Novidades

[News]Cultura indígena é tema de mostra internacional de contadores de histórias

Cultura indígena é tema de mostra internacional de contadores de histórias




 

A 8ª edição online do Projeto “Reconto - Cada Qual no Seu Recanto – Mostra Internacional de Contadores de Histórias” traz as tradições orais indígenas, com um repertório de mitos e lendas de povos originários, brasileiros e peruanos. No dia 25 de abril, das 16h às 19h, o evento “Trilhas Indígenas” reúne cinco artistas da palavra de diferentes cantos: a atração internacional, que vem do seu recanto em Lima, Peru, Cucha del Águila, contará histórias da Amazônia Peruana fazendo uma dobradinha com Rosana Reátegui, peruana radicada no Rio de Janeiro. Do Brasil, também radicada no Rio, a amapaense Lúcia Morais, ao lado de Adilson Dias, conta mitos dos seus ancestrais. Pela segunda vez, o projeto traz uma escritora homenageada. Desta vez, a premiada escritora e ilustradora Ciça Fittipaldi, que, do seu recanto em Goiás, trará histórias dos seus livros e nos contará sobre seu encontro com a cultura indígena.

“Ouvir as histórias que Ciça Fittipaldi recolheu nas suas inúmeras viagens para aldeias indígenas nos conecta com um Brasil que não conhecemos. Ela é a autora brasileira que melhor pesquisou a arte dos nossos povos originários. Será um momento inesquecível”, afirma Benita Prieto, curadora do projeto. De acordo com José Mauro Brant, também curador do projeto, o evento é inspirado pela história do “Caminho Peabiru” que unia os povos indígenas desde a cidade de São Vicente, em São Paulo, até Cusco, no Peru. “Seguindo a trilha dos mitos e lendas amazônicas, reunimos um elenco brasileiro e peruano para celebrar nossa cultura em comum”, conta.

Destinado para toda a família e crianças de todas as idades, o evento é 100% online, ao vivo e reúne sempre duas histórias de cada convidado, intercaladas entre canções, depoimentos, poemas e com muita interação com o público. O “Reconto - Cada Qual no Seu Recanto – Mostra Internacional de Contadores de Histórias” conta com idealização e direção artística de José Mauro Brant, premiado ator, autor teatral, com quase 30 anos dedicados ao oficio de narrar histórias, que divide a curadoria com Benita Prieto, experiente contadora de histórias e produtora de eventos na área da leitura e literatura que hoje tem seu recanto em Alhandra, Portugal.  

 

Sobre os convidados da edição “Trilhas Indígenas”

 

Ciça Fittipaldi – Goiás – GO

 

Nascida em São Paulo, estudou Desenho e Plástica na Universidade de Brasília, tornando-se ilustradora, posteriormente, especializada em livros infantis. Como ilustradora da Série Bichos da África, Editora Melhoramentos, recebeu o Prêmio Jabuti. Em 2014, venceu o Prêmio Jabuti com a ilustração do livro Naninquiá, a Moça Bonita. Publicou obras que recebeu notoriedade internacional, onde seus trabalhos são referência nas artes indígenas. Foi indicada ao Prêmio Hans Christian Andersen – o Nobel da literatura infanto juvenil.

 

Cucha del Águila – Lima – Peru 

 

É uma das principais promotoras da narração oral no Peru. Nasceu em Tingo María e viveu em diferentes cidades da Amazônia peruana.  Ela cresceu acompanhada pelas histórias que sua família e as pessoas ao seu redor contavam. Participou como convidada oficial de Encontros e Festivais de Narrativas Orais na Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Cuba, Chile, Espanha, França, México, Paraguai, El Salvador e Peru. É autora e coautora dos livros de Literatura Infantil e Juvenil na Editorial Norma, Centauro, Graph Ediciones e de uma Coleção de Contos para a Educação Elementar publicada pelo Ministério da Educação do Peru e traduzida para o quíchua, ashaninka e aimara. Publicou o livro “NO SE ACABAN LAS PALABRAS” sobre a arte da narração oral.  Em 2011, foi convidada pela escritora chilena Pía Barros para realizar o projeto Cem mulheres contra a violência de gênero no Peru, que possibilitou o trabalho conjunto com a escritora Christiane Vidal. Em 2017, foi reconhecida como Personalidade Meritória da Cultura Peruana por seu trabalho artístico, pedagógico e intelectual dedicado à literatura do país, oral ou escrita, para crianças e adultos. Atualmente, monta espetáculos, investiga e acompanha processos de investigação no domínio da narração oral.  É professora e formadora de mediação da Área de Educação da “Casa de la Literatura Peruana”.

 

Rosana Reátegui – Rio de Janeiro - RJ

 

É atriz, narradora oral e gestora cultural peruana-brasileira, integrante fundadora do grupo carioca Os Tapetes Contadores de Histórias. Tem participado junto com a companhia, desde 1998, em espetáculos, oficinas e exposições interativas em diferentes teatros e espaços culturais do Brasil, assim como em festivais e simpósios internacionais no Chile, Argentina, Honduras, Bolívia, México, Espanha e Peru. Formada em Licenciatura em Artes Cênicas pela Escola de Teatro da UNI RIO, Rosana Reátegui vem delineando sua trajetória a partir da busca por questões sobre o processo criativo do narrador- ator-performer em diferentes espaços cênicos e territórios de integração. Desde o ano 2000, pesquisa sobre narrativas femininas e manifestações das oralidades indígenas latino-americanas. Os resultados foram os solos “Divinas y Humanas”, “Malinche” “Era uma vez lá no fundo do rio” e “Temperos de Frida”. Interessada na arte popular e no intercâmbio cultural latino-americano, Rosana Reátegui, criou junto a artesãs peruanas o projeto de tradição oral e bordado, “Manos que Cuentan” – livros têxteis.

 

Lucia Morais - Rio de Janeiro - RJ 

 

Professora, arte-educadora, contadora de história, atriz, promotora de leitura e ativista de Bibliotecas Comunitárias, Lucia é especialista em literatura infantil e juvenil pela Universidade Cândido Mendes. Ministra oficinas e faz apresentações de Mediação de Leitura e Contação de Histórias em escolas, creches, bibliotecas, eventos literários e culturais, como: FLIST, FLIP, maratona cultural cidade do RJ, Campanha Paixão de Ler e realizações de Eventos de Promoção de Leitura. Coordenou e realizou ações de Enraizamento e Fortalecimento Comunitário em comunidades do Rio de Janeiro, como o projeto Leitura no Lajão, na Biblioteca do Lajão, na Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana. É idealizadora dos Projetos: O livro Bate à sua porta e Leitura na Feira. Gestora e fundadora da Biblioteca Comunitária Pequenalegria, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, e do Centro Cultural Casa da Ponte em Inhoaiba/ Campo Grande/ RJ. Também é atriz do espetáculo Arandu Lendas Amazônicas, em cartaz nos Centros Culturais Banco do Brasil do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo e Brasília. Como escritora, tem seus textos publicados em coletâneas, com sua obra solo a caminho intitulada PIRACEMA DE VERSOS – Mulheres que nadam com os peixes.

 

Adilson Dias – Rio de Janeiro – RJ

 

Adilson passou parte da sua infância morando nas ruas do centro do Rio de Janeiro no início dos anos 90. Ele passou por momentos difíceis, como fome, drogas e violências, mas encontrou na arte um caminho para mudar de vida. Foi entrando no Centro Cultural Banco do Brasil, para beber água gelada, que teve seu primeiro contato com a arte. Hoje ele é diretor teatral, artista plástico, poeta e músico.  

 

Curadoria e apresentação:

 

José Mauro Brant – Rio de Janeiro – RJ

Ator, cantor, autor e diretor de teatral com mais de 80 espetáculos no currículo, José Mauro Brant se define com uma só expressão: “Sou um contador de Histórias”. Atuando no teatro profissional desde 1988, José Mauro trabalhou como ator com diretores como: Gerald Thomas, Ítalo Rossi, Werner Herzog, Aderbal Freire Filho, Naum Alves de Souza. Desde 1989, trabalha ininterruptamente em criações dedicadas à infância e juventude. Seu primeiro livro pela ed. Rocco foi duas vezes selecionado pelo PNBE e distribuído para escolas públicas de todo o país. Hoje, Brant concilia seus espetáculos de narração com a criação e direção de espetáculos musicais: “Era uma vez... Grimm” e “O Pequeno Zacarias – uma ópera irresponsável”, parcerias com o maestro Tim Rescala. Ambos ganharam o prêmio APTR de melhor música. Em 2018, “Makuru um Musical de Ninar”, também lançado em CD em todas as plataformas digitais, ganhou 15 prêmios e 30 indicações nas principais premiações do teatro carioca, incluindo melhor texto e melhor espetáculo infantojuvenil.

Benita Prieto – Alhandra – PT

Nascida no Rio de Janeiro, filha de galegos, é curadora, consultora, produtora e mediadora de projetos de leitura. Escritora e Contadora de Histórias do Grupo Morandubetá, criou o Simpósio Internacional de Contadores de Histórias do Rio de Janeiro. Desde 2012, pesquisa e ministra cursos sobre promoção de Leitura e Literatura Digital. É Coordenadora da Red Internacional de Cuentacuentos e integra a Ações & Conexões Associação Cultural de Portugal. Atualmente, reside em Portugal, onde tem participado em ações de promoção de leitura e narração de histórias no Caminhos de Leitura, Palavras Andarilhas, Folio, Rio de Contos, Rede de Bibliotecas Escolares e diversos eventos e espaços culturais. Benita completa 28 anos de narração oral, tendo atuado em 22 estados do Brasil e mais de 10 países, realizando conferências, palestras, oficinas, cursos, eventos, apresentações e espetáculos.

 

Serviço “Trilhas Indígenas”:

 

Domingo, dia 25 de abril, das 16h às 19h.

Transmissão pelo Zoom | Ingressos: R$ 20,00 no https://www.gofree.co/reconto8 

 

Informações e descontos para professores, grupos e alunos da rede pública pelo e-mail: recontocadaqualnoseurecanto@gmail.com

Nenhum comentário