Novidades

[News]Festival Pangeia lança o clipe da música "Vou Pelos Becos" de James Bantu

FESTIVAL PANGEIA LANÇA O CLIPE DA MÚSICA “VOU PELO BECOS” DE JAMES BANTU




 

O hip-hop melódico referência das periferias de São Paulo, teve o videoclipe gravado

na Vila Missionária, zona sul, com parte do elenco e profissionais de moradores da região.

 

O single “Vou Pelos Becos” é uma composição especial na vida de James Bantu, ela era tocada apenas nas apresentações e shows realizados nas periferias de São Paulo. A música composta quando ele ainda morava com sua mãe é inspirada em suas observações das pessoas que transitavam pelos becos que via da janela de seu quarto. Agora, essa realidade periférica ganha um registro poderoso e poderá ser vista no Brasil e no mundo. O lançamento oficial do videoclipe acontece no dia 24 de abril às 20h no YouTube e faz parte da reta final da 3ª Edição do Festival Cultural Pangeia, com o tema “Conexão Américas e África”.

 

O videoclipe mostra a rotina das pessoas comuns que atravessam os becos da cidade, em busca de seus objetivos, além de traçar uma linha refletindo os “caminhos” escolhidos e os encontros, as relações interlaçadas entre os moradores das quebradas e o próprio local onde vivem, estabelecendo raízes, fazendo referência a um conhecimento ou até mesmo “reconhecimento” ligado a ancestralidade.

 

Com voz suave e um hip-hop melódico, Bantu retrata em suas letras a realidade da periferia com críticas sociais que chegam aos ouvidos de forma arrebatadora e reflexiva. Como diz um trecho da música: “Vou pelos becos se pá desapareço, vou pelos becos se pá não tenho medo”. “Fiz a música inspirado em minha experiência enquanto jovem preto periférico, que habita em um território tido como marginal. Cresci sabendo que vidas pretas moram e sobrevivem nesses espaços que formam encruzilhadas, que cruzam nosso cotidiano e são lidos ou retratados como laboratórios de pesquisas acadêmicas. Ver as pessoas que passam por esses becos, trabalhando nessa construção mexeu comigo. É a concretização que eu imaginava”, conta James emocionado.

 

Por que gravar o videoclipe

O festival planejou contar uma história, que simbolizasse o propósito desta edição, no formato audiovisual em seu encerramento. A música e a vida do artista se assemelham com a conexão entre povos pretos e periféricos que sofrem as desigualdades sociais no dia a dia e que usam de sua arte como forma de resistência. “Andar pelos becos daqui e gravar dentro do nosso próprio bairro, movimentando e fomentando a quebrada me fez ressignificar essa experiência. Foi um presente!” conta Pri Magalhães, integrante do coletivo MisturArte e diretora do videoclipe.

 

Koji Freemind, diretor de fotografia e finalização conta como foi a experiência de trabalhar pela primeira vez com James Bantu e rodar o seu primeiro videoclipe do gênero. “Fiquei impressionado pela autenticidade e a mensagem da música dele, que vai de encontro com o que acredito que seja necessário para se viver numa sociedade igualitária e mais justa”. Um ponto que Koji destaca é o cuidado técnico usado na produção do filme. “Usamos equipamentos que não são comuns para projetos de baixo orçamento, chamados de guerrilha, isso deixou o videoclipe com uma qualidade visual de cinema. O resultado me deixou orgulhoso e com vontade de realizar novos trabalhos com o James e o pessoal do Festival Pangeia”.

 

Mostrar essa realidade para além dos muros e revelar um pouco, do dia a dia dos próprios integrantes do coletivo MisturArte, foi um dos motivos que levou a equipe do projeto a gravar na Vila Missionária. “Desde o início foi um grande desafio repensar e adaptar o projeto a nova realidade com a pandemia da Covid-19, para a produção do videoclipe não foi diferente, mas tomamos todos os cuidados necessários para que tudo corresse bem. O trabalho desenvolvido em rede ficou ainda mais evidente quando contamos com uma equipe parceira e atores, em grande maioria, moradores de bairros da Cidade Ademar. Foi um ponto muito importante no processo e foi a forma que encontramos de fomentar o trabalho de artistas e produtores da periferia, nesse momento tão delicado em que vivemos”, conta Pauliana Reis, diretora do Festival e Platô do filme.

    

O videoclipe da música “Vou Pelos Becos” terá seu lançamento dia 24 de abril às 20h no YouTube do Festival Cultural Pangeia Após a exibição acontecerá um bate papo ao vivo com James Bantu e a equipe de produção e criação. O videoclipe ficará disponível no canal do YouTube do Festival após o lançamento.

 

Para assistir o teaser do videoclipe acesse: https://www.youtube.com/watch?v=Q19mkZ2Chj8

 

CRÉDITOS: Videoclipe – “Vou Pelos Becos”

 

Elenco

James Bantu

Enzo Gabriel

Maria Lucia “Malu”

Manuel Victor

Elisama Santos

Pauliana Reis

Adriana Paixão

Agatha Pereira

Pablo Rodrigo

Val Batista

Wilson Santos

Samuel Henrique

 

Direção: Pri Magalhães

Direção de Fotografia: Koji Freemind

Platô: Pauliana Reis

Produção: Ana Paula de Souza

Selo Musical: Play Lab

Direção Musical: André Minnassian

Produção Musical: Gaspar Pini

Assistência de Produção: Wesley Cardiolli

Assistente de Direção: Beatriz Alves

Casting: Pauliana Reis

Operador de Câmera: Bruno Chapolin

Figurino: Samuel Henrique “Sumidade”

Produção de Arte: Ana Paula de Souza

Fotografia Still: Thamara Lage

1 Assistente de Fotografia: Guilherme Muniz

2 Assistente de Fotografia: Vivian Pelegrini

Motorista: Shirlei Carvalho

Pesquisa: Coletivo MisturArte

 

Sobre o Festival Cultural Pangeia

O nome do festival é uma referência a Pangeia, que era o grande continente, a primeira crosta terrestre que existiu antes da separação que formou os seis continentes que conhecemos hoje: África, Ásia, Europa, Oceania, América e Antártida. Apesar das divisões continentais, a proposta é a união das culturas, assim, o Festival Cultural Pangeia consiste na realização de um festival voltado a cultura brasileira e as influências da construção de nossa cultura a partir das conexões com outros povos.

 

O Festival Cultural Pangeia foi contemplado nos anos de 2016 e 2017 pelo Programa VAI da Secretaria de Cultura de São Paulo. Na atual edição o festival foi contemplado em 2019 no 4º Programa de Fomento a Periferia com o projeto “Conexão Américas e África”, relacionando a influência da cultura Afrodiaspórica nas Américas.

 

Sobre o Coletivo Misturarte

O coletivo MisturArte, formado por artistas da periferia de São Paulo, em sua maioria da Zona Sul, promove desde 2016 o Festival Cultural Pangeia. A equipe é composta por: Pauliana Reis, Pri Magalhães, Manuel Victor, Ana Paula de Souza, Renata Rodrigues e Mônica Ulo.

 

Serviço:

Site: www.festivalpangeia.com

Facebook – www.facebook.com/festivalpangeia

Instagram - @festivalpangeia

YouTube – Festival Cultural Pangeia

PR/CHP

Nenhum comentário