Novidades

[News] Luizinho Lopes celebra 40 anos de carreira com lançamento do álbum ao vivo "DOSSIÊ40"



Para comemorar seus 40 anos de música, o cantor e compositor Luizinho Lopes lança nesta terça-feira, 12 de maio, o álbum DOSSIÊ40”, que sintetiza sua carreira musical. As canções do repertório atestam o compromisso com a qualidade e a inventividade, que marcam a trajetória do artista nessas quatro décadas
Gravado na Sociedade Filarmônica de Juiz de Fora, o disco tem direção musical do maestro Ricardo Itaborahy e mistura canções de álbuns anteriores a outras inéditas. Em tempo de distanciamento social, é uma boa maneira de revisitar o show e também aliviar as angústias do momento como só a arte, em especial a música, tem conseguido fazer. 
“Estou bem feliz porque acredito que DOSSIÊ40 é um trabalho maduro e muito bem costurado. Estou com um pressentimento bem forte que ele terá uma ótima aceitação, e que minha carreira tem tudo pra se expandir bastante a partir deste álbum”, vibra Luizinho.
Três canções do novo álbum são frutos de parcerias: A Sola Do Palato, com o maestro paulistano Roberto Lazzarini e o poeta Iacyr Anderson FreitasNo Retrato, mais uma em parceria com Iacyr; e Em Mim”, com letra do premiado romancista Luiz Ruffatoúnico brasileiro a faturar o prêmio Herman Hesse, em 2016, na Alemanha.
O show traz algumas músicas inéditas ou nunca gravadas, como “Charada”, guardada há quase 20 anos, sobre o medo em uma nova relação amorosa. “Há sempre uma charada a ser decifrada”, aponta Luizinho. Há ainda “Que Loucura”, finalista em 1992 do Festival Nacional do Carrefour, em Uberlândia (MG) e que recebeu novos arranjos para o show “Dossiê40” com Luizinho e a intérprete original Andrea Monfardini.
Outra pérola de sua carreira nunca registrada é “Vice-Versa”, apresentada em 1982 no programa Som Brasil, da TV Globo, com Rolando Boldrin, que tematiza o diálogo entre opressor (na voz de um cantor) e o oprimido (representado por uma mulher, uma cantora), num Brasil que vivia ainda sob o aparato da ditadura militar. É um dos destaques do álbum “DOSSIÊ40”.
Compõe também o repertório a música Falas Perdidas”, título de seu álbum anterior. A letra é um trocadilho com a expressão “bala perdida” e, metaforicamente, refere-se ao fato de que, nesses tempos de intolerância, a palavra, que sempre teve um grande poder, torna-se aniquiladora da verdade e dos afetos.
Participam do disco gravado ao vivo os músicos Bré Rosário (percussão), Daniel Drummond (Violão de aço), Dudu Lima (Contrabaixo acústico), Leandro Scio (bateria), Ricardo Itaborahy (Piano, acordeom e voz) e Eusebio Monfardini, Participação especial ao piano em “Vice-versa” e “Coração Kamikaze”. “Ele foi meu primeiro arranjador depois que parti para carreira solo em 1983. Conhece muito o meu trabalho, escreveu muitos arranjos para mim, arranjos para orquestra inclusive”, destaca.
As cantoras Andréa Monfardini e Elisa Bara Zaghetto dividem parte do show com Luizinho, completando as vozes do palco. «Andréa vem participando de vários projetos meus desde a época do Grupo Vértice, em torno de 1980. Ela tem uma voz singular». Já Elisa vem se destacando no cenário artístico de Juiz de Fora, seja como cantora ou atriz (teatro e cinema). Possui uma voz de um timbre doce sem ser melado...é muito versátil e afinadíssima », diz o artista, também padrinho da jovem.
Compositor de grande intimidade com a poesia, as palavras e a natureza, Luizinho tem um vasto conhecimento nas artes. Pós graduado em Cinema Documentário (FGV/RJ), ele está sempre compondo e suas músicas possuem melodias imagéticas que envolvem e aguçam todos os sentidos de quem ouve.
As influências de Luizinho são tão ricas e fortes, que descrevemos aqui:
Na música: Chico Buarque, Gilberto Gil, Elomar Figueira de Melo, Tom Jobim, Egberto Gismonti, Keith Jarrett, Toninho Ferragutti, Milton Nascimento, Tavinho Moura, Aldir Blanc, Ronaldo Bastos, Chico César, The Beatles, Pink Floyd, Astor Piazzolla, Paco de Lucía, Naná Vasconcelos, Jan Garbarek, Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Vítor Ramil.
Na literatura: Gabriel García Márquez, Jorge Luiz Borges, Kafka, Mário Magalhães, João Guimarães Rosa, João Cabral de Melo Neto, Dennis Lehane, Dostoievski, Luiz Ruffato, Iacyr Anderson Freitas, Machado de Assis e muitos outros.
No cinema: Ingmar Bergman, Luis Buñuel, Fellini, Almodóvar, Tarantino, Copolla, Martin Scorsese, Win Wenders, Werner Herzog, Christopher Nolan, entre outros.
Agora é abrir a primeira página – ou assistir à primeira cena – dessa história musical. 

“DOSSIÊ40” - LUIZINHO LOPES
Disponível em todas plataformas digitais
Ouça aqui : https://bit.ly/Dossie40
 
YouTube Luizinho Lopes: https://www.youtube.com/user/Luitilopes

DISCOGRAFIA LUIZINHO LOPES:
Nem Tudo Que Nasce É Novo (1990) - Primeiro álbum e o mais experimental da carreira de Luizinho Lopes, “Nem tudo que nasce é novo” foi gravado juntamente com o músico Edson Zaghetto, no estúdio In Sonoris, em São Paulo, com direção musical do maestro Roberto Lazzarini. O título é uma provocação ao momento político da gravação, pós-eleição de Fernando Collor de Mello à Presidência da República. Com capa do artista plástico Jorge Arbach, o disco recebeu elogios da crítica especializada e Luizinho foi classificado pela imprensa carioca como um “novo oxigênio na atmosfera da MPB”.
Sertão Das Miragens (Luizinho Lopes e Marcela Lobbo) (2002) - A música-título foi composta em parceria com Edson Zaghetto, que assina a melodia. O CD é uma homenagem Luizinho Lopes ao pai, que falecera em janeiro de 1998, três meses antes de o disco começar a ser gravado. O álbum já estava mixado e pronto para a masterização quando Luizinho decidiu deixá-lo adormecido. Só em 2001 a miragem tornou-se completa, com o convite para que a cantora Marcela Lobbo regravasse algumas canções. Tem um toque de pop e rock’n’roll trazido por um dos arranjadores, Fernando Barreto, do estúdio Caraíva Music, onde foi gravado.
Noiteceu (2008) - “Um é a noite começando a virar noite, enquanto o outro é a alta madrugada”. É assim que Luizinho Lopes define, instintivamente, a abertura e o fechamento de seu terceiro disco, com a canções “Anoiteceu” e “Noiteceu”, em que o percussionista Bré Rosário simula os ruídos noturnos. O álbum é profundamente influenciado pela amizade entre o artista e a cantora Luhli, da dupla Luhli e Lucina. No repertório está “Ladrão d’almas”, melodia de Luizinho e letra de Luli em homenagem ao marido dela, o fotógrafo Luiz Fernando Borges. O disco, que conta ainda com a participação especial de Júlia Borges, filha da cantora, foi gravado parte em Juiz de Fora e parte em São Paulo, sob a direção musical de Roberto Lazzarini. Álbum com as letras mas poéticas de sua carreira, traz ainda a canção “Lume”, interpretada por Renato Braz, que conquistou o segundo lugar no Festival de Música Latino-americana de Santa Rosa, no Rio Grande do Sul, o Musicanto.
Luizinho Lopes Ao Vivo (2014) - Primeiro DVD da carreira de Luizinho Lopes, foi gravado ao vivo, em 2012, durante show no Teatro Pró-Música, com os músicos Dudu Lima (baixo), Daniel Drummond (guitarra), Bré Rosário (percussão) e o próprio Luizinho no violão e na voz. A mixagem é de Ricardo Itaborahy e o trabalho fez parte do projeto Terças Musicais do Pró-Música. O disco rendeu uma turnê de Luizinho Lopes,  em 2015, acompanhado de Bré Rosário, pelas cidades de Amarante, Porto e Lisboa, em Portugal, e Santiago de Compostela, na Espanha. Em 2016, também tocou com Bré e Daniel Drummond no 2° Festival Internacional de Poesia de Lima (Flip Lima), no Peru, com show no Teatro Los Incas e na embaixada do Brasil. Outro caminho aberto pelo disco foi o clipe “Olhos do oriente”, gravado na região de Ibitipoca (MG) sob direção de Mauro Pianta e estrelado pelo ator e diretor Pedro Gui. O clipe está entre os extras do DVD.
Falas Perdidas (2016) - Com direção musical do Ricardo Itaborahy, o disco tem participação do maestro Roberto Lazzarini, do acordeonista Toninho Ferragutti e do quarteto de cordas Bessler, do Rio de Janeiro. Álbum que lhe desperta bastante emoção, Luizinho tem projeto de transformá-lo em show ao vivo para ser lançado em DVD.
No Retrato — clipe (2018) - Com o relançamento do álbum “Luizinho Lopes ao vivo”, a faixa “No retrato”, parceria do compositor com o poeta Iacyr Anderson de Freitas e também presente em “Noiteceu” (neste com arranho e regência do maestro André Pires), foi transformada em clipe, com atuação do elenco do Centro de Estudos Teatrais — Grupo Divulgação.
Pé De Letras (2019) - Gravado ao vivo, é o primeiro disco de Luizinho Lopes totalmente digital e lançado nas plataformas virtuais e no YouTube. Minimalista, conta apenas com as vozes de Luizinho, ao violão, e Ricardo Itaborahy, ao piano. As letras metalinguísticas falam da própria criação poética. O álbum foi enviado ao Grammy Latino.
Dossiê40 (2020) - Síntese da carreira musical do cantor, as canções do repertório atestam seu compromisso com a qualidade e a inventividade nestes 40 anos de carreira. Gravado em dezembro de 2018 na Sociedade Filarmônica de Juiz de Fora, tem direção musical do maestro Ricardo Itaborahy, e mistura canções de discos anteriores outras inéditas.


Nenhum comentário