Novidades

[News]Terceira edição do Festival Maçãs apresenta Sessions individuais com quatro cantoras independentes da periferia de São Paulo

Terceira edição do Festival Maçãs apresenta Sessions individuais com quatro cantoras independentes da periferia de São Paulo

O evento intitulado “A colheita 2021” tem como objetivo fortalecer e ampliar a rede de produções artísticas feitas por mulheres periféricas com apresentações musicais em vídeos divulgados no canal do Youtube do festival

 

Começa no dia 17 de julho e vai até setembro a 3ª Edição do Festival Maçãs nesse ano intitulado “A Colheita”, com programação gratuita, ocorre de forma totalmente online e visa fomentar, promover, incentivar e fortalecer artistas mulheres da periferia de São Paulo, com ações artístico-culturais, através da apresentação de músicas autorais.  O evento será dividido em duas fases com apresentações das cantoras Luana Bayô, Thais Lim, Nisá e Maria Pérola divididas em quatro Sessions, lançadas uma por semana no canal do YouTube do festival. No encerramento acontece uma live com show de seis artistas periféricas: Nayra Lays, Bia Doxum, Carolina Maria, Obinrin Trio, Pé de Manacá e uma convidada surpresa.

 

As quatro cantoras que participam das Sessions possuem estilos diferentes, mas todas trazem uma sonoridade potente com canções que protestam e retratam suas realidades periféricas, além de exaltar a força da mulher guerreira que luta pelos seus objetivos. Maria Pérola, mesmo muito jovem, se destaca no cenário alternativo da música, com uma MPB suave e agradável, já ganhou o Prêmio Suburbano Convicto 2019 com a canção “Música Popular Periférica” de sua autoria. Foi finalista do Festival Nacional da Canção em 2020 com outra música autoral. Luana Bayô é uma cantora de vários estilos, transitando pelo samba, world music e samba-rock, já integrou os grupos Cia. Treme Treme, Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã e hoje é diretora musical do Samba-Sarau Massembas de Ialodês. Thaís Lim e Nisá são as mais jovens do festival, e nos apresentam muita força e segurança com um potencial musical enorme, transitando pelo rap, MPB e xote. 

 

O festival fez um mapeamento com mais de 60 artistas femininas de diversos estados do país e convidou quatro cantoras para gravarem duas músicas autorais cada, para as Sessions, na ONG Comunidade Cidadã, localizada na zona sul de São Paulo. O esquenta sobre cada artista pode ser conferido em postagens diárias nas redes sociais do festival. “Ficamos muito contentes e surpresas com o número de artistas que se interessaram pelo projeto. Isso só reforça o quanto artistas independentes buscam por espaços que tragam visibilidade e reconheçam o seu trabalho. Isso superou nossas expectativas”, conta Thamara Lage, diretora geral do evento. As gravações poderão ser conferidas a partir do dia 17 de julho no canal do YouTube do Festival Maçãs.

 

Por conta da pandemia da Covid-19 a organização enfrentou o desafio de adaptar e transferir as atrações para o meio virtual, o que acabou se tornando uma grande oportunidade de expandir o alcance do evento, como conta Juliana Viana, produtora executiva do festival. “Tínhamos pensado em realizar uma feira com mulheres empreendedoras do bairro do Grajaú, e de repente nos vimos em um grande desafio de mudar completamente, alterar cronogramas e adaptar as apresentações. Ao mesmo tempo que foi trabalhoso, está sendo muito gratificante ver o empenho de todos para o festival dar certo.

 

O projeto foi contemplado pelo Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais (VAI) da Secretaria de Cultura de São Paulo e parceria com os espaços Sesc Interlagos e Ong Comunidade Cidadã.

 

Confira a programação das Sessions que serão exibidas aos sábados com uma artista por semana no canal do YouTube do Festival Maçãs: Link - https://www.youtube.com/channel/UCJ_q3nT2CbqVBg6S2F2hC6A/featured




 

17 de julho - Luana Bayô – Horário: 19hs

Cantora de vários estilos, transita pelo samba, world music e samba-rock. Integrou os grupos Cia. Treme Treme, Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã e hoje é diretora musical do Samba-Sarau Massembas de Ialodês




 

24 de julho - Thais Lim (Rap) – Horário: 19hs

Artista, poetisa e escritora começou a compor músicas em 2012, mas somente em 2018 tomou coragem e passou a cantar, compartilhar sua arte e seu rap com o público. Lançou um EP.




 

31 de julho – Nisá (MPB e Xote) – Horário: 19hs

Cantora e compositora de apenas 19 anos de idade apresenta uma mistura de estilos em suas canções que vão da MPB, Samba, Soup e Pop. Integrou o grupo Trio Café em 2017.




 

07 de agosto - Maria Pérola (MPB) – Horário: 19hs

No ano passado foi finalistas do Festival Nacional da Canção com uma música autoral. Em 2019 ganhou o Prêmio Suburbano Convicto 2019 com a canção “Música Popular Periférica” de sua autoria. A artista é um dos destaques do cenário alternativo com MPB.

 

Sobre o Festival Maçãs

A proposta de criar o festival foi apresentada no final de 2016 para a Coletiva Maçãs por Thamara Lage, atual diretora geral do Festival Maçãs. Sua ideia inicial era voltada para os 4 elementos do hip hop (rap, DJ, breakdance e o grafite), porém com a união das integrantes da Coletiva, a ideia ganhou uma proporção maior com novas possibilidades, incluindo outros ritmos musicais com o foco central na produção artística da mulher periférica dentro do cenário musical. A cada nova edição o objetivo é aumentar o fortalecimento, apoiando essas mulheres desde a pré até a pós-produção de seus trabalhos musicais, além de criar uma rede de apoio e incentivo que alcance todas as artistas periféricas. 

 

Redes Sociais:

Facebook – https://www.facebook.com/festivalmacas/

Instagram - @festivalmacas

YouTube – https://www.youtube.com/channel/UCJ_q3nT2CbqVBg6S2F2hC6A

Fotos Damares Galvez

PR/CHP 

Nenhum comentário