Books Brasil Books

Novidades

[News]Autoconhecimento pode ser o caminho para o equilíbrio emocional

 Autoconhecimento pode ser o caminho para o equilíbrio emocional




Saúde mental dos profissionais da saúde requer atenção e desenvolver suas competências socio-emocionais pode ser o equilíbrio para a melhora de sua saúde


Cada vez mais em evidência, o bem-estar emocional e a saúde mental têm ganhado destaque. Campanhas de conscientização ganharam força durante o mês de janeiro com as ações do Janeiro Branco e quanto mais se fala sobre as questões relacionadas à mente, mais estudo e conhecimento sobre o tema se faz necessário. O preconceito com o tema, muitas vezes encarado como “frescura”, acaba fazendo com que as pessoas tenham receio ou se sintam constrangidas em buscar ajuda. Na vida em geral, questões mentais, sentimentais, emocionais, relacionais e comportamentais são inerentes ao ser humano, mas, infelizmente, muitas pessoas acabam não percebendo o quanto impactam diretamente no seu dia a dia. E nos últimos tempos, com a pandemia, essa questão entrou em pauta e ganhou outra dimensão. 


Os profissionais da saúde são uma grande parcela de casos de esgotamento mental. Há mais de dois anos atuando na linha de frente contra a Covid-19, eles estão exaustos. Uma pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, por exemplo, apontou que 36% dos 916 profissionais da área da saúde, que atuam na linha de frente e foram acompanhados pelos cientistas, possuem pelo menos um indicador de problemas de saúde mental, como ansiedade, depressão, insônia e estresse pós-traumático.


Porém, será que a pandemia é o principal causador desse aumento de casos de estresse? A pesquisa apontou que a pandemia trouxe uma carga maior de trabalho aos profissionais da saúde com mais horas extras, mais demandas e, consequentemente, a privação do sono.

Esse cenário de sobrecarga emocional parece estar mais presente entre os profissionais da saúde, independente da linha de atuação. Outras instituições estão atentas para esse momento. Entre elas, a Fiocruz, que está produzindo um novo estudo com o objetivo de avaliar o impacto do transtorno mental no trabalho e nos trabalhadores da saúde durante a pandemia de Covid-19. A pesquisa já identificou que sintomas como ansiedade, depressão e estresse estiveram presentes entre os 831 participantes, em algum momento durante a pandemia. O estudo, até agora, contemplou profissionais de enfermagem, odontologia, medicina, farmácia e fisioterapia do Mato Grosso do Sul (MS) e do Distrito Federal (DF).


Encontrar apoio emocional e saber o momento de pedir ajuda ao perceber a sobrecarga é um dos caminhos para encontrar o equilíbrio. O desenvolvimento da resiliência emocional, por exemplo, se torna não apenas um mecanismo para lidar, de uma forma mais equilibrada, com a dor, cansaço e estresse, mas também cria uma base forte para impactar de forma positiva a experiência de atendimento e acolhimento ao paciente/família. Porque, sim, por mais profissionais que sejam, em algum momento o seu desiquilíbrio emocional pode afetar a sua entrega no trabalho.


Por isso, gestores e líderes precisam estar atentos aos sinais de esgotamento e atritos entre os colaboradores e buscar alternativas que visem o fortalecimento e a resiliência emocional do profissional da saúde, potencializando suas competências socioemocionais, quebrando barreiras do preconceito e da “naturalização” do esgotamento mental dos profissionais.


O Sou Saúde, por exemplo, é uma solução integrada que atua no desenvolvimento da resiliência emocional do profissional da saúde, mesclando o autocuidado com o cuidar do outro, fundamentado na metodologia Treinamento para o Desenvolvimento Humano (TDH), criada pela Arte Despertar a partir da sua experiência em diferentes hospitais e instituições de saúde diretamente com pacientes e profissionais da área.


Partindo do pressuposto de que a Arte tem um importante papel em acionar signos que sensibilizam e despertam para a riqueza das relações e da trajetória individual, e a Cultura resgata os elementos significativos para os sujeitos a partir de um universo povoado por valores, símbolos e sentidos -, é possível estabelecer uma importante intersecção entre a arte e o cuidado em saúde. “A partir da Arte e da Cultura, e em diálogo com as competências socioemocionais necessárias ao trabalho no Século XXI, o TDH convida os profissionais da área a estabelecerem fronteiras permeáveis com seus pacientes e o contexto em que atuam. Seu foco é apoiar os profissionais da saúde a desenvolverem habilidades e atitudes capazes de impactar o cotidiano das instituições, contribuindo para a Humanização da Saúde, especialmente no desenvolvimento de práticas e ambientes acolhedores. O desenho formativo proposto pelo TDH se apresenta como um caminho para a reflexão da práxis do profissional na área da saúde e como um convite para fortalecer o ambiente, as relações, a atuação coletiva e colaborativa das equipes.”, explica Rosana Junqueira, diretora executiva da Arte Despertar.


“No âmbito da saúde, pode-se dizer que na medida em que o indivíduo se reconhece, ele passa a reconhecer o Outro, seja ele o colega da equipe, o paciente, o acompanhante ou o contexto em que se insere. Ao reconhecer o Outro, pressupõe-se o desenvolvimento da empatia, fundamental para a interação entre profissional e paciente. Este olhar empático é, então, aplicado a um conjunto de estratégias de comunicação que visam fortalecer um diálogo efetivo, claro e respeitoso com a diversidade de todos os envolvidos no ambiente.”, finaliza Marina Rosenfeld, gestora geral da Arte Despertar. É importante que os gestores busquem caminhos que apresentem diferentes abordagens e metodologias, com especial atenção ao desenvolvimento de habilidades de comunicação empáticas e estabelecimento de relacionamentos saudáveis.


Sou Saúde

O Sou Saúde é uma solução integrada que atua no desenvolvimento da resiliência emocional do profissional da saúde, mesclando o autocuidado com o cuidar do outro. A proposta é oferecer uma experiência prática que possa contribuir de forma efetiva para o fortalecimento e resiliência emocional do profissional da saúde.  Ele surgiu da parceria entre a Tamboro, startup brasileira que usa inteligência emocional de dados para avaliar e desenvolver o potencial máximo dos funcionários, e a organização social sem fins lucrativos Arte Despertar, que usa a arte e a cultura para conectar pacientes e profissionais da área da saúde de um jeito profundo e significativo.


Arte Despertar

A Arte Despertar é uma organização social sem fins lucrativos que usa a arte e a cultura para conectar pacientes e profissionais na área de saúde de um jeito profundo e significativo. Fundada em 1997, tem se dedicado à criação de metodologias, abordagens e formação de profissionais para um atendimento que privilegia a sensibilização, o empoderamento e a consciência.


Saiba mais sobre o Treinamento para o Desenvolvimento Humano:

https://artedespertar.org.br/o-que-fazemos/treinamento/

Nenhum comentário