Novidades

[Resenha] A História das Ilusões e Loucuras das Massas – As Armadilhas dos Cisnes Negros


Sinopse: Embora a insanidade se manifeste de modos variados, os mecanismos psicológicos por trás dela são semelhantes. Conhecê-los é, ao mesmo tempo, soro e vacina.

Este livro clássico prova que precisamos revisitar continuamente o passado se quisermos evitar os mesmos erros no futuro. Passando por bolhas econômicas, religião, costumes, astrologia, caças às bruxas e política, o autor, Charles Mackay, apresenta aqui exemplos de grandes histerias que mudaram o curso da humanidade.

Mackay não trata apenas de eventos, mas de tendências de comportamento que se repetem, ilustrando com exemplos específicos notáveis e até engraçados. Conhecê-las é ter poder para guiar-se mantendo o pensamento racional enquanto todos perdem a cabeça. Se estudar a história da loucura das massas sempre foi relevante, hoje é ainda mais importante.

Na Idade Média, um rumor insano levava meses, às vezes anos, para percorrer o mundo. Hoje, bastam poucos segundos. Assim, as ilusões populares têm um poder que jamais tiveram sobre nossos antepassados: dispomos de meios para tornar seus efeitos mais desastrosos. Nesta versão, mantivemos o conteúdo mais objetivo e acrescentamos anexos para incluir eventos ocorridos nas últimas décadas, sobretudo no país. A crise de 2014, o bug do milênio, o Plano Cruzado e outras situações partilham coincidências com fatos ocorridos há mais de trezentos anos e que prometem se repetir muitas vezes.

Ninguém poderá duvidar que, por maior que seja o número de lâmpadas acessas, a invencibilidade das trevas é insuperável. Parafraseando o economista Roberto Campos: a loucura humana tem passado glorioso e futuro promissor.

Os Cisnes Negros As loucuras e ilusões das massas são eventos que provocam o que o autor, Nassim Nicholas Taleb, chamou de Cisnes Negros: problemas de percepção causados nas pessoas por eventos aleatórios e inesperados que provocam impacto num grupo ou comunidade.

Diante de eventos inesperados e histerias coletivas, nós perdemos parte da capacidade de lidar racionalmente com a situação, de julgar o que é mais coerente e até de explicar o que realmente aconteceu. O desafio proposto neste clássico é ler as tendências dos comportamentos humanos e se desprender das ilusões das massas. Esse é o caminho para sobreviver a esses eventos assustadores sem perder a cabeça e os negócios.

O que achei? Publicado originalmente em 1841 pelo poeta, jornalista e escritor britânico Charles Mackay, ele é um conjunto de relatos históricos e análises de eventos – alguns importantes o suficiente para mudar o rumo da humanidade - da história mundial envolvendo loucuras e decepções de massas que foram originadas de ações de poucos que influenciaram sociedades inteiras ao longo dos séculos.

O autor mostra que esses atos podem se repetir em diferentes épocas e a edição lançada pela Faro complementa a obra original com casos mais atuais que aconteceram tanto no Brasil quanto no resto do mundo, desde o Plano Cruzado e a crise financeira de 2014 até teorias da conspiração como o bug do milênio e apocalipse do calendário maia.

Ao ler um livro escrito no século XIX, se percebe como as pessoas mudaram pouco ao longo da história, como estamos presenciando atualmente com a divulgação de teorias da conspiração sobre a pandemia e a volta de crenças na terra plana e negacionismo de fatos históricos como ditadura militar e de fatos científicos como teoria da evolução e mudanças climáticas.

Uma outra qualidade do livro é a linguagem acessível e com um tom de sarcasmo e ironia, principalmente nos relatos e análises de eventos mais atuais. A linguagem de Mackay não é técnica e rebuscada como vemos em muitos livros escritos no século XIX, fazendo com que a leitura seja agradável e fácil de entender, até mesmo em temas que podem ser considerados chatos como nos capítulos sobre crises financeiras.

Concluindo, A História das Ilusões e Loucuras das Massas é um livro certo para quem gosta de curiosidades históricas, análises de eventos históricos e de sociedades de diferentes épocas e lugares.
 
Escrito por Michelle Araújo Silva
 
 






Nenhum comentário