Novidades

[News] Histórias do rock de Brasília na década de 1980 são registradas em longa


A cena roqueira de Brasília no início da década de 1980 deu frutos que fazem sucesso até hoje, como Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude. As histórias dessas bandas, que trilharam um caminho cheio de obstáculos, é contada com depoimentos dos próprios músicos no documentário “Rock Brasília — Era de Ouro”, que chega ao Curta!.

Dirigido por Vladimir Carvalho e produzido pela Ligocki, o longa reúne alguns dos protagonistas desse período, como o cantor e compositor Renato Russo — em imagens raras —, o guitarrista Dado Villa-Lobos e o baterista Marcelo Bonfá, membros da Legião Urbana; Dinho Ouro Preto, e os irmãos Fê e Flavio Lemos, da formação original do Capital Inicial; Phelippe Seabra, vocalista e guitarrista da Plebe Rude; além dos artistas que se aproximaram dessa turma, como Caetano Veloso e os músicos Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone, componentes do Paralamas do Sucesso. A exibição é na Segunda da Música, 1º de junho, às 22h.

Cildo Meireles é tema de episódio inédito de Matizes do Brasil

Cildo Meireles é um dos mais importantes artistas brasileiros em atividade, uma verdadeira referência na chamada “arte conceitual”, com suas instalações.  Neste episódio inédito de Matizes do Brasil, ele é convidado a refletir sobre seu processo criativo e suas motivações, enquanto é analisado por especialistas como Sônia Salzstein, Jochen Volz e Júlia Rebouças. Entre as obras comentadas, estão “Zero Dollar” e “Desvio Para o Vermelho”, que mostram a versatilidade técnica de Cildo para construir narrativas carregadas de provocações políticas e de potência visual.  A estreia é na Terça das Artes, 2 de junho, às 23h30.

Segunda da Música – 01/06

22h – “Rock Brasília — A Era de Ouro” (Documentário)
A história dos jovens brasilienses que, liderados por Renato Russo, veem o seu sonho tornado realidade — a consagração e o sucesso de suas várias bandas de rock. Nesta terceira parte de uma trilogia sobre a formação histórica, política e cultural de Brasília — as outras são “Conterrâneos Velhos de Guerra” (1991) e “Barra 68” (2000) —, o cineasta Vladimir Carvalho investiga as origens das grandes bandas de rock que tomaram de assalto o cenário musical brasileiro a partir de 1980, como Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude e muitas outras. Uma história pontuada por momentos inesquecíveis, como o quebra-quebra no show do Legião Urbana no Estádio Mané Garrincha, em junho de 1988, e o grande show do Capital Inicial na Esplanada dos Ministérios, em 2008, com Dinho Ouro Preto cantando a música do colega Renato Russo “Que País É Esse?”. Diretor: Vladimir Carvalho. Duração: 112 min. Classificação: 12 anos. Horários alternativos: 2 de junho, terça-feira, às 02h e às 16h; 3 de junho, quarta-feira, às 10h; 6 de junho, sábado, às 14h25; 7 de junho, domingo, às 21h.

Terça das Artes – 02/06

23h30 – "Matizes do Brasil” (Série) – Episódio “Cildo Meireles”
Um dos mais importantes artistas brasileiros em atividade, Cildo Meireles é referência quando o assunto é o que se convenciona chamar de arte conceitual. Neste episódio de Matizes do Brasil, o próprio artista é convidado a refletir sobre seu processo criativo e suas motivações, enquanto nomes como Sônia Salzstein, Jochen Volz, Júlia Rebouças e Frederico Moraes analisam seu trabalho pioneiro com instalações e objetos. A análise de obras como “Zero Dollar”, “Desvio para o Vermelho” e “Através”, entre outras, ressalta como o artista se utiliza de uma ampla variedade de técnicas e materiais para tecer uma narrativa carregada de provocações políticas.  Diretora: Bianca Lenti. Duração: 26 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 3 de junho, quarta-feira, às 03h30 e às 17h30; 4 de junho, quinta-feira, às 11h30; 6 de junho, sábado, às 19h10; 7 de junho, domingo, 10h10.

Quarta de Cinema – 03/06

22h05 – “Infância Clandestina” (Ficção)
Juan e sua família retornam à Argentina. Assim como sua mãe, seu pai e seu adorado tio Beto, ele usa outro nome fora de casa. Juan, na escola, se chama Ernesto. Ele conhece Maria e descobre o amor. Baseada em fatos reais, esta é uma história sobre o primeiro amor e o final de uma infância clandestina. Diretor: Benjamin Ávila. Duração: 112min. Classificação: 14 anos. Horários alternativos: 4 de junho, quinta-feira, às 02h05 e às 16h05; 5 de junho, sexta-feira, às 10h05; 7 de junho, domingo, 14h40.

Quinta do Pensamento – 04/06

2h05 – “Zélia – Memórias de Amor”
Aos 32 anos, Zélia Gattai compra sua primeira câmera fotográfica durante seu exílio em Paris e começa a registrar o mundo ao lado do seu companheiro, o escritor Jorge Amado. Aos 63 anos, escreve seu primeiro livro, "Anarquistas, Graças a Deus". A obra, que conta sua infância em São Paulo no início do século XX, recebe o Prêmio Paulista de Revelação Literária, vende mais de 200 mil exemplares apenas no Brasil, é traduzida para diversos idiomas e adaptada para teatro e televisão. Sem querer pegar carona na fama do marido, Zélia opta por uma maneira particular de contar o que viu e viveu, criando uma literatura de forte cunho memorialístico. Como reconhecimento do seu talento, no dia 21 de maio de 2002, Zélia ocupa a cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras (ABL), a mesma que pertenceu a Jorge Amado. É com base nos seus livros de memória, no seu acervo de mais de 20 mil fotografias e em entrevistas que o documentário constrói um retrato intimista de Zélia Gattai, tendo como fio condutor a história de amor que viveu durante 56 anos com Jorge Amado, personagem principal de sua obra. Direção: Carla Laudari. Duração: 100 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 05 de junho, sexta-feira, às 02h05 e às 16h05; 08 de junho, segunda-feira, às 10h05.

Sexta da Sociedade – 05/06

22h30 – “A Última Abolição” (Documentário)
O Brasil foi o último país ocidental a abolir a escravidão, fato que se deu apenas em 1888. O documentário “A Última Abolição” aborda a escravidão no Brasil, com especial enfoque no período da abolição, destacando os movimentos abolicionistas, a resistência escrava, o papel das mulheres negras na resistência, as discussões da elite do país no período, culminando com a assinatura da Lei Áurea e suas consequências para a população negra. Diretora: Alice Gomez. Duração: 81 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 06 de junho, sábado, às 2h40 e às 12h45; 07 de junho, domingo, às 19h25; 08 de junho, segunda-feira, às 16h35; 09 de junho, terça-feira, às 10h35.


Sobre o Curta!

O canal Curta! é um dos novos canais brasileiros da TV paga que mais aprovou projetos para financiamento pelo Fundo Setorial do audiovisual. Até agora foram financiados, para estreia no CURTA!, mais de 120 longas documentais e 800 episódios de 60 séries, atendendo à grade temática do canal: música, artes cênicas, metacinema, pensamento em humanidades, história política e sociedade.

O Curta! pode ser visto nos canais 56 e 556 da NET e da Claro TV, no canal 75 da Oi TV e no canal 664 da Vivo, oferecido à la carte pela operadora. Siga o Curta! nas redes sociais: www.facebook.com/CanalCurta, https://twitter.com/canalcurta e www.youtube.com/user/canalcurta. Saiba mais em http://www.canalcurta.tv.br.





Nenhum comentário