Novidades

[News]Warner Classics lança "The Complete String Quartets", obra completa de Beethoven para quartetos de cordas.

WARNER CLASSICS LANÇA “THE COMPLETE STRING QUARTETS”, OBRA COMPLETA DE BEETHOVEN PARA QUARTETOS DE CORDAS

 
Gravado pelo Quatuor Ébene, ao redor do mundo entre 2019 e 2020, álbum digital já está disponível em todas as plataformas digitais


Ouça agora à obra completa de Beethoven para Quartetos de Cordas, “The Complete String Quartets”, já disponível em todas as plataformas digitais. As gravações foram feitas durante a turnê mundial do Quatuor Ébène, entre 2019 e 2020 – antes do período de pandemia –, celebrando os 250 anos do compositor por quatro continentes durante a turnê “Beethoven Around the World”.


Os 16 quartetos de cordas de Beethoven ocupam um lugar de honra no repertório de câmara e, como as nove sinfonias e 32 sonatas para piano, traçam uma progressão por meio da vida criativa do compositor. 2020 marca o 250º aniversário do nascimento do maestro, e Quatuor Ébène celebra esse fato com a extensa turnê.

A tour do grupo francês, prevista para acontecer até dezembro de 2020,  foi interrompida pela pandemia da Covid-19. Seriam mais de 120 concertos no total de 21 países em seis continentes, com foco nos ciclos completos dos quartetos. As gravações ao vivo reunidas neste álbum, no entanto, foram realizadas em tempo, em sete das maiores cidades do mundo: Viena (no Konzerthaus); Filadélfia (Kimmel Center); Tóquio (Suntory Hall); São Paulo (Sala São Paulo); Melbourne (Centro de Recitais de Melbourne); Nairobi e, com o apoio da UNESCO, Paris (Philharmonie de Paris).


Os Quartetos de Cordas n. 6 Op. 18 e n. 12 Op. 127 foram gravados durante o concerto que o grupo apresentou na Sala São Paulo, em setembro de 2019. Sobre a turnê os membros do Quatuor Ébène dizem: “é aqui que Beethoven se torna global. Os quartetos são 16 obras-primas que formam um cânone artístico eternamente moderno, de amplitude e profundidade incomparáveis - eles traduzem a humanidade mais pura em música. Eles representam uma odisséia, uma viagem ao redor do mundo”. Os músicos acreditam que a obra do compositor "transcende todas as fronteiras linguísticas, geográficas e políticas. Tanto modernas quanto atemporais, é universal. Não pode ser facilmente classificada como clássica ou romântica, como alemã ou até ocidental, mas é a música que se expressa livremente e que se dirige ao público do futuro em vez de ao seu próprio tempo. Pode parecer complexo a princípio, mas tudo se torna claro à medida que sua essência emerge”.

O grupo também enfatiza que: “o quarteto como gênero oferece aos músicos a chance de brilhar, embora simultaneamente baseado em colaboração e concordância: mostra a democracia em ação. Seu poder emocional e intelectual é considerável, mas também é universalmente acessível, pois incorpora ideais subjacentes - iluminação, fraternidade e humanismo, como exemplificado por Goethe e Schiller em seu Ode to Joy [a inspiração para o movimento final da 9ª Sinfonia de Beethoven]. Ao mesmo tempo, é influenciado pelas idéias de Kant sobre moralidade, boa vontade e o imperativo categórico, ideias que ganharam notoriedade no tempo de Beethoven. Também reflete a visão do filósofo alemão de nossa relação com o mundo natural, que tem tanta ressonância para as questões ambientais de hoje”.

Quatuor Ébène

Pierre Colombet, Violino I
Gabriel Le Magadure, Violino II
Marie Chilemme, Viola
Raphaël Merlin, Cello


Nenhum comentário