Novidades

[News] Uma oficina de dança e 28 filmes são as atrações do ‘Assim Vivemos

Deste sábado até segunda-feira, 28, o público poderá conferir 28 filmes entre curtas, médias e longas-metragens no Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência, que acontece no Centro Cultural Banco Brasil Rio de Janeiro, no Centro da cidade. A programação é gratuita e está distribuída em quatro sessões diárias e uma oficina de dança: ‘O Que Você Vê’, com Moira Braga, no sábado, 26, a partir das 16h. A realização é do Centro Cultural do Banco do Brasil, patrocínio do Banco do Brasil através da lei de incentivo à cultura, com produção da Cinema Falado Produções. A programação completa pode ser conferida em www.assimvivemos.com.br .

Sábado, 26, serão exibidos três longas-metragens em programas separados. São eles: o suíço “A Jornada”, de Fanny Bräuning; o canadense “Além do Espectro”, de Steven Suderman e o alemão “Menina de Areia”, de Mark Michel. Dois filmes brasileiros estão em um só programa: o curta “WCMX – Faca na Cadeira”, de Loopcius, e o média-metragem “Posso”, de Adama Ouedraogo.  

Ainda no sábado, às 16h, no hall em frente a sala de cinema 1, acontece a oficina de dança “O Que você vê?”, com Moira Braga. Ela propõe uma reflexão sobre o sentido da visão e convida o espectador a vivenciar outra experiência sobre o olhar. Após sua performance, o público será convidado a dançar  enquanto usa vendas nos olhos. Atriz, bailarina e jornalista, ela é uma das coordenadoras do grupo de estudo e pesquisa em Dramaturgia do Movimento e Fruição Estética, desenvolvido na Escola e Faculdade Angel Vianna.

No domingo, 27, o público poderá escolher entre os oito filmes da programação: “Casa da Liberdade”, de Maxim Yakubson, e “Meu nome é Daniel”, de Daniel Gonçalves, estarão em cartaz nos horários de 13h30m e 15h30m, respectivamente.  A sessão de 17h30m traz “Jonathan”, de Kirsty Griffin & Viv Kernick; “No Mundo”, de Alzbeta Hrusovska, e “Peixe de Água Doce (em Água Salgada)”, de Marc Serena & Biel Mauri. Às 19h30m é a vez de “Diálogo entre Richard Hunt e Sonia Boue”, de Richard Hunt, “Retorno de Sooi”, de Marc Bryssinck, e “Rei Shimon”, de Ariel Mayrose.

“A Jornada’, de Fanny Bräuning, às 19h30m, encerra o dia de exibições da segunda-feira, 28. É o único longa-metragem entre as 16 produções de vários países. O filme conta a emocionante história de um homem e uma mulher que viajam pelo mundo em um motor home. Niggi é um fotógrafo apaixonado por sua esposa, Annette, o amor da sua vida, que ficou paralisada do pescoço para baixo há 20 anos. Dirigido pela filha do casal, a documentarista Fanny Bräuning, o filme questiona o que  acontece com o amor quando as circunstâncias da vida mudam tão drasticamente. As outras 15 produções estão divididas nas três sessões anteriores.

O Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência é o primeiro festival de cinema no Brasil a oferecer acessibilidade para pessoas com deficiência visual (audiodescrição em todas as sessões e catálogos em Braille) e para pessoas com deficiência auditiva (legendas inclusivas nos filmes e interpretação em LIBRAS nos debates). As sedes dos CCBBs são acessíveis para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Depois do Rio, o evento segue para Brasília, entre 12 e 24 de novembro, e São Paulo, entre 27 de novembro a 9 de dezembro.

A seleção de 2019 conta com obras da Alemanha, Bélgica, Bielorrússia, Bósnia e Herzegovina, Brasil, Canadá, Eslováquia, Espanha, Estados Unidos, Índia, Irã, Israel, Itália, Nigéria, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido, Rússia e Suécia. Os países com maior número de produções - cinco cada - são Brasil, Itália e Nova Zelândia. Estados Unidos e Reino Unido serão representados com três filmes cada e, da Índia e da Rússia virão dois. Os temas são variados – amor, esporte, arte, entre outros - reunindo histórias e experiências de e sobre a pessoa com deficiência.

Serão oferecidos cinco prêmios do júri e um do público, destinado ao filme escolhido nas três cidades. Os membros do júri são pessoas com deficiência, artistas e profissionais ligados ao tema e, em cada edição, o júri cria novas categorias de prêmios, a fim de destacar as qualidades específicas dos filmes premiados. O troféu foi criado pela artista cega Virginia Vendramini. A programação completa está em www.assimvivemos.com.br

Serviço:

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro - CCBB RJ
CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL – RJ
Rua Primeiro de Março, 66 – Centro, Rio de Janeiro

Assim Vivemos - Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência
23 de outubro a 4 de novembro de 2019
Horário: Quarta-feira a segunda-feira, 9h às 21h


Nenhum comentário