Novidades

[Crítica] Minha Irmã

 

Sinopse:

Lisa (Nina Hoss) segue seu marido Martin (Jens Albinus) para a Suíça, onde ele administra uma escola particular. No entanto, quando a leucemia de seu irmão gêmeo Sven (Lars Eidinger) começa a causar estragos em sua saúde, ela decide que deve voltar às suas raízes, o que tem consequências significativas para seu relacionamento.




O que eu achei?

No quesito histórias de irmãos, o cinema costuma ser bem dividido por gênero: grandes filmes sobre amor fraternal e conflito entre irmãs (ou, é claro, vice-versa) são abundantes, mas histórias ternas entre irmãos, um de cada sexo, são um tipo mais raro.`Minha Irmã`` das diretoras Stéphanie Chuat e Véronique Raymond, é um drama profundo.

A “irmã mais nova” em questão é Lisa Nielsen (Nina Hoss), uma talentosa dramaturga de Berlim que largou suas ambições artísticas, seguindo seu marido Martin (Jens Albinus) para um lucrativo mas insatisfatório emprego de professora em um internato da alta sociedade na estação de esqui suíça de Leysin. Ela é dois minutos mais nova que seu irmão gêmeo Sven (Eidinger), embora eles concordem que aqueles dois minutos parecem muito. Ele é um famoso ator de teatro gay que viveu uma vida um pouco maior do que Lisa, ele é a figura dominante no que não deixa de ser uma relação mutuamente protetora e colaborativa: ela criou papéis para ele no passado, embora eles não estivessem totalmente sincronizados desde que um mudou de país e o outro parou de escrever.

Mas com Sven recentemente diagnosticado com uma forma agressiva de leucemia, Lisa está determinada a compensar o tempo perdido e a proximidade - primeiro com um transplante de medula óssea que pode ou não salvar sua vida, mas também com repetidas tentativas de reacender sua estagnada carreira de ator, mais firme do que qualquer um mais em sua convicção de que ele vai sobreviver mais forte do que nunca. Então, ela engana temporariamente a mãe bem-intencionada, mas menos compreensiva, Kathy (uma adorável Marthe Keller, trazendo notas de comédia desamparada para esta crise familiar) para administrar a recuperação de Sven na Suíça, um objetivo que lhe permite deixar de lado enquanto conserta os pontos fracos em seu casamento.

A atuação de Hoss e de Eidinger é convincente; enquanto ela retrata uma mulher lutando para que seu mundo não desmorone e ele vive um paciente com câncer irritado pela doença que destrói seu corpo sem dó nem piedade.

A trilha sonora chega até a fazer uma referencia com o título original,``Schwesterlein``(Minha Irmãzinha) que é também uma canção de Brahms.Uma interessante reflexão sobre os laços fraternos.


                Trailer:





Nenhum comentário