  France Culture Lia Rodrigues é artista associada do Théâtre national de la Danse (Paris); Le CENTQUATRE-PARIS Uma produção da Lia Rodrigues Companhia de Danças com apoio da Redes da Maré (Campanha “ A Maré diz  não  ao  Coronavírus  - projeto  Conexão Saúde'') e do  Centro de Artes da Maré . Agradecimentos:  Thérèse Barbanel, Antoine Manologlou, Maguy Marin, Eliana Souza Silva, equipe do Centro de Artes da Maré. “Encantado” é dedicado para Olivier. Ficha técnica - Fúria Criação: Lia RodriguesAssistente de criação: Amália LimaDançado e criado em estreita colaboração com: Leonardo Nunes, Carolina Repetto, Valentina Fittipaldi, Andrey Silva, Larissa Lima, Ricardo Xavier, Joana Lima, David Abreu, Matheus Macena, Tiago Oliveira, Raquel AlexandreTambém criado por: Felipe Vian, Clara Cavalcante, Karoll SilvaDramaturgia: Silvia SoterColaboração artística e imagens: Sammi LandweerCriação de Luz: Nicolas BoudierOperação de Luz: Jimmy WongProdução e difusão internacional: Colette de TurvilleProdução e difusão Brasil: Gabi Gonçalves/ Corpo RastreadoSecretária/administração: Glória LaureanoProfessoras: Amália Lima, Sylvia BarretoCoprodução: Chaillot – Théâtre national de la Danse, CENTQUATRE-Paris, Fondation d’entreprise Hermès dans le cadre de son programme New Settings,  Festival d’Automne  de Paris, MA scène- nationale, Pays de Montbéliard, Les Hivernales - CDNC (França);  Künstlerhaus Mousonturm Frankfurt am Main, Festival Frankfurter Position 2019 –BHF-Bank-Stiftung, Theater Freiburg,  Muffatwerk/Munique (Alemanha); Kunstenfestivaldesarts, Bruxelas (Bélgica); Teatro Municipal do Porto,  Festival DDD - dias de dança (Portugal).Uma realização da Lia Rodrigues Companhia de Danças com o apoio da Redes da Maré e do Centro de Artes da Maré.Lia Rodrigues é uma artista associada ao Chaillot-Théâtre national de la Danse e ao CENTQUATRE, França.Agradecimentos:  Zeca Assumpção, Inês Assumpção, Alexandre Seabra, Mendel Landweer, Jacques Segueilla , equipe do Centro de Artes da Maré e da Redes da Maré. SERVIÇOFúria e Encantado | Lia Rodrigues Companhia de DançasLocal: Teatro Paulo Autran (1010 lugares) - R. Pais Leme, 195 - Pinheiros, São Paulo - SP, 05424-150 EncantadoDe 17 de março a 10 de abril de 2022.Quinta a sábado, às 21h. Domingos, às 18hIngressos: R$ 40 (inteira), R$ 20 (credencial plena/meia) Duração: 60 minutosClassificação: 16 anos FúriaDias 14, 16 e 17 de abril de 2022Quinta e sábado, às 21h. Domingo, às 18hIngressos: R$ 40 (inteira), R$ 20 (credencial plena/meia) Duração: 70 minutosClassificação: 16 anos 




Nenhum comentário