Novidades

[News}Warner Classics lança a compilação de Maria Callas: "Drama Queen"

WARNER CLASSICS LANÇA A COMPILAÇÃO DE MARIA CALLAS: “DRAMA QUEEN”

Coletânea reúne as gravações de estúdio mais dramáticas já feitas pela artista durante a carreira
 https://www.warnerclassics.com/release/drama-queen

Lançada nesta sexta-feira, dia 29 de junho, em todas as plataformas digitais, “Drama Queen” reúne algumas das mais dramáticas cenas e árias de ópera já gravadas por Maria Callas. Mesmo quatro décadas após a morte da artista, em Paris, em 1977, o que o diretor Franco Zeffirelli disse sobre ela ainda é verdadeiro hoje: há uma era "BC" e "AC" - "antes de Callas" e "depois de Callas”.

Por um lado, Maria Callas cumpriu os papeis que lhe foram confiados com um grau único de precisão e profundo sentimento. É certo que a qualidade enfática das interpretações da artista se baseava em uma segunda qualidade técnica que lhe permitia cantar os papeis mais variados ou até contraditórios. Os críticos que testemunharam as performances de Callas tentaram se superar nos superlativos sobre o controle vocal de Maria - por exemplo, quando ela pula sem esforço do fá médio para o sol alto em "Casta Diva", na Norma de Bellini. Em última análise, é essa aparente falta de esforço - para a qual é essencial o domínio de todos os registros - que permitiu a Callas transmitir ainda mais expressão na respiração, mesmo no ponto mais dramático, e também diferencia La Divina (a divina) de todas as outras cantoras.

Vinte e seis de abril de 1952 marca um momento importante quando Maria Callas cantou “Armida”, de Rossini, no Maggio Musicale Fiorentino, sob Tullio Serafin, e ao fazer isso, trouxe o bel canto do século XIX de volta ao palco lírico. Na ária do Ato II “D´amore il dolce impero”, ela cantou seu papel com força e virtuosismo dramáticos, com escalas que se estendiam além de duas oitavas, como se ela fosse de outra época. O bel canto, que, diferentemente do verismo popular da época, representava tanto a técnica do canto bonito e natural quanto todo um gênero operístico, foi essencialmente esquecido no início dos anos 1950 - e com ele o extenso repertório a ele associado. Como resultado, os cantores - mesmo vozes famosas e destacadas - eram incapazes de cantar papéis tão complexos, exigindo considerável capacidade interpretativa em um nível artístico que Maria Callas os levou da noite para o dia.


Na época, as performances da jovem Maria Callas colocavam o bel canto em oposição ao verismo - com o último confiando principalmente em explosões poderosas e dinâmica "forte" para expressar emoções - enquanto o bel canto, que o zeitgeist havia abandonado, recebeu uma voz inesperada e ainda mais impressionante. Como resultado, 1952 marcou nada menos que uma mudança radical no mundo da ópera.

Uma nova era foi criada apenas pela ascensão estelar de uma jovem cantora, que em 1949 como Abigaille em Nabucco, de Verdi, conquistou o público em Nápoles com os muitos tons sutis de sua voz e a proeza de sua técnica de coloratura. Naquela época, ela tinha apenas 26 anos. Como jovem cantora, ela já desempenhava papéis exigentes, como Lady Macbeth, de Verdi, ou Lucia di Lammermoor, de Donizetti, enquanto também apresentava Kundry e Isolde, de Wagner, ou Turandot de Puccini, ao mesmo tempo. Todos esses são papéis que outros cantores apenas desenvolvem no decorrer de sua carreira.

Em 1958, na cena louca “Oh! s´io potessi ... Col sorriso d´innocenza" de Il Pirata, de Bellini, conduzido por Nicola Rescigno, ela coloca toda a gama de suas habilidades em exibição em um único golpe. No álbum, a cena é seguida por “Casta diva”, de Norma de Bellini, e “Nel dì vellaoria le le relaxa”, de Macbeth, de Verdi, no qual, como Lady Macbeth, Maria Callas recita dramaticamente a carta do marido e canta “Ambizioso spirto tu sei, Macbetto” com força explosiva em uma explosão de emoção cuidadosamente modulada. Suas interpretações de "Mercé, dilette amiche" de I vespri siciliani de Verdi ou "Dei tuoi figli" de Medea de Cherubini - ambas conduzidas por Tullio Serafin em gravações em estúdio - são insuperáveis. Finalmente: a cena “Il dolce suono… Spargi d'amaro pianto” na Lucia di Lammermoor, de Donizetti, uma cena louca mais uma vez, na qual Callas lança explosões angustiadas de emoção lado a lado com recitativos líricos e íntimos, como se fossem a coisa mais natural do mundo.

Teria sido fácil encher uma caixa de CD com inúmeros exemplos adicionais, especialmente em gravações mono, embora reconhecidamente menos tecnicamente perfeitas, mas ainda mais intensas, de suas performances ao vivo de 1949 a 1953. A coleção termina com apenas uma gravação ao vivo de modo que o segundo arco narrativo central de sua carreira seja pelo menos abordado brevemente: a ária “D'amore al dolce impero” de Armida, mencionada acima, gravada ao vivo no Teatro Comunale, em Florença, em 1952. Esta é uma gravação divina de La Divina, que hoje, quase 70 anos depois, ainda transcende o tempo e a arte.

Confira a tracklist completa do projeto:

1. Bellini: Il Pirata, Act 2:  Oh! S´io potessi dissipar le nubi…   17.07
Maria Callas, Philharmonia Chorus, Philharmonia Orchestra, Nicola Rescigno
Recorded 1958, Kingsway Hall, London

2. Bellini: Norma, Act 1 - Casta diva 7.22
Maria Callas, Coro del Teatro alla Scala di Milano, Orchestra del Teatro alla Scala di Milano, Tullio Serafin
Mono, Recorded 1954 Cinema Metropol, Milan

3. Verdi: Macbeth, Act 1 - Nel dì della vittoria…Vieni! T’affretta 7.50
Maria Callas, Philharmonia Orchestra, Philharmonia Chorus, Nicola Rescigno
Recorded 1958, No.1 Studio, Abbey Road, London

4. Verdi: I vespri siciliani, Act V - Mercé, dilette amiche 4.03
Maria Callas, Tullio Serafin, Philharmonia Orchestra
Mono, Recorded 1954, Watford Town Hall

5. Cherubini: Medea, Act 1 – Dei tuoi figli la madre 4.31
Maria Callas, Chorus & Orchestra del Teatro alla Scala di Milano, Tullio Serafin
Recorded 1957, Teatro alla Scala, Milan

6. Verdi: Nabucco, Act 2 - Ben io t´invenni..Anch´io dischiuso un giorno 9.12
Maria Callas, Philharmonia Orchestra, Nicola Rescigno
Recorded 1958, No.1 Studio, Abbey Road, London

7. Donizetti: Lucia di Lammermoor, Act 3 - "Il dolce suono ...  15.38
Maria Callas, Raffaele Arie, Gino Sarri, Coro del Maggio Musicale Fiorentino, Orchestra del Maggio Musicale Fiorentino, Tullio Serafin
Mono, Recorded 1953, Teatro Comunale, Florence

8.  Donizetti: Lucia di Lammermoor, Act 3 - Spargi d´amaro pianto 3.53
Maria Callas, Raffaele Arie, Coro del Maggio Musicale Fiorentino, Tito Gobbi, Orchestra del Maggio Musicale Fiorentino, Tullio Serafin
Mono, Recorded 1953, Teatro Comunale, Florence

9. BONUS TRACK: Rossini: Armida, Act 2 -  D´amor al dolce impero  6.42
Maria Callas, Orchestra e Coro di Teatro Comunale di Firenze, Tullio Serafin
Mono, Live Recording 1952, Teatro Comunale, Florence

Redes Sociais:

Site: http://www.maria-callas.com/en/
Facebook:http://www.maria-callas.com/en/
Instagram: https://www.instagram.com/mariacallasofficial/

PR/WMB

Nenhum comentário