Novidades

[News] Beto Brant, Lisandro Alonso, Maria de Medeiros e Xénia Maingot premiam os melhores filmes da Mostra

Durante a primeira semana, a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo computa os votos do público dos filmes que participam da 43ª edição do evento. As obras que integram a Competição Novos Diretores que foram mais bem votadas serão submetidas ao Júri desta edição (veja abaixo quem são os jurados), que avaliará e escolherá os longas vencedores do Troféu Bandeira Paulista — uma criação da artista plástica Tomie Ohtake— na categoria melhor filme. Os jurados também podem premiar obras em outras categorias. 



Os vencedores serão anunciados no dia 30 de outubro, durante a cerimônia de encerramento da 43ª Mostra, que ocorrerá no Auditório Ibirapuera.



Neste ano, os filmes mais votados pelo público foram :

CHORÃO : MARGINAL ALADO, de Felipe Novaes – BRASIL (75’) - documentário

CICATRIZES, de Miroslav Terzic – SERVIA (97’) – ficção   

CLEO – SE EU PUDESSE VOLTAR NO TEMPO, de Erik Schmitt – ALEMANHA (99’) - ficção

CORAÇÕES E OSSOS, de Ben Lawrence – AUSTRÁLIA (111’) - ficção

DENTE DE LEITE, de Shannon Murphy – AUSTRÁLIA (117’)- ficção

EMPUXO, de Rodd Rathjen – AUSTRALIA (93’) -  ficção

FILHOS DA DINAMARCA, de Ulaa Salim – DINAMARCA (123’) – ficção

HONEYLAND, de Ljubomir Stefanov – MACEDÔNIA (85’) - documentário 

MEU NOME É SARA, de Stevan Oritt – EUA  (111’) - ficção

MEU VERÃO EXTRAORDINÁRIO COM TESS, de Steven Wouterlood (82’) - ficção

PAPICHA, de Mounia Meddour – FRANÇA, ARGÉLIA, BÉLGICA, CATAR (106’) – ficção 

PARTIDA, de Caco Ciocler – BRASIL (94’) – documentário 

SYSTEM CRASHER, de Nora Fingscheidt – ALEMANHA (119’) - ficção

VIAJANTE DA MEIA-NOITE, de Hassan Fazili – EUA, REINO UNIDO, CATAR, CANADÁ documentário





Os materiais dos filmes estão reunidos no link 





Além do Prêmio Bandeira Paulista, a Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema também realiza uma premiação que escolhe o melhor filme brasileiro realizado por diretores estreantes e, nesta edição, os jornalistas e críticos Nayara Reynaud, José Geraldo Couto e Pablo Villaça formam o júri do Prêmio Abraccine. Os profissionais da área também concedem o Prêmio da Crítica.



Os diretores que tiveram filmes selecionados para a Mostra Brasil nesta edição da Mostra poderiam inscrever um novo projeto para concorrer ao prêmio oferecido pelo Projeto Paradiso, uma iniciativa do Instituto Olga Rabinovich. A bolsa, no valor de R$ 30 mil, é destinada ao roteirista do projeto em fase de desenvolvimento e inclui ainda mentoria nacional, consultoria internacional e participação no Workshop Audience Design do TorinoFilmLab no Brasil. O anúncio do ganhador será feito no encerramento do evento.



Saiba mais sobre os membros do Júri Internacional:

Beto Brant

Nasceu em São Paulo em 1964. No início dos anos 1980, iniciou um curso de atuação com Wolney de Assis (1937-2015). Realizou filmes em bitola super-8, o que não o afastou do teatro. Então, passou a frequentar sessões de cineclubes, período em que a influência cinematográfica se sobrepôs às outras artes. Um dos nomes essenciais da Retomada do cinema brasileiro, Brant graduou-se em cinema pela FAAP e começou a carreira dirigindo videoclipes para bandas como Titãs. Dirigiu curtas-metragens, como Aurora (1987), Dov’è Meneghetti? (1989, 14ª Mostra) e Jó (1993, 17ª Mostra), antes de realizar o primeiro longa, Os Matadores (1997). Dirigiu também Ação Entre Amigos (1998, 22ª Mostra), O Invasor (2002, que será exibido nesta 43ª Mostra), Crime Delicado (2005, 29ª Mostra), Cão sem Dono (2007), O Amor Segundo B. Schianberg (2010, 33ª Mostra), Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios (2011, 35ª Mostra) e Pitanga (2016), vencedor do Prêmio da Crítica de Melhor Filme Brasileiro na 40ª Mostra.



Lisandro Alonso

Nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 1975. Estudou por três anos na Universidad del Cine, na capital argentina. Alonso é um dos principais nomes do novo cinema argentino, movimento que emergiu no começo da década de 2000, e seus filmes foram exibidos e premiados nos principais festivais do mundo. Começou a carreira como assistente de som e, depois, de direção. Em 1995, escreveu e dirigiu o roteiro do curta Dos en la Vereda, com Catriel Vildosola. Em 2001, dirigiu, escreveu, produziu e montou o elogiado La Libertad (2001), seu longa de estreia que foi premiado em Roterdã. Dirigiu também os longas-metragens Los Muertos (2004, 28ª Mostra), premiado em Karlovy Vary, Fantasma (2006) e Liverpool (2008, 32ª Mostra), além dos curtas Lechuza (2009) e Sin Título (Carta para Serra) (2011). Jauja (2014, 38ª Mostra), seu trabalho mais recente, venceu o Prêmio da Crítica da seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes.



Maria de Medeiros

Nasceu em Lisboa, Portugal, em 1965. É atriz, roteirista, cantora e diretora. Iniciou a carreira de atriz em 1982 no filme Silvestre (27ª Mostra), de João César Monteiro. Participou de dezenas de produções de Portugal, Espanha, França e dos EUA. Em seu país, trabalhou com os principais cineastas portugueses, como Manoel de Oliveira, em A Divina Comédia (1991, 15ª Mostra). Em 1994, Maria ganhou a Copa Volpi de melhor atriz no Festival de Veneza pelo filme português Três Irmãos (1994, 18ª Mostra), de Teresa Villaverde. Estreou na direção com A Morte do Príncipe (1991, 16ª Mostra). Também dirigiu Capitães de Abril (2000), Prêmio do Júri de Melhor Filme na 24ª Mostra; os documentários Bem Me Quer... Mal Me Quer (2004, 28ª Mostra) e Repare Bem (2012, 36ª Mostra); segmentos dos filmes Bem-Vindo a São Paulo (2004, 28ª Mostra) e Mundo Invisível (2012, 35ª e 36ª Mostras), ambos projetos coletivos da Mostra; e o longa-metragem Entre Dois Desconhecidos (2015, 19ª Mostra). Integrou o Júri da 18ª Mostra, em 1994.



Xénia Maingot 

Estudou línguas e civilizações da Europa Oriental em Toulouse, Paris e Moscou, antes de se voltar para o mercado de gestão cultural e para a indústria cinematográfica. Como produtora, Xénia trabalhou com Michel Reilhac, da Mélange Productions, realizando documentários, curtas e longas-metragens, além de programas de TV. A partir de 2003, foi convidada para ser gerente de produção de vários filmes produzidos pela Slot Machine, como Dogville (2003, 27ª Mostra), de Lars Von Trier, e A Mulher sem Cabeça (2008), de Lucrecia Martel. Fundou a Eaux Vives Productions, em 2008, enquanto trabalhava como freelancer em várias empresas de produção e como produtora de filmagens no exterior. Também é membro da Academia Europeia de Cinema e, desde 2012, faz parte do júri do Prêmio de Construção de Cinema no Cinélatino, em Toulouse. Regularmente, a produtora ministra palestras para estudantes na La Fémis, em Paris.





PATROCINADORES DA 43ª MOSTRA



Apresentam a 43ª MOSTRA o MINISTÉRIO DA CIDADANIA, o GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, por meio da SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA, a PREFEITURA DE SÃO PAULO e o ITAÚ.  Através da LEI DE INCENTIVO À CULTURA e do PROAC, o patrocínio master do ITAÚ; o patrocínio da  SPCINE, daPREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO DE PAULO/SECRETARIA de CULTURA e da SABESP;  o investimento doBRDE,  do FSA e da ANCINE; a parceria do SESC e da CPFL ENERGIA; o apoio do PROJETO PARADISO, da IMPRENSA OFICIAL e do GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO; o copatrocínio da PETRA;  a colaboração do MASP, do AUDITÓRIO IBIRAPUERA OSCAR NIEMEYER, através das SECRETARIAS DE CULTURA e DO VERDE E MEIO AMBIENTE e ITAÚ CULTURAL, da ORQUESTRA JAZZ SINFÔNICA/TV CULTURA, do HOTEL RENAISSANCE, do INSTITUTO CPFL, do CONJUNTO NACIONAL , do CASAL GARCIA e da VELOX TICKETS. Transportadora oficial: AUDI CENTER ALPHAVILLE. Promoção da FOLHA DE S. PAULO, da GLOBO FILMES, do TELECINE, do CANAL ARTE 1, da TV CULTURA, do CANAL CURTA!  e da RÁDIO CBN. Realização ABMIC, SECRETARIA ESPECIAL DA CULTURA, MINISTÉRIO DA CIDADANIA, GOVERNO FEDERAL. “Projeto realizado com o apoio do ProAC”.

Site: www.mostra.org

Facebook: https://www.facebook.com/mostrasp/

Twitter: @mostrasp

Instagram: @mostrasp


Nenhum comentário