27 setembro 2018

[Crítica] PéPequeno

Sinopse:“Uma aventura de animação para todas as idades, com música original e um elenco de estrelas, Pé Pequeno vira a lenda do Pé Grande de cabeça para baixo quando um jovem e genial yeti encontra algo que ele achava que não existia – um humano.
A revelação deste ‘Pé Pequeno’ traz preocupação à comunidade dos yetis sobre o que pode existir além de seu pequeno vilarejo nas neves em uma nova e divertida história sobre amizade, coragem e a alegria da descoberta.”

O que eu achei?
Quando vou assistir a um filme de animação sempre fico pensando: “Será que vai ser divertido ou vai ser muito bobo pra mim?”. Mas, como sou uma criança grande, normalmente acabo rindo pra caramba. E para minha felicidade, “Pé Pequeno” foi muuuuito legal! Não apenas pelas cenas engraçadas, mas pelo conteúdo do filme ser interessante e bem elaborado. O enredo é genial, com demonstração de vários valores importantes para a sociedade (principalmente para se apresentar para uma criança). Gosto de filmes assim! Vou tentar pontuar aqui o que achei de mais criativo na história. Mas para não ficar confuso, uma observação: yeti = abominável homem das neves = pé grande.

Os yetis têm uma explicação muito louca para como eles surgiram e como é o mundo. Mas apesar de louca, é uma explicação que mistura humor com uma mitologia de certa forma possível para yetis que vivem numa espécie de Idade da Pedra. Suas leis são escritas em pedras e não devem ser questionadas! Aí vem o primeiro valor a ser demonstrado pelo filme: o questionamento, a dúvida, a curiosidade, ou seja, o pensamento filosófico e científico (algo que ocorreu conosco, humanos).

O filme conta a história de um vilarejo de yetis (sim, existem vários deles, não só um) que seguem leis inquestionáveis e vivem felizes até que um dia o yeti chamado Migo, personagem principal, encontra um humano (que para eles é conhecido como “pé pequeno”) e resolve contar para todos a novidade. Entretanto, uma das leis diz que o pé pequeno não existe. Assim, Migo acaba sendo banido do vilarejo e encontra um grupo secreto de yetis que estão à procura de provas de que o pé pequeno existe e de que todas as leis estão erradas, não somente uma. A partir daí a aventura começa.

Migo acaba encontrando um humano, chamado Percy, com quem acaba fazendo amizade, apesar de ambos não entenderem a língua um do outro. Outro valor apresentado: a amizade e o respeito às diferenças também.

Mais um fato interessante é que o grande guardião das pedras (algo como um líder do vilarejo) tem um filho que ele ignora (talvez por ser um bobão, o que não justifica) e uma filha que, sem ele saber, é a líder do grupo de yetis que duvida da veracidade das leis das pedras e busca novas verdades através da investigação. Ou seja, o filme mostra a importância de investigar a veracidade das informações e não apenas acreditar cegamente nelas. Além disso, o filme também mostra a importância da família (não contarei como aqui pra não dar spoiler).

Outro valor bem tratado no filme é a integridade. Apesar de Percy ser um repórter que está à beira da falência, e Migo ser sua chance de ganhar uma grande audiência, ele acaba salvando seu novo amigo mesmo tendo a chance de perder seu emprego. Ou seja, não é preciso passar por cima dos outros para subir na vida. O importante é ser íntegro, justo, ético. Sendo assim, um dia o mundo te dá um bom retorno e você será feliz. =)

Trilha sonora: adorei! Músicas divertidas com letras legais e educativas.

Para não dizer que o filme não tem um ponto negativo, aqui vai um: achei que em certas cenas a proporção entre os tamanhos dos yetis e dos humanos ficou um pouco estranha. Às vezes parecia que os yetis não eram tão grandes. E outra: não sei se foi proposital, como uma referência divertida, ou se foi quase um plágio, a ideia de um tipo de bode que vive na neve aparecer de vez em quando em cenas hilárias, muito semelhante ao esquilo dos filmes de “A Era do Gelo”. Mas enfim, não deixa de ser divertido!

Pronto! É isso! Adorei o filme! Quero Oscar! E assistirei de novo com certeza, pelo menos mais uma vez para ver como ficaram as vozes em inglês, pois o elenco é de peso! Channing Tatum, James Corden, Zendaya, Common, Gina Rodriguez, Danny DeVito, entre outros, e até LeBron James! A dublagem brasileira ficou muito boa, que conta com Marcelo Garcia (Relâmpago McQueen e Gavião Arqueiro), como Migo, e a participação do humorista Ceará na voz do filho bobão do guardião das pedras.

Ah! Atenção! Tem cena final! ;)

Data de estreia no Brasil: 27 de setembro de 2018

Trailer:



Por Victor Monteiro

Um comentário

  1. Vi esse filme estreiar no cinema e não tive curiosidade nenhuma em ir ver, mas isso acabou de mudar hahahaha Depois desse post quero ir correndo conhecer os Yetis! Adorei a resenha! Beijos

    Vem me conhecer tambem: Isa Nonemacher | Facebook Pinterest

    ResponderExcluir