04 outubro 2018

[Programação] Shows de 4 a 11 de outubro

     Confira a programação de shows da semana no RJ:

                     KM de Vantagens Hall:

Arlindo Cruz, dia 6 de outubro, sábado,às 22h. De 48 a 140 reais.

Arlindo Cruz, um dos maiores cantores do Brasil, vai ganhar uma homenagem especial no palco do Km de Vantagens Hall RJ no próximo dia 6 de outubro. A turnê “60 anos de vida, 40 anos de samba”, que estreou na capital paulista, chega ao Rio de Janeiro reunindo grandes nomes da música brasileira, entre eles Maria Rita, Thiago Martins, grupo Bom Gosto, GRES Império Serrano, entre outros que ainda serão divulgados e um convidado surpresa que será revelado apenas no dia do show, em uma verdadeira festa. Eles vão interpretar os grandes sucessos da carreira de Arlindo em uma noite inesquecível.
A venda para o público geral para o show do Rio de Janeiro já está disponível desde o dia 4 de setembro. Os ingressos poderão ser adquiridos pela internet (www.ticketsforfun.com.br), nos pontos de venda espalhados pelo Brasil e na bilheteria oficial do Km de Vantagens RJ. O show é realizado pela TIME FOR FUN.
Na casa da Família Cruz, o dia 14 de setembro nunca passa em branco. É nesta data que o mestre Arlindo Cruz faz aniversário, que é religiosamente celebrado na companhia de amigos e familiares. Neste ano, alguns amigos foram convidados para fazer uma comemoração especial para os 60 anos do artista. Daí surgiu, com início em São Paulo, um show como uma festa especial. E essa homenagem, além de ser também um presente aos fãs e amigos do artista, deu origem à turnê “60 Anos de Vida, 40 Anos de Samba”, que passa pelo Rio no dia 6 de outubro.
“A nossa proposta com a turnê é de homenagear o nosso guerreiro cercado de amigos e público. Há uma grande expectativa em torno da recuperação do meu pai e essa foi a forma de demonstrarmos a nossa gratidão por essa vibração positiva, amor e todas as formas de orações que temos recebido ao longo do último ano e meio”, explica o cantor e compositor Arlindinho, filho de Arlindo Cruz, que é o mestre de cerimônias da turnê.
Arlindo Cruz, além de compositor e cantor, também é craque nas cordas dedilhadas, sobretudo banjo e cavaquinho. São mais de 750 músicas gravadas por diversos artistas, e ainda é considerado o responsável por introduzir o banjo no samba.
O músico já ganhou o Prêmio Contigo! MPB FM, na categoria Melhor Álbum de Samba, em 2012, com o disco Batuques e Romances, e também o Prêmio da Música Brasileira, na categoria Melhor Cantor de Samba, em 2015. Em toda a sua trajetória até hoje, tanto no grupo Fundo de Quintal, quanto em carreira solo, Arlindo coleciona mais de 22 álbuns e já esteve ao lado de artistas como Jorge Aragão, Alcione, Zeca Pagodinho, Dudu Nobre, Marcelo D2, Maria Rita, entre outros.

“Um dos maiores desafios dessa série de shows foi a elaboração do repertório, combinando as músicas com os tons de vozes dos artistas convidados”, ressalta Arlindinho. Sucessos como “O Show tem que Continuar”, “O Meu Lugar”, “Não Valeu” e “O Bem”, entre muitos outros, fazem parte desta festa especial.

                     Jeunesse Arena:
Tribalistas, dia 6 de outubro, sábado,às 20h. De 40 a 200 reais.

Os cariocas vão sentir em outubro a batucada suave dos Tribalistas se aproximar mais uma vez da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O trio anunciou show extra na cidade para 6 de outubro, na Jeunesse Arena, espaço fechado que vai valorizar a projeção dos vídeos orquestrada pelo editor de arte Batman Zavareze no espetáculo apresentado por Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte sob a direção de Leonardo Neto. Os ingressos para o show extra estarão disponíveis para venda a partir das 11h de quinta-feira, 23 de agosto. 

Com a data extra, a turnê nacional – antes prevista para ser encerrada em 7 de setembro, com apresentação do show em Belo Horizonte (MG) – estende a passagem pelo Brasil por mais um mês, seguindo na sequência para o exterior. Quando sua música tomou o Brasil e o mundo de assalto, em 2002, os Tribalistas apregoavam, na faixa de encerramento do bem-sucedido CD/DVD, que “o tribalismo é um anti-movimento / que vai se desintegrar no próximo momento”. 

Ao longo dos 15 anos seguintes, porém, o que se viu foi justamente o oposto. A parceria entre Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte não apenas se solidificou como deu origem, no ano passado, a um novo álbum, no qual eles reafirmam em canção o laço afetivo-musical que os une: “somos muitos, quando juntos / somos um só”. E para celebrar o prazer dessa união o trio agora anuncia a sua aguardada primeira turnê. 

Ao longo de 40 dias, entre o fim de julho e o início de setembro, os Tribalistas percorrerão nove capitais do país, apresentando-se em grandes espaços. A produção do evento criou um canal de comunicação via e-mail (tourtribalistas@kappamakki.com.br) através do qual o público poderá tirar suas dúvidas em relação à turnê e às apresentações. 

Lançado em 2002, o primeiro CD/DVD dos Tribalistas alcançou a marca de mais de três milhões de cópias e logo se tornou um fenômeno não apenas no Brasil mas também em vários países do mundo – notadamente na França, Itália, Espanha, Portugal e Argentina. Atentos às transformações tecnológicas ocorridas ao longo dos últimos anos, duas semanas antes do lançamento oficial do último álbum dos Tribalistas, em agosto do ano passado, Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown surpreenderam o público com uma apresentação online, na qual adiantaram quatro canções inéditas. 

A transmissão simultânea ao vivo aconteceu na fan page dos três artistas e foi acompanhada por 5,62 milhões de seguidores em 52 países, incluindo Brasil, toda a América Latina, Estados Unidos, França, Espanha, Japão, Rússia e até Paquistão. O sucesso foi imediato. Segundo dados do Spotify, o lançamento dos quatro singles teve a melhor performance dentro da categoria MPB desde que a plataforma chegou ao Brasil, em 2014. Todos entraram no Top 100 Spotify e houve um aumento de 65% de ouvintes mensais do grupo. Contabilizando apenas a faixa etária de 23 a 27 anos, o crescimento foi de 73%. 

A turnê terá direção geral de Leonardo Netto e Tribalistas, direção de arte de Batman Zavareze e direção de produção de Simon Fuller.

                           Teatro Bradesco
Dias 5 às 21h, 6 às 17h e 21h e 7 de outubro às 18h: O frenético Dancin´Days, de 75 a 160 reais.


Asas abertas, feras soltas, o Rio de Janeiro era uma festa. E não havia lugar mais adequado para celebrar do que o Frenetic Dancing´Days Discotheque, boate idealizada pelos amigos Nelson Motta, Scarlet Moon, Leonardo Netto, Dom Pepe e Djalma. E por que não resgatar esse tempo quando o carioca era feliz e sabia? Os dias de alegria estão de volta!
Ao lado de Patrícia Andrade, o próprio Nelson Motta assina a história de ‘O Frenético Dancin' Days’. O musical marca a estreia da coreógrafa e bailarina Deborah Colker na direção de um espetáculo teatral, com realização das Irmãs Motta e Opus e direção de produção de Joana Motta.
O musical será uma superprodução, com 17 atores e sete bailarinos, escolhidos através de audições, à exceção de Stella Miranda, uma das mais importantes atrizes de musicais do país, que foi convidada especialmente para o projeto. Além de Stella, que interpreta Dona Dayse, o elenco é formado por: Ariane Souza (Madalena), Bruno Fraga (Nelson Motta), Cadu Fávero (Djalma), Franco Kuster (Léo Netto), Gabriel Manita (Inácio/Catarino), Karine Barros (coro/stand in feminino), Larissa Venturini (Scarlet), Natasha Jascalevich (Bárbara), Thadeu Matos (Tony Manero), além das Frenéticas: Carol Rangel (Edyr de Castro), Ester Freitas (Dhu Moraes), Ingrid Gaigher (Lidoca), Julia Gorman (Regina Chaves), Larissa Carneiro (Leiloca) e Ludmila Brandão (Sandra Pêra).
Deborah Colker (que acaba de ser premiada na Rússia com o Prix Benois de la Danse, considerado o Oscar da Dança) assina também as coreografias e terá ao seu lado uma ficha técnica de peso: Gringo Cardia (cenários), Maneco Quinderé (designer de luz) e Alexandre Elias (direção musical). Passarão pelo palco os principais personagens que marcaram não apenas a história da boate, mas da cultura nacional.
A noite carioca fervia nos anos 70, quando a casa foi criada para inaugurar também o Shopping da Gávea. A cena disco estava explodindo em Nova York, mas ainda não tinha acontecido no Brasil. O Dancin´Days foi inaugurado em 05 de agosto de 1976 e marcou a chegada da discoteca no país. Lady Zu, Banda Black in Rio, Tim Maia, a pista da boate fervia. Na casa, se apresentaram nomes como Rita Lee (ainda com o Tutti-Frutti), Raul Seixas, Gilberto Gil.
Entretanto, nada causou tanta sensação quanto o surgimento das Frenéticas. Contratadas inicialmente como garçonetes, elas também faziam uma breve apresentação durante a madrugada. O sucesso foi imediato: Leiloca, Sandra Pera, Lidoca, Edyr, Dhu Moraes e Regina Chaves logo abandonaram as bandejas e assumiram os holofotes. Elas foram o primeiro grupo contratado da multinacional Warner, que estava aportando no Brasil. O país inteiro cantou ‘Dancin´Days’, ‘Perigosa’, ‘O Preto que satisfaz’ (abertura da novela ‘Feijão Maravilha’, da TV Globo), entre tantas outras.
A boate funcionou por apenas quatro meses, pois o contrato era limitado ao período que antecedia a abertura do Teatro dos Quatro. Ela celebrava um Rio e um país que conseguiam ser livres, apesar da ditadura militar. A casa reunia famosos e anônimos, hippies e comunistas, todas as tribos com o único objetivo de celebrar a vida. O sucesso foi tamanho que a casa foi reaberta no Morro da Urca e inspirou a novela ‘Dancin´ Days’, de Gilberto Braga, que tinha a música homônima das Frenéticas como tema de abertura. O país inteirou caiu na gandaia e entrou na festa.
E é justamente esta festa que estará de volta a partir de agosto. O espetáculo relembrará grandes clássicos da discoteca como ‘I love the nightlife’, ‘You make me feel might real’, ‘We are Family’, ‘Y.M.C.A’, ‘Stayin´alive’, além de clássicos das Frenéticas e grandes sucessos nacionais da época, como ‘Marrom Glacê’ e ‘A noite vai chegar’, entre outros. O Rio de Janeiro voltará a sorrir!

Dia 9, Joias do Ballet Russo às 20h, de 120 a 290 reais.

O espetáculo Joias do Ballet Russo está de volta ao Brasil após bem-sucedida temporada no ano passado. Com principais solistas internacionais no palco, duas principais escolas russas e diferentes formas de interpretar o balé, a escola de São Petersburgo e a escola de Moscou, em apresentações únicas em Porto Alegre (08 de outubro, no Teatro do Bourbon Country), Rio de Janeiro (09 de outubro, no Teatro Bradesco Rio) e São Paulo (10 de outubro, no Teatro Bradesco).

Vigor técnico aliado à graça e a beleza do espetáculo Joias do Ballet Russo, uma grande noite de gala, com grandes nomes da dança clássica. O show reúne os melhores bailarinos dos principais teatros do velho mundo em um repertório majestoso composto por trechos das obras Lago dos Cisnes, Corsário, Bela Adormecida, entre outras obras de grande sucesso. Oksana Kordiyaka assina a Direção Geral e Coreografia do espetáculo, além de Olha Holayko na Direção Artística.
A partir de obras amadas, passando pela narrativa única, o espetáculo é destinado aos amantes do balé e também é uma oportunidade para novos públicos desfrutarem de elenco e montagem de excelência. O elenco é composto por solistas consagrados, estrelas internacionais, medalhistas em competições internacionais, aplaudidos nos principais teatros pelo mundo.

Nenhum comentário

Postar um comentário