Novidades

[News]Pedro Bial, Marcelo Tas e Zezé Motta no júri do FestAlter2020 Cacá Diegues é o presidente de honra, e terá mostra de filmes durante o Festival

Pedro Bial, Marcelo Tas e Zezé Motta no júri do FestAlter2020 
Cacá Diegues é o presidente de honra, e terá mostra de filmes durante o Festival
 
 
                                                      Foto divulgação Cacá Diegues

A 2ª edição do Festival de Cinema de Alter do Chão, que bateu recordes de inscrições e países (2072 filmes e 105 nações),  contará com um júri estelar, para a Mostra Competitiva, composto por Xavier de Oliveira (presidente, cineasta que lançou Stephan Nercessian e Françoise Fourton em "Marcelo Zona Sul"), Pedro Bial, Zezé Motta, Marcelo Tas, Célia Maracajá (cineasta indigenista, atriz, precursora da produção audiovisual indígena no Pará, que acabou de lançar o doc longa "Aikewara - A Ressurreição de um Povo") e Indaiá Freire (Mestra em literatura e cinema. trabalhos na Escuela de Cine y TV de San Antonio des los Banõs,  Cuba, com Sanford Lieberson, ex-produtor da Fox Films).
 
O evento, desta vez exibido virtualmente de 09 a 13/12,  terá como Presidente de Honra o cineasta Cacá Diegues - que ganhará  uma mostra especial com alguns dos seus principais filmes. Um deles, "Bye, Bye Brasil", rodado na Amazônia, está completando 40 anos de sucesso!
 
Segundo o diretor-geral  do FestAlter 2020 Locca Faria (cineasta, fotógrafo, produtor e diretor),  " o evento volta seus olhos  para a Amazônia e sua riqueza cultural, extrapolando as questões ambientais, além de privilegiar artes como o teatro, a música e a dança e  diversos projetos sócio-culturais".
 
Com isso, o festival já ganhou até o apoio da Embaixada da França, Sebrae, e de lideranças indígenas emblemáticas como a de Daniel Munduruku. 
 
Cultura, Arte e Ciência na  Cerimônia de Abertura do Fest Alter 2020
(presença de artistas e cientistas premiados mundialmente,  como Carlos Nobre e Ricardo Galvão)
 
 
Marcada para o próximo dia 9/12, às 21 horas, quando os filmes, iniciando o processo de votação popular já estarão sendo exibidos na plataforma do evento,  a cerimônia de abertura do Festival de Cinema de Alter do Chão 2020 irá contar com algumas das maiores personalidades do mundo cultural, artístico, científico, representantes das diversas etnias indígenas, quilombolas, e  de apoiadores como o Sebrae e a Embaixada da França.
 
Na abertura, depoimentos e lives com cineastas famosos como o Presidente de Honra do FestAlter 2020, Cacá Diegues, e nomes como Xavier de Oliveira (presidente do Júri da Mostra Competitiva) e Célia Maracajá (cineasta e diretora indígena), artistas como  Marcelo D2, Moacyr Luz, Raimundo Fagner,  o diretor de teatro Amir Haddad, a atriz Zezé Motta,  e a compositora e ex-Ministra da Cultura Ana de Hollanda; cientistas reconhecidos mundialmente como Carlos Nobre (do INPE, descobridor do fenômeno intitulado "Rios Voadores", agraciado como o cientista do ano pela comunidade científica mundial e considerado um dos  maiores conhecedores da Amazônia e pesquisas sobre o aquecimento global), Gustavo Martinelli (cientista/botânico, titular Instituto de Pesquisas Jardim Botânico RJ) e Ricardo Galvão (ex-presidente do INPE, ano passado eleito como o cientista do ano pela revista Nature); personalidades internacionais como Romann Datus (responsável pela cultura do governo da França) e nacionais como Emmanuel Tourinho, reitor da UFPA e Rubens Magno, diretor do Sebrae; lideranças indígenas  como Daniel Munduruku, Edson Kaiapó e dos quilombolas, como Daniel de Souza (líder do Quilombo Jauary, o mais antigo da Amazônia e do Brasil).
 
Com temas sobre a Amazônia, sustentabilidade e meio-ambiente, além, é claro, do assunto em voga, o audiovisual, a abertura também contará com a presença da viúva de Aldir BlancMari de Sá  Freire, que deverá agradecer a homenagem que o Festival, através de vídeos e depoimentos de inúmeros artistas,  irá render ao grande poeta,compositor e escritor brasileiro que nos deixou recentemente.
 

 

                     Fotos divulgação Aldir Blanc

 MOSTRA COMPETITIVA DO FESTIVAL DE CINEMA DE ALTER DO CHÃO 2020 - ( filmes selecionados na lista oficial  anexada)

(filmes de temáticas indígena, ambiental, amazônica, de cineastas  como Ciavatta e Tendler, e países como Irã, Filipinas, México, Cuba e Bósnia)

Foram selecionados em todas as categorias 121 filmes do Brasil e de países de todos os continentes. Destes, 80% são inéditos  demonstrando  que a produção cinematográfica é fértil e alinhada, no seu âmago, ao tema do festival : “Um olhar para a Amazônia, os povos do mundo, a valorização do cinema, das artes, o reconhecimento dos direitos globais e da natureza”. Dos selecionados, 51 filmes são de temáticas indígena, ambiental e amazônica.

Segundo o diretor-geral  do FESTALTER 2020 Locca Faria (cineasta, fotógrafo, produtor e diretor) , - “Teremos na Mostra Competitiva 42 horas de filmes da mais alta qualidade, ricos em conteúdos, com temáticas e olhares variados, trazendo informações diversas, fazendo de Alter do Chão e da Amazônia o palco do cinema brasileiro e mundial”.

coordenação da curadoria foi realizada pelo diretor e cineasta Anselmo Duarte Jr. , que trabalhou incansávelmente com uma equipe de curadores da mais alta qualidade formada por cineastas, jornalistas, profissionais do cinema, do audiovisual, produtores, diretores, roteiristas de várias regiões do Brasil, da Amazônia e do exterior, que analisaram os 2072 filmes de 105 países inscritos,  seleção que trouxe uma enorme dificuldade de escolha pela qualidade excelente dos filmes.

Troféu Muiraquitã

O júri do festival formado por grandes nomes como Pedro Bial, Célia Maracajá, Zezé Motta, Indaiá Freire, Marcelo Tas e Xavier de Oliveira (presidente) terá a árdua tarefa de dar aos vencedores, em suas categorias, o troféu Muiraquitã criado pelo artista artesão Rony Borari de Alter do Chão.

 Alguns filmes selecionados são de diretores conhecidos, outros de diretores novos, tanto do Brasil quanto do exterior como: “Amazônia - Sociedade Anônima” de Estêvão Ciavatta (Brasil), “Fio da Meada” de Silvio Tendler (Brasil), “Dança da Vida” de PeymanZandi (Irã), Doce Sabor do Pão Salgado e Cuecas” de Che Espiritu (Filipinas), Mestre Cupijó e seu Ritmo” de Jorane Castro (Brasil), “Maquis” de Rubén Bure (Espanha).

MOSTRA PARALELA tem 202 filmes selecionados

A "Mostra Paralela" terá 202 filmes divididos em vários temas: “Feito por Mulheres, "Presença" (sobre representação de grupos minoritários), "Cinema ambiental e indígena", "Ficções  pelo mundo", "Registros e Memórias", "Experimental" e "Infantil e Animação".

HOMENAGEM A ALDIR BLANC
 
  A 2ª edição do Festival de Cinema de Alter do Chão, além do convite a Cacá Diegues para a "Presidência  de Honra" do festival, traz uma  outra  merecida e  emblemática homenagem: ao compositor, poeta, cronista e escritor  Aldir Blanc (cujo nome agora  titula a  lei para auxílio emergencial aos profissionais da área cultural). Admiradores de sua magnífica obra, artistas famosos  estão gravando depoimentos e trechos de suas canções  para serem inseridos durante a homenagem que será veiculada no FestAlter ao poeta que foi um ferrenho defensor da democracia e compôs, com João Bosco, entre outras pérolas, o  "hino da anistia" ("O bêbado e a equilibrista" ). 
 
  O Festival de Alter, multicultural e privilegiando outras artes além do Cinema,  vai apresentar videoclipes musicais  gravados exclusivamente para o Festival e revelações da vida do poeta com depoimentos da  companheira Mari Sá Freire, suas filhas, amigos e parceiros. Dentre as gravações  já registradas para veiculação durante o evento, artistas como  João Bosco, Guinga,  Jorge Vercillo, Eudes Fraga, Marcelo D2, Cláudio Nucci, Ana de Hollanda (compositora e ex-Ministra da Cultura), Fafá de Belém, Mirabô Dantas, Paulo César Pinheiro, José Roberto Aguilar,  Moacyr Luz, Antonio Adolfo, Carol Saboya, Wagner Tiso,  Cristóvão Bastos, Flávio Marinho,  Dori Caymmi, Fagner, Zé Renato, Didu Nogueira, Sebastião Tapajós, Sonia Clara, Cláudio Jorge, Chico Malta, Anna Paes, José Milton, Marcelle Almeida, Maria Lídia, Thiago de Mello Mello, Joãozinho Gomes, Joyce, Nilson Chaves, Monique Aragão, Orquestra de  Cordas de Manaus, Paulo César Feital, Roberto Menescal, Mello Menezes. Zezé Motta.

PR/EULALIA

Nenhum comentário