22 outubro 2018

[Resenha] 99 dias

Sinopse:
Será que um erro pode definir quem você é? Molly Barlow traiu seu namorado. Com o irmão dele. E a mãe dela fez o favor de escrever um livro contando a sua história, que deveria ser um segredo entre elas. Um livro que se tornou um bestseller, e que virou a vida de Molly de cabeça para baixo. Para fugir da espiral de ódio e fofoca que suscitou em Star Lake, a garota decide viver um ano fora, num internato. Mas quando volta à cidade no verão, para passar os 99 dias que faltam até entrar para a faculdade, ela tem que acertar as contas com aqueles que lhe fizeram mal e tentar resgatar os laços com quem era especial para ela. Autora do bestseller Duas vezes amor, também publicado pela Rocco Jovens Leitores, Katie Cotugno conta a história de Molly Barlow em 99 capítulos – ou dias – de leitura vertiginosa, em que aborda temas como amor, traição, culpa e perdão.

      O que eu achei?
Quando li a sinopse de 99 dias pela primeira vez, achei que fosse um dramalhão só. Afinal, que tipo de situação maluca é essa, em que uma menina tem a vida amorosa exposta pela própria mãe e vira um best-seller? Trair já é uma coisa ruim, ainda mais com o próprio irmão da pessoa! Mas eu acredito que todos mereçam uma segunda chance então resolvi ler.

Molly é um bom exemplo para nos lembrar o quão cruel o ser humano pode ser: após o erro dela, todos apontam o dedo para ela. É lógico que ela estava errada porque traição É (e sempre será) uma coisa errada e desonrosa mas a protagonista sofre tanto que o leitor passa a querer conhecer a versão dela dos fatos porque desde o início da narrativa ouvimos o que aconteceu a partir do ponto de vista da visão da mãe dela. Desde que Molly traiu Patrick com o irmão dele, Gabe, seu mundo foi virado de cabeça para baixo.

Chega um determinado ponto da vida em que você aprende que toda história tem dois lado e é necessário ouvir ambos antes de chegar à uma conclusão. Kate terá que lidar com ódio de toda a cidade mas se torna algo tão sufocante que ela passa um ano fora e quando retorna tem 99 dias, ou seja, um pouco mais do que 3 meses para tentar se redimir pelo que fez.

Não é um clichê de triângulo amoroso. A maneira como Kate Cotugno conduz os acontecimentos te deixa com vontade de descobrir como ela se sairá dessa situação tão cabeluda.Mas ela conseguiu fazer com que os personagens evoluíssem e criou um final inesperado. A única coisa que me deixou meio desconcertada foi a atitude da mãe de Molly, indiferente em relação ao estrago que causara.A relação dela com a filha não foi trabalhada como deveria ter sido.

E o destaque é a crítica à sociedade machista: em hora NENHUMA ninguém critica Patrick,apenas Molly. Uma leitura bem relevante para os dias atuais.



Nenhum comentário

Postar um comentário