Novidades

[News] AINDA TEMOS A IMENSIDÃO DA NOITE entra em cartaz no dia 05 de dezembro

A resistência de uma cantora e trompetista é testada no novo filme do diretor Gustavo Galvão. Rodado em Brasília e em Berlim, o drama Ainda Temos a Imensidão da Noite narra a saga de Karen (Ayla Gresta), que vê o esfacelamento de sua banda de rock e de suas relações numa realidade cada dia mais desoladora. Aos 27 anos, ela deixa Brasília para dar vazão à paixão pela música.

Na trama, o relacionamento dos membros da banda de Karen aos poucos se despedaça por culpa da perspectiva quase nula de sobreviver na cena alternativa brasiliense. Os músicos do grupo cedem a empregos na máquina burocrática da cidade. Porém, após Artur, o guitarrista, ir embora para Berlim, a protagonista tenta seguir os passos dele para buscar uma maneira de subsistir sem precisar se entregar a um trabalho que a mate por dentro. 

Gustavo Galvão, realizador de “Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa” (2013) e “Nove Crônicas para um Coração aos Berros” (2012), promove as locações e o som à condição de personagens. Os protagonistas são músicos de verdade e formam uma banda montada especialmente para o filme, chamada Animal Interior. O quarteto liderado por Ayla Gresta criou a trilha do longa em parceria com outros dois compositores e as músicas tiveram a produção do guitarrista norte-americano Lee Ranaldo, um dos fundadores da icônica banda de indie rock Sonic Youth. O músico estará em São Paulo (dia 19/11) e em Porto Alegre (dia 22/11) para o lançamento do filme.

O diretor assina o roteiro ao lado da alemã Barbie Heusinger e da gaúcha Cristiane Oliveira (do premiado longa “Mulher do Pai”). A equipe técnica conta com o designer de produção alemão Tamo Kunz, que trabalhou com Fatih Akin em filmes renomados como “Em Pedaços”, “Contra a Parede” e, mais recentemente, “O Bar Luva Dourada”, e a consagrada produtora Sara Silveira, de “As Boas Maneiras” e “Cinema, Aspirinas e Urubus”.

AINDA TEMOS A IMENSIDÃO DA NOITE

Brasil, ficção, 98 min.

direção Gustavo Galvão

roteiro Gustavo Galvão, Barbie Heusinger e Cristiane Oliveira

elenco Ayla Gresta, Gustavo Halfeld, Steven Lange, Vanessa Gusmão, Hélio Miranda, Marat Descartes, Bidô Galvão, Fernando Teixeira, Clemente Nascimento e Pit Bukowski

direção de fotografia André Carvalheira

designer de produção Tamo Kunz

direção de arte Valeria Verba

montagem Marcius Barbieri

desenho de som Ricardo Reis, ABC

supervisão de som Miriam Biderman, ABC

mixagem Paulo Gama

trilha original Animal Interior (com composições de Munha da 7 e Nicolau Andrade)

produção da trilha original Lee Ranaldo

produção executiva Maria Ionescu, Daniela Marinho e Peter Ketnath

produção Sara Silveira e Gustavo Galvão

distribuição Pandora Filmes

SINOPSE
Cansada de lutar por um lugar ao sol com sua aguerrida banda de rock, onde é vocalista e trompetista, Karen decide ir embora de Brasília, cidade que seu avô ajudou a construir. Ela segue os passos do ex-parceiro de banda Artur, que tenta a sorte em Berlim. O convite parte de Martin, amigo alemão com quem fecham um triângulo imprevisível.

DIRETOR

Gustavo Galvão

Gustavo Galvão nasceu em Brasília (1976). Formado em Jornalismo na Universidade de Brasília, fez especialização em Cinema na Escuela Universitaria de Artes y Espectáculos (Madri, Espanha) e dirigiu sete curtas entre 2002 e 2008. Destaque para o premiado “A Vida ao Lado” (exibido em 25 festivais mundo afora, 2006), e “A Minha Maneira de Estar Sozinho” (seleção do Festival de Brasília/2008 e do Rencontres Cinémas d'Amérique Latine de Toulouse/2010). O primeiro longa como diretor e roteirista, “Nove Crônicas para um Coração aos Berros”, recebeu menção do júri da FIPRESCI no 31º Festival Internacional do Uruguai (Montevidéu, 2013) e foi distribuído para a América Latina na Netflix e no iTunes. O segundo longa, “Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa” (2013), recebeu prêmios de trilha sonora e ator e foi distribuído de modo independente, em 17 cidades pelo Brasil, em 2014. Com filmagens em Brasília e Berlim, “Ainda Temos a Imensidão da Noite” (2019) é o terceiro longa como diretor e roteirista de Galvão.

ELENCO

Ayla Gresta (Karen, trompetista e vocalista)

Artista multidisciplinar e arquiteta profissional formada pela Universidade de Brasília, estudou trompete na Escola Americana. Passou a focar mais na carreira musical logo após as filmagens de “Ainda Temos a Imensidão da Noite”, em 2017, quando formou o duo YPU com Gustavo Halfeld, onde atua como vocalista e trompetista. Desde então, já gravou com nomes como Rios Voadores, Aiure, O Tarot e César Saez.

Gustavo Halfeld (Artur, guitarrista)

Guitarrista de origem, é hoje um requisitado produtor musical. Só em 2019, produziu discos de Aiure, Abismo e Rios Voadores, além das gravações do guitarrista Yonatan Gat (ex-Pavement) com a tribo Wapichana, no Santuário dos Pajés (DF). Em paralelo, administra o selo Quadrado Mágico (em parceria com Miguel Galvão) e se dedica ao duo que integra com Ayla Gresta, o YPU, onde toca guitarra e sintetizador.



Hélio Miranda (Cícero, baterista)

Um dos bateristas mais ativos de Brasília, é integrante de cinco bandas marcantes da cena local: Rios Voadores (que lançou em junho seu segundo disco, “Rios Voadores na Era Sinistroyka”), Galopardo, Judas (com dois EPs lançados em 2019), Pupilla e Munha da 7 Top Trio. Com a banda Judas, Hélio participa, desde 2018, do musical “Tocador da Viola Envenenada”, com direção de Sérgio Maggio.



Vanessa Gusmão (Lara, baixista)

Nascida em Brasília e radicada em São Paulo desde 2010, é baixista na Der Baum, que acaba de lançar o segundo álbum, D.B. 26.04.93 – com participação de Carol Navarro da Supercombo e Cris Botarelli do Far from Alaska, entre outros. Desde 2019, também toca na cultuada banda Veronica Decide Morrer, composta por integrantes LGBTQI+. Em paralelo, Vanessa é editora de som para cinema e TV.



Também integram o filme atores premiados como Marat Descartes (“Mulher do Pai”, “Quando Eu Era Vivo” e “Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa”), Fernando Teixeira (“Aquarius”) e Bidô Galvão (uma das atrizes mais importantes da cena teatral brasiliense). Entre os atores alemães que estão no elenco, destacam-se Steven Lange (que faz o triângulo central com a personagem de Ayla Gresta e o de Gustavo Halfeld), Pit Bukowski (“The Command”, de Thomas Vinterberg) e Dirk Lange (“Touch me Not”, vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim de 2018). Outra atração é a participação especial de Clemente Nascimento, pioneiro do punk no Brasil, no papel de um delegado.


TRILHA SONORA

Lee Ranaldo (produtor musical)

Guitarrista, cantor e compositor, Lee é fundador de uma das maiores referências do rock alternativo norte-americano, o Sonic Youth – conjunto formado em Nova York, em 1981, também por Thurston Moore, Kim Gordon e, a partir de 1985, Steve Shelley. Integrou o grupo até sua dissolução, em 2011, participando de álbuns emblemáticos como “Daydream Nation” (1988) e “Goo” (1990). Um destaque na trajetória no cinema é a produção musical do longa “Não Estou Lá” (de Todd Haynes, 2007). Em 2016, Martin Scorsese lhe confiou a consultoria da série “Vinyl” (HBO).



Munha da 7 (compositor)

Iniciou a carreira em 1997, em Brasília. Focado em música experimental, fundou em 2002 o Satanique Samba Trio, projeto que ficou internacionalmente conhecido após nove discos e apresentações na Europa. É baixista do Munha da 7 Top Trio e do Jota Dale Combo, além de compositor de trilhas para cinema e teatro. Destaque para o espetáculo “Tecendo Volúpias” (prêmio Sesc de Teatro Candango, em 2017).



Nicolau Andrade (compositor)

Formado na Escola de Música de Brasília e na UniRio, tinha quase dez anos de carreira quando entrou no prestigiado curso de Bacharelado em Jazz do Conservatório Real de Haia, em 2009. Atua na cena de jazz e improvisação livre em Amsterdã e foi membro da Koninklijk Conservatorium Big-Band, entre 2012 e 2014. Ele mora, ainda hoje, em Haia, dedicando-se ao ensino de música e do trompete.





DISTRIBUIDORA

A Pandora Filmes é uma distribuidora de filmes de arte, ativa no Brasil desde 1989. Desde sua origem, a empresa tem buscado ampliar os horizontes da distribuição de filmes independentes no Brasil com relançamentos de clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Fellini, Bergman e Billy Wilder, e revelações de nomes outrora desconhecidos no país, como Wong Kar-Wai, Atom Egoyan e Agnés Jaoui.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora sempre reserva espaço especial para o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steimberg, Rodolfo Nanni, Rubens Rewald, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Luis Alberto Pereira, Fernando Meireles, entre outros. Dentro desse segmento, destaca-se o recente Que Horas Ela Volta, de Anna Muylaert, um grande sucesso, visto no cinema por mais de 500 mil espectadores.


Nenhum comentário