Books Brasil Books

Novidades

[News]Terceira edição do RISCO Festival acontece em cinco espaços culturais e traz shows, performances, filmes e intervenção urbana

 Terceira edição do RISCO Festival acontece em cinco espaços culturais e traz shows, performances, filmes e intervenção urbana




Com programação gratuita ou a preço popular, o festival com foco na produção queer do Brasil, América Latina e Caribe acontece na Oficina Cultural Oswald de Andrade, Studio SP, Parque Augusta, Galeria540 e Cervejaria Tarantino, além de contar também com programação online
 

Foto de Katú Mirim. Crédito – IAN (Agência Kozmos)

 

Essa terceira edição do RISCO Festival é idealizado pela multi-artista e curadora Natalia Mallo e ocupa a cidade de São Paulo com foco no risco artístico e na arte dissidente. Marcado para acontecer entre 31 de março e 3 de abril, de quinta a domingo, em diversos espaços, o RISCO será uma oportunidade de tomar contato com produções artísticas ousadas, desafiadoras e inspiradoras, capazes de fortalecer comunidades dissidentes - em âmbito brasileiro e internacional - e continuar servindo como plataforma de encontros, trocas e co-criações. A programação é inteira gratuita, exceto pela festa no Studio SP e show de encerramento, que terá ingressos vendidos a preços populares.

 

Destaques do festival são a dupla argentina de performance Lolo y Lauti, que tem circulado pelos eventos mais importantes de artes visuais da América Latina e do mundo. A dupla apresenta o filme Carmen, recriação da ópera de Bizet com elenco de mulheres trans e drag queens latinas. Além do filme, os artistas farão a performance iSEXY, em que discutem sexo, intimidade e realidade virtual.

 

O RISCO ainda realiza dois eventos internacionais com foco em Arte Queer, o 6º Encontro Internacional de Arte Queer, com artistas de diversos países, e o QUEER LAB curadoria, com foco na internacionalização de artistas dissidentes do Brasil.

 

O público poderá participar ativamente da intervenção urbana a ser realizada no sábado, com ponto de encontro no Parque Augusta. Neste evento, serão distribuídos pelo centro da cidade lambe-lambes com imagens produzidas pela estilista e ativista trans jamaicana Emani Edwards com imagens impactantes que revelam a experiência trans e dissidente no Caribe.

 

Nos shows musicais, Fifi Real, cantora argentina de Tango Queer, dividirá a noite com a cantora, atriz e colunista Marina Mathey. A festa oficial do festival, na sexta-feira, terá o show da Orquestra Brasileira de Música Jamaicana no Studio SP da rua Augusta. A noite de sábado será embalada pela DJ Evelyn e pelo show Glitch do multi-artista ALI. Outro destaque é a rapper indígena Katu Mirim, que se apresenta no fechamento do festival junto do bloco carnavalesco Explode Coração, que homenageia Maria Bethânia.

 

A programação online traz a rapper franco-chilena Ana Tijoux com conteúdo produzido especialmente para o festival e uma conversa com a rapper indígena Katu Mirim, que também integra a programação presencial. "O RISCO é um festival de dissidência, de risco no sentido artístico - trazemos artistas que podem incomodar, mas que também exercem em sua arte uma relação com o prazer", conta Natalia Mallo.

 

Programação

 

Em todos os eventos, será solicitada carteira de vacinação completa (2 doses ou mais) e uso de máscaras.

 

6º Encontro Internacional de Arte Kuir

31 de março, quinta-feira, 16h | Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo) | Ingresso: Entrada Franca, sujeita à lotação | Este evento terá interpretação simultânea inglês-português

 

Sinopse: O RISCO Festival apresenta, em parceria com o coletivo Outburst Americas, o 6º Encontro Internacional de Arte Kuir. O mesmo já foi realizado na Irlanda do Norte, no Brasil e no Uruguai. O evento se destina à comunidade de artistas, pensadores e produtores de arte kuir, dissidente e realizada pela comunidade LGBTQIA+ e terá a presença de integrantes do coletivo: Ruth McCarthy (Irlanda do Norte), Lisa Kerner e Violeta Uman (Argentina) e Adylem de Agosto (Uruguai). O coletivo fará apresentação da cartografia de projetos 2016-2021 e fará o lançamento da publicação TRADUZINDO KUIR.

 

Também participa a artista e ativista argentina FIFI REAL, com apresentação do projeto MARICOTECA.ORG e artistas da cena paulistana como Ali Prando, Ronaldo Serruya, Daniela Biancardi e Angélica Müller. O objetivo do encontro é sobretudo dar continuidade à construção de redes e ao fortalecimento e sustentabilidade de oportunidades de co-criação, pesquisa e circulação da arte kuir em nível mundial.

 

Fifi Tango e Marina Mathey

31 de março, quinta-feira, 21h | Local: Galeria540 (Rua Mourato coelho 540 – Vila Madalena – São Paulo) | Ingresso: Entrada Franca, sujeita à lotação

 

Fifi Tango dinamita os pilares do tango tradicional e revaloriza a música popular, sensibilizando o público para as realidades vivenciadas pela Dissidência Sexual e de Gênero. Uma proposta performática onde a cantora transgênero Fifí Real, junto com o maestro Sebastián Sazali no bandoneon e no piano, apresentam seu show de Tango Queer, com uma impactante exibição cênica e vocal. O show conta ainda com a participação da cantora, atriz, colunista e ativista Marina Mathey.

 

Filme Carmen e Queer Lab (Curadoria de Arte Queer)

1 de abril, sexta-feira, 18h (Carmen) e 19h (Queer Lab) | Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo) | Ingresso: Entrada Franca, sujeita à lotação

 

Em Carmen, da dupla argentina Lolo y Lauti, a icônica ópera Carmen, de Bizet, é recriada com um elenco de mulheres trans e drag queens. O trabalho foi realizado no Panamá, com a colaboração do artista Rodrigo Moraes.

 

Na sequência, o festival promove um encontro de discussão sobre curadoria de arte queer com a presença de Ruth McCarthy – OUTBURST (Irlanda do Norte), Lisa Kerner e Violeta Uman – FAQ (Argentina) e Natalia Mallo – RISCO (Brasil). O encontro faz parte do projeto de formação em produção, comunicação e curadoria para a comunidade LGBTQIA+ QUEER LAB, realizado com apoio do DORITOS RAINBOW.

 

Festa do RISCO Festival

1 de abril, sexta-feira, 21h | Local: Studio SP (Rua Augusta 591 – Consolação – São Paulo) | Ingresso: R$40,00 com cupom RISCO2022

 

Na festa do festival, haverá um show da Orquestra Brasileira de Música Jamaicana. A Orquestra Brasileira de Música Jamaicana como o nome sugere, reproduz de maneira inteligente e divertida, versões de grandes clássicos da música brasileira em ritmos jamaicanos criados nas décadas de 50 e 60.

 

Ska, Rocksteady e o Early Reggae são alguns dos dançantes ritmos que permeiam na Orquestra. Criada originalmente pelo músico e produtor Sergio Soffiatti e pelo trompetista Felippe Pipeta, a OBMJ tem como objetivo principal fazer o público dançar.

 

Intervenção urbana com Emani Edwards e Coletivo Cabaça

2 de abril, sábado, 12h | Parque Augusta (R. Augusta, 200 – Consolação, São Paulo) - Ponto de Encontro Arquibancada / Em caso de Chuva consulte as redes do festival @riscofestival | Entrada Franca

 

Em uma intervenção urbana coletiva, comandada pelo coletivo Cabaça, serão distribuidas pela cidade imagens produzidas pela estilista e ativista da causa trans na Jamaica Emani Edwards. As obras, visualmente impactantes, retratam a experiência trans e queer no caribe e mais especificamente em Kingston, Jamaica.

 

Nas palavras da artista: “Capturar a beleza no medo, tomando as ruas de Kingston. Somos sempre fortalecedoras, inspiradoras, arriscadas, e criando beleza através da dor e da arte”.

 

ALI, DJ Yaga Goya + Lolo Y Lauti

2 de abril, sábado, 16h DJ Yaga Goya 18h Performance iSexy 21h ALI| Local: Galeria540 (Rua Mourato coelho 540 – Vila Madalena – São Paulo) | Ingresso: Entrada Franca, sujeita à lotação

 

O RISCO Festival recebe na Galeria540 o multi-artista ALI e a DJ Evelyn. ALI é o alter ego do também filósofo, curador e pesquisador Ali Prando, que lança seu primeiro album GLITCH. DJ Yaga Goya abre a tarde nas pickups. O evento terá ainda a performance iSexy da dupla Lolo y Lauti referência em performance e artes visuais da Aergentina.

 

Katu Mirim e Explode Coração

3 de abril, domingo, 15h (abertura da casa: 13h) | Local: Cervejaria Tarantino (R. Miguel Nelson Bechara, 316 – CEP 02712-130, Limão, São Paulo) | Ingressos: R$20 (preço único), com ingressos à venda no local ou antecipadamente pelo site riscofestival.me

 

Katú Mirim é rapper, compositora e ativista da causa indígena, em fase de lançamento do seu álbum mais recente, Revolta. Em suas letras, reconta a história da colonização pela ótica indígena e levanta questões até então pouco discutidas no cenário musical atual, como a demarcação de terras, o indígena no contexto urbano, o resgate da ancestralidade, o uso indiscriminado da cultura indígena e a forma como são tratados os indígenas no Brasil, especialmente os indígenas LGBTQ.

 

Em 2020, teve seu reconhecimento estampado na capa da revista ELLE. Em 2017 viralizou a hashtag #indionaoefantasia, trazendo à tona o debate sobre os costumes indígenas utilizados fora do contexto aos quais eles pertencem. Ainda em 2017, a artista decidiu usar sua voz ativa pela causa indígena para fundar a etnomídia “VI Visibilidade Indígena”, (@visibilidadeindigena).

 

O Explode Coração é um bloco que, em quatro edições, passou de 10 mil foliões para mais de 150 mil no desfile de 2020. Conta com uma banda com integrantes de diferentes cidades do Brasil e do mundo, que toca, em ritmos de Carnaval e São João, canções gravadas pela artista Maria Bethânia, que tem em seu repertório canções de Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Gonzaguinha, Raul Seixas, Roberto Carlos e muitos outros compositores da Música Popular Brasileira. Tanto as músicas quanto a identidade visual dos álbuns são fontes de inspiração para os temas, direção artística, figurino e decoração do trio elétrico.

 

Sobre o RISCO

Em sua primeira edição ocupou diversos espaços da cidade com artistas de nove países. Já na segunda edição, em 2019, experimentou um formato "em casa" através da criação de um espaço próprio temporário. A terceira edição traz foco na arte queer e na interseccionalidade presente nas dissidências artísticas, corporais e identitárias.

 

Serviço 

RISCO Festival 2022

De 31 de março a 3 de abril, de quinta a domingo

Locais:

Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo)

Studio SP (Rua Augusta 591 – Consolação – São Paulo)

Parque Augusta (R. Augusta, 200 – Consolação, São Paulo)

Galeria540 (Rua Mourato Coelho 540 – Vila Madalena – São Paulo)

Cervejaria Tarantino (R. Miguel Nelson Bechara, 316 – CEP 02712-130, Limão, São Paulo)

 

Programação Completa em: www.riscofestival.me

Contato: contato@corporastreado.com

Redes sociais: @riscofestival

Nenhum comentário