Novidades

[Divulgação] Muhammad Ali: a incrível trajetória do homem que abalou o mundo

 





“Eu sou a América”, declarará Clay com orgulho. “Eu sou a parte que vocês não reconhecem. Mas se acostumem comigo — negro, confiante, arrogante; meu nome, não o seu; minha religião, não a sua; meus objetivos, os meus próprios. Se acostumem comigo.”

De um pai, pintor de placas, que protestava contra a discriminação racial, e uma mãe, dona de casa, que nunca perdeu um culto dominical na Igreja de Monte Sião, nasce Cassius Marcellus Clay, o boxeador que, anos mais tarde, adotaria o nome de Muhammad Ali, em lealdade com a Nação do Islã. Considerado um dos homens mais amados e desprezados da América, um dos maiores pugilistas pesos-pesados de todos os tempos – combinando velocidade, potência e resistência –, guerreiro do orgulho racial, comediante, pastor, poeta e ator, ele foi um símbolo de liberdade e bravura, mas também um guerreiro capaz de derrotar qualquer oponente até ser finalmente nocauteado por sua própria recusa em se retirar do ringue. Em Muhammad Ali: Uma vida (Ed. Record), o best-seller Jonathan Eig revela a origem, a ascensão, e a queda daquele considerado o maior esportista do século XX pela revista Sports Illustrated.


Muhammad Ali: Uma vida

Jonathan Eig

Tradutor: Maria Lúcia de Oliveira

770 pág. | R$142,90

Record  | Grupo Editorial Record

Siga nossas redes sociais:

www.blogdaeditorarecord.com.br


Foi em outubro de 1954 que a vida de Muhammad Ali, então com 12 anos, começou a mudar. Enquanto pedalava de bicicleta com seu irmão Rudy e um amigo, uma intensa chuva forçou os adolescentes a buscarem abrigo em um auditório no centro de Louisville. Quando saíram do local, descobriram que a bicicleta havia sido roubada, então se dirigiram ao porão para relatar o episódio a um policial. Lá encontraram Joe Elsby Martin, que estava de folga, e atuava como treinador de boxe de um grupo de pugilistas amadores. Já na sua segunda visita ao auditório, Ali subiu ao ringue e foi esmurrado – no que provavelmente foram os primeiros golpes dos cerca de 200 mil colecionados em sua carreira. Para o jovem, o ginásio abriu um mundo e atendeu a uma necessidade.

Mas a luta de Ali não era apenas nos ringues. Bisneto de escravo e neto de um homem que, antes de ser preso por assassinato, tinha tudo para se tornar um jogador de beisebol profissional – se os grandes times não proibissem jogadores negros –, ele percebeu que teria que conviver com os efeitos da escravidão. Apesar do “racismo polido” que exibia Louisville, onde morava a família Clay, os efeitos da desigualdade eram muitos – e perduram em muitas localidades até hoje. Em 1949, a renda média anual de trabalhadores negros na cidade era de 1.251 dólares, enquanto dos brancos era quase o dobro, somando 2.202 dólares. Além disso, as condições de trabalho da população negra eram mais sujas e perigosas, apesar dos salários inferiores. O acesso ao parque mais popular de Louisville, Fontaine Ferry Park, também só era permitido para brancos. “Ficávamos olhando pela cerca”, contou Rudy Clay, “mas não podíamos entrar”.

Muhammad Ali: Uma vida é o resultado de uma extensa e inédita pesquisa, com acesso a mais de quinhentas entrevistas e milhares de páginas de documentos e gravações do FBI e do Departamento de Estado americano da década de 1960. Nessa biografia excepcional, escrita por Jonathan Eig, vemos o retrato de uma das personalidades mais ilustres da segunda metade do século XX: das lutas mais famosas da história do boxe aos detalhes mais íntimos da trajetória pessoal de Ali, sua atuação política, a desastrosa vida financeira, sua fé e os momentos em que sua saúde começou a se deteriorar.

SOBRE O AUTOR

Jonathan Eig é autor best-seller de quatro livros, incluindo os renomados Luckiest Man e Opening Day. Escreveu para veículos como New York Times, New Yorker e Washington Post, e colabora com o Wall Street Journal. Muhammad Ali foi considerado o melhor livro do ano pela revista Sports Illustrated, e um dos melhores livros do ano pelos jornais Wall Street Journal e New York Times.




Nenhum comentário