Novidades

[Crítica] 1982

 

Sinopse:

Quase que inteiramente baseado em trechos do programa de TV 60 Minutos, o filme revê a campanha midiática que dominou os 74 dias da guerra declarada pela ditadura argentina contra os britânicos pelo controle das Ilhas Falkland. Ao mostrar cenas como âncoras pedindo doações para a compra de armas, 1982 desnuda o poder da mídia de canalizar opiniões e, ao colocar o espectador no lugar de um argentino da época, ajuda a compreender como precisamos de mentiras em nome da esperança.



O quê eu achei?

Esse foi o terceiro documentário que assisti no festival É tudo verdade/It´s all true. 1982 foi uma das minhas escolhas na hora de pedir o credenciamento porque sempre me interessei por guerras e as guerra das ilhas Malvinas não é a das mais estudadas para nós, brasileiros. 

``Essas imagens são imperfeitas mas documentam a História``. Essa é uma das primeiras frases ditas no filme e são ditas por um repórter argentino bem na época em que a ditadura argentina do presidente Leopoldo Galtieri (1976-1983). Nesse documentário, o diretor Lucas Gallo parte conflito entre argentinos e britânicos para discutir um tema bem mais abrangente: a construção do patriotismo através da mídia. A intenção de Gallo foi de mostrar ao espectador como o lado perdedor da guerra enxerga a si mesmo.

Um dos elementos mais frequentes é trecho do programa 60 minutos, um programa de notícias com inclinação direitista. Algumas mulheres que ficaram viúvas são entrevistadas e vemos cenas mostrando como o cotidiano dos cidadãos foi afetado pela guerra.Mas as reportagens também mostram algumas cenas mais fortes como mulheres ficando em casa para cuidar dos filhos, os líderes católicos rezando pelo povo- até uma visita do Papa João Paulo II é mostrada-por trás do semblante sereno dos repórteres, percebemos que eles dão as notícias com um certo gosto pela violência e felizes com o engajamento que resulta dela. A suposta imparcialidade da TV é ofuscada quando apenas uma perspectiva da guerra é mostrada.

Para nós, brasileiros, vivendo em 2020,no meio de uma pandemia sendo governados por um presidente tão mentiroso e rodeados de fake news, uma identificação é inevitável.

É interessante ver como o poder de influência da mídia é retratado. A TV é mais influente do que o rádio e os jornais e vários anúncios de produtos como Pepsi, vemos âncoras pedindo doações das pessoas para compra de armas ,os estimulam a cantarem o hino dentro de casa e retratam oficiais do governo quando aparecem ``espontaneamente`` nos estúdios das emissoras para celebrar a importância da missão para a nação.


1982 cumpre seu papel de mostrar a alienação oriunda da ditadura-aliás, a palavra não é citada nenhuma vez durante o longa. Que sirva de aviso para o presente. 


                          Trailer:</  




Nenhum comentário