Novidades

[News]Desvio Coletivo faz a intervenção urbana MAMIL(a)S

 DESVIO COLETIVO FAZ A INTERVENÇÃO URBANA MAMIL(a)S

O coletivo artístico faz intervenção política e poética no espaço urbano. Domingo, 28 de novembro, na Avenida Paulista, corpos cobertos expõem mamilos com a pergunta: quem tem medo dos corpos das mulheres?. O Desvio Coletivo já representou o Brasil em inúmeros festivais e eventos de arte ao redor do mundo em países como Estados Unidos, França, Coreia do Sul, Malásia e Portugal.


 

Inscrições prorrogadas, para participar acesse aqui o formulário

MAMIL(a)S | São Paulo, 28 novembro de 2021 (google.com)

 


Os participantes terão o corpo totalmente cobertos por tecidos coloridos, a única parte à mostra serão os mamilos. Foto: Leandro Brasilio

  

Trajeto tem início na Rua Augusta, adentra pela Avenida Paulista em caminhada de ida e volta, terminando no mesmo local de partida; proposta é reunir cerca de 20 corpos / pessoas

 

MAMIL(a)S marca a retomada do Desvio Coletivo ao espaço urbano, após dois anos sem nenhuma atividade em decorrência da pandemia da covid-19. O grupo, que surgiu em 2011, usa a intervenção urbana como seu suporte artístico e convida pessoas, maiores de idade, de qualquer sexo, cis ou trans, com ou sem experiência em artes, a participarem da atividade, dispondo de seus próprios corpos como instrumento político e poético. 

 

Nesta nova ação, que acontece no domingo, dia 28 de novembroa partir das 15h, na Avenida Paulista, a proposta é investigar o limite que os olhos da cidade enxergam nos corpos das mulheres. O grupo deve sair da rua Augusta, altura do número 1.200 e voltar para o mesmo local. 

 

A ideia é desviar os conceitos que temos do corpo, se é “feminino” ou “masculino”, além de sua função na sociedade. “Essas são algumas das questões que serão abordadas durante o desenvolvimento do projeto para intervir no espaço urbano, política e poeticamente, em busca da seguinte reflexão: quem tem medo dos corpos das mulheres?”, coloca Priscilla Toscano, uma das idealizadoras do projeto. 

 

As cerca de vinte pessoas, inscritas antecipadamente, participam da intervenção com o corpo completamente coberto por um tecido colorido, exceto pelos mamilos. Por baixo do tecido, diversidade: mulheres trans, cis, gays, homens cis e trans; pretas, brancas, donas de casa, dominadoras, diretoras, atores e atrizes. 

 

“Sabemos que existem inúmeras respostas para essa pergunta ou que existem inúmeras outras maneiras de elaborá-la. Para nós foi importante fugir do clichê ‘mulher preta x mulher branca x mulher gorda x mulher magra x mulher rica x mulher periférica...’, sempre colocando mulheres em oposição – outra estratégia do patriarcado. Por isso, MAMIL(a)S dispõe dos corpos no espaço urbano como instrumento questionadores do padrão hetero-cis-pratiarcal que pesa sobre a vida de mulheres – cis e trans – de todas as partes do mundo”, completa.

 

Ao longo de sua trajetória, o Desvio Coletivo representou o Brasil em inúmeros festivais e eventos de arte ao redor do mundo, com destaque para apresentações em 23 Estados brasileiros e Distrito Federal, além de países como Estados Unidos, França, Coreia do Sul, Malásia, Portugal, entre outros. 

 

PROPOSTA ARTÍSTICA

 

O Brasil é mundialmente conhecido por, supostamente, ser o país da bunda e do futebol. Na efervescência dos anos 90, o corpo, principalmente o das mulheres, foi objeto de exploração midiática destinado a todos os públicos, enchendo de dinheiro os bolsos dos empresários e produtores que não hesitaram em colocar pessoas seminuas na TV aberta, em qualquer horário.  

 

 

https://lh6.googleusercontent.com/HP1jkDRxnVMh2Ni1Gz3hOAtoSKyipoF1m4KbPMYoFLaYqt4yXJDvFDmKE-0JwYjJltnUGFR0i6hKxUqpJRHmPUC35aPk9IRtLsLaEEI4hJn1oiIO8KK8ZdjMcJNNKTxHqhfw1_ml

 

MAMIL(a)S é uma reflexão sobre o impacto, o efeito que essa “educação” causa na sociedade, começando na história da humanidade e desembocando na cultura do estupro. 

 

Para Priscilla Toscano, a função dada ao corpo da mulher é sempre a do corpo domesticado, dócil, servil. A sociedade patriarcal espera que o corpo da mulher esteja no lugar de mãe/esposa (para amamentar e se dedicar a manutenção do lar) ou de objeto (para ser consumido), sempre passivo, inerte. Enquanto o corpo do homem sempre foi tido como o corpo do espaço público, da força, do poder.” 

 

A proposta de MAMIL(a)S é desviar o sentido da suposta função do corpo da mulher determinado pela história da humanidade - maternal/contemplativo (passivo, dócil e domesticado) -, para que, na rua, assuma posição política e questione os limites impostos pela sociedade patriarcal que o consome em demasia e, ao mesmo tempo, o rejeita, fazendo com que o país da bunda, seja também o país da violência contra mulheres.  

 


DESVIO COLETIVO
 

 

O  Desvio Coletivo é um grupo brasileiro que desde 2011 desenvolve performances e intervenções artísticas. Atuando na fronteira entre a arte performativa, visual e urbana, a principal característica do coletivo é criar ações performativas em diferentes espaços, gerando ilhas de desordem efêmeras de natureza crítica e poética. Atualmente integram o grupo Leandro Brasilio, Marcos Bulhões e Priscilla Toscano. Ao longo de sua trajetória se destacam performances como CEGOS e MATRIMÔNIOS que levaram o grupo a circular por 23 Estados brasileiros (por meio do circuito Sesc Palco Giratório, prêmio Myriam Muniz de Teatro e outros diversos festivais nacionais) e a representar o país  em diferentes festivais de arte ao redor do mundo (Nuit Blanche Brussels - Bélgica; Festival de Aurillac – França; Ansan Street Art Festival, Coréia do Sul; Imaginarius – Festival Internacional de  Teatro de Rua de Santa Maria da Feira, Portugal; George Town Festival– Malásia; Festival World Stage Design,Taipei, Taiwan; Mindelact – Festival Internacional de Teatro de Mindelo, Cabo Verde; X Encuentro - Hemispheric Institute of Performance and Politics, Santiago, Chile e projeto Cidades em Performance: Funchal, Paris e Barcelona).

 


FICHA TÉCNICA | MAMIL(a)S 
 
Idealização: Leandro Brasilio e Priscilla Toscano 

Direção artística: Priscilla Toscano 

Produção, Coordenação Técnica e Assessoria Jurídica: Leandro Brasilio 

Vídeo: Bruno Maurício

Apoio: WA Danças

 

 

Leandro Brasilio. Artista, ativista, produtor e advogado. Especialista em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação da ECA/USP. Como produtor independente, produz artistas e eventos relacionados a arte urbana e artes visuais em várias partes do mundo. 

 

Priscilla Toscano é artista da performance, atriz, dançarina e arte educadora.  Licenciada em Artes-Teatro pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista – UNESP e pelo ​ departamento de História da Arte da Universidade de Santiago de Compostela – Espanha. É uma das fundadoras e diretoras do Desvio Coletivo. Como performer também integra o elenco do Teatro da PombaGira.

 

SERVIÇO  

MAMIL(a)S, única apresentação 

Local e Data: Avenida Paulista/SP - 28 de novembro de 2021, a partir das 15h.

Nenhum comentário