Novidades

[News] Por Denisson D'Angelis - Dirigentes da Ong Instituto CÉU Estrela Guia

 Por Denisson D'Angelis Dirigentes da Ong Instituto CÉU Estrela Guia




Sou brasileiro, eleitor, como cidadão, honro os meus compromissos perante a sociedade, e sem a presunção de defender um dos "lados" contidos na discussão polarizada levantada pelo Sr. Roberto Jefferson, como Sacerdote, ouvi incrédulo as acusações ao STF, onde ele sente-se confortável em proferir falas preconceituosas, intolerantes e criminosas, e como representante de diversas minorias por ele atacadas, sinto-me na obrigação moral e religiosa de posicionar-me. Em uma oratória que falaciosamente diz defender a democracia, falha na mesma intensidade que fere diretamente o princípio da laicidade assegurado na constituição Federal de 1988.

Ainda sobre os equívocos criminosos contidos na declaração, vale ressaltar o uso da palavra "Despacho", que de acordo com o dicionário da língua portuguesa, trata-se de um substantivo masculino referente a uma decisão ou nota de autoridade pública que aposta em petições, requerimentos etc. Termo esse popular e erroneamente relacionado à oferendas feitas dentro das religiões de matriz africana, inclui-se a Umbanda. 

Como religioso, adepto de Umbanda me vejo na obrigação de corrigir a fala preconceituosa, criminosa e infeliz do senhor Roberto Jefferson.Preconceituosa pois relaciona de forma pejorativa e intolerante práticas religiosas a decisões políticas. Criminosa, pois além da prática da intolerância religiosa, o Sr. Roberto Jefferson profere uma série de colocações homofóbicas. E infeliz pois creio queassim como o praticado em inúmeras religiões que pregam a evolução do espírito, tal qual Umbanda, a evolução é inerente ao ser humano sendo ele passível de erros, tais como os presentes na infeliz, preconceituosa e criminosa fala do Sr. Roberto Jefferson.

Nenhum comentário