Novidades

[News]Álbum homônimo da Banda Luni chega, pela primeira vez, no digital.

 

 

 

ÁLBUM HOMÔNIMO DA BANDA LUNI CHEGA, PELA PRIMEIRA VEZ, NO DIGITAL

Depois de estrear singles individuais pela primeira vez em todas as plataformas de música, “Luni” está disponível nesta sexta-feira, dia 25/06, incluindo as faixas “Rap do Rei” e “Quinabox” – que completam o projeto

 

 

O álbum histórico “Luni” está disponível pela primeira vez nas plataformas digitais nesta sexta-feira, dia 25 de junho. Depois de conferirem singles individuais ao longo deste mês, os fãs podem ouvir agora também as faixas “Rap do Rei”, criada para a abertura da novela global “Que Rei Sou Eu”, de 1989, e “Quinabox” – que completam este ciclo de lançamento inédito da banda nas plataformas de música.
 
O disco traz canções como “Emoção”, “Seu Olhar”, “Oi”, “Cairo”, “Jungle Beat”, ao todo são 10 músicas do extenso catálogo da banda. A estreia digital desse álbum atende aos inúmeros pedidos dos fãs, ao mesmo tempo que vem consagrar essa parceria afetiva e criativa, entre amigos e artistas que trabalharam coletivamente e que agora disponibilizam o resultado desse encontro que aconteceu no final da década de 80.

 

 

Divulgação

 

“Luni” foi gravado em 1988, a convite de André Midani, diretor da WEA, no estúdio Vice-Versa, São Paulo, com produção de Pena Schimidt e Paulo Calazans, e mixado no Nas Nuvens, Rio de Janeiro, por Paulo Junqueiro. Participaram também do disco os músicos: Luis Batera (percussão), James Muller (bateria), Jaques Morelembaum (cello), Claudinho Infante (bateria) e Paulo Calazans (teclados adicionais).
 
Na história da vanguarda paulistana dos anos 80, Luni, ocupa um lugar especial, com integrantes vindos de áreas distintas como teatro, literatura, artes plásticas e, claro, música. O grupo marcou época com estilo único e irreverente, ao mesmo tempo dançante e sofisticado.
 
A banda é formada por André Gordon (voz e teclados), Fernando Figueiredo (voz e teclados), Gilles Eduar (sax alto e clarinete), Lloyd Bonnemaison (sax tenor e percussão), Lelena Anhaia Mello (baixo), Marisa Orth (voz), Natalia Barros (voz e teclados) e Theo Werneck (voz, guitarra e percussão).
 
Luni estreou em 1986, no lendário Madame Satã, no bairro do Bixiga em São Paulo, e até o final de 1987, já tinha realizado centenas de shows em várias cidades do Brasil.
Baseado nas diferenças de gosto, formação e proveniência de seus oito integrantes, formaram um repertório variado em termos de ritmos e tendências (funk, ska, rap, reggae, samba, blues) e criaram um show-entretenimento, com figurinos, roteiro, cenário, coreografia, textos, utilizando também outras linguagens como cinema, circo e vídeo.

 

 

Divulgação

 

O grupo seguiu com diversos shows onde mesclavam linguagens artísticas, sempre com muitos convidados como: Intrépida Trupe (circo), XPTO (teatro), Marzipan (dança); além de se apresentarem ao lado de vários outros artistas: Gilberto Gil, Sandra de Sá, Skowa, Nouvelle Cousine, entre outros.
 
No início dos anos 90, cada integrante seguiu um rumo diferente, mas mantiveram sempre várias colaborações artísticas entre eles. Marisa Orthé atriz e cantora consagrada, Theo e Fernando são produtores musicais e DJs, Natalia é diretora e poeta, Lelena trabalha com diversos grupos musicais, André (atualmente nos EUA) é designer e editor de video, Lloyd vive em Paris e segue como músico e Gilles é autor e ilustrador de uma série de livros infantis, publicados no mundo todo.
 
O grupo já se reuniu algumas vezes para shows comemorativos. O último deles foi em 2014, no Auditório Ibirapuera, onde seguiram com a tendência de mesclar linguagens e trabalhar com vários artistas convidados. O show contou com os parceiros e amigos: Os Mulheres Negras, Renata Mello (dança) e vídeos do DJ SCAN, entre outros.

 

Confira a tracklist completa do projeto:

The Best
Projeto de Lei
Taxi
Emoção
Seu Olhar
Oi
Cairo
Jungle Beat
Rap do Rei
Quinabox

Nenhum comentário