Novidades

[News]Ao lado do excepcional maestro Antonio Pappano, Ian Bostridge homenageia Beethoven celebrando os 250 anos de seu nascimento

https://www.warnerclassics.com/br/release/beethoven
AO LADO DO EXCEPCIONAL MAESTRO ANTONIO PAPPANO, IAN BOSTRIDGE HOMENAGEIA BEETHOVEN CELEBRANDO OS 250 ANOS DE SEU NASCIMENTO

Sob o título "Beethoven: Songs and Folksongs" o novo álbum do tenor britânico está disponível em todas as plataformas digitais


No coração deste programa de canções de Beethoven, interpretado por Ian Bostridge e Sir Antonio Pappano, está o ciclo da canção An die ferne Geliebte (Para o amado distante). Data de 1816, ano em que foi publicada a 7ª Sinfonia de Beethoven. Estabelecendo seis poemas de Alois Jeitteles, geralmente é reconhecido como o primeiro exemplo de um ciclo de canções, um gênero que se tornou importante nos séculos XIX e XX. Beethoven cria um todo coerente, ligando músicas com breves interlúdios de piano e fechando o círculo, lembrando o material da música de abertura na música final.

“De alguma forma, os 13 ou 14 minutos de música mais concentrados que Beethoven já escreveu”, é como Antonio Pappano descreve An die ferne Geliebte. Para Ian Bostridge, o ciclo é uma expressão de Beethoven, o romântico e não o esforçado e heróico Beethoven que muitas vezes percebemos nas sinfonias e concertos. “É uma destilação de Beethoven como amante, mas sua amada está longe e ele nunca pode alcançá-la. A tristeza disso é comovente. (Beethoven era notoriamente azarado no amor). É através das manifestações da natureza - e de suas canções - que o amante de An die ferne Geliebte sente uma conexão com sua amada. Bostridge faz uma analogia com o compositor: “Beethoven coloca seus sentimentos em um pedaço de papel musicado e envia para o mundo. É como a dedicação que ele fez na partitura da Missa Solemnis. ” Depois de escrever aquele épico trabalho coral, que ocorreu alguns anos depois de An die ferne Geliebte, Beethoven inscreveu a partitura com as palavras: "Vom Herzen, möge es wieder, zu Herzen gehen!" - "Do coração: que por sua vez retorne ao coração."


Entre o restante do repertório do álbum, a mais conhecida é a 'Adelaide', arrebatadora e lírica, que data de meados da década de 1790. Em uma veia muito diferente, há uma música de um texto italiano, 'In questa tomba oscura' (1806-7), na qual um homem morto admoesta sua amante infiel: “As texturas do piano refletem a escuridão e a amargura do texto”, diz Antonio Pappano. Ele também acha que Beethoven teve influência na ópera italiana: "Não acho que Donizetti, Bellini e Rossini seriam possíveis sem Beethoven".

Bostridge e Pappano se juntam à violinista Vilde Frang e ao violoncelista Nicolas Altstaedt em oito dos cenários encantadores de Beethoven (em inglês) de canções folclóricas das Ilhas Britânicas. Entre 1809 e 1823, o compositor organizou mais de 160 melodias, a pedido de seu editor em Edimburgo, George Thomson. “Esses arranjos eram empreendimentos essencialmente comerciais”, explica Bostridge, “mas Beethoven colocou uma música incrível para o trio de piano”. Pappano concorda: "Eles são “músicas de salão” de verdade porque são para piano, voz, violino e violoncelo. Quando todos tocamos juntos, é como uma família fazendo música em casa."


Sobre Ian Bostridge:

O tenor inglês Ian Bostridge é dono de uma carreira internacional exuberante, possui vários prêmios, incluindo Gramophone e Grammy Awards, e trabalhou com todas as grandes orquestras e grandes nomes do universo clássico mundial. Entre tudo, destaca-se a Orquestra Filarmônica de Berlim, Filarmônica de Viena, Sinfonia de Chicago, Sinfonia de Boston, Sinfonia de Londres, Filarmônica de Londres, BBC Symphony, Filarmônica de Roterdã, Royal Concertgebouw, Filarmônica de Nova York e Orquestra Filarmônica de Los Angeles sob Sir Simon Rattle, Sir Colin Davis, Sir Andrew Davis, Seiji Ozawa, Antonio Pappano, Riccardo Muti, Mstislav Rostropovich, Daniel Barenboim, Daniel Harding e Donald Runnicles. Ele cantou a então inédita 'Opfergang' de Henze em estréia mundial com a Accademia Santa Cecilia em Roma, sob o comando de Antonio Pappano.

Ian Bostridge foi bolsista de história no Corpus Christi College, Oxford (1992-5) e em 2001 foi eleito membro honorário do colégio. Em 2003, ele foi nomeado Doutor Honorário de Música pela Universidade de St Andrews e em 2010 ele foi nomeado membro honorário do St John's College Oxford. Ele foi nomeado CBE no Prêmio de Ano Novo de 2004. Em 2014, ele foi Professor Humanitas de Música Clássica na Universidade de Oxford. Em 2016, ele recebeu o Prêmio Pol Roger Duff Cooper por escrever não ficção para seu livro 'Viagem de Inverno de Schubert: Anatomia de uma Obsessão'.

https://www.warnerclassics.com/br/release/beethoven

Nenhum comentário