18 setembro 2018

[Crítica] O que de Verdade Importa

Sinopse:
Alec Bailey é um engenheiro frustrado que vive em Londres e trabalha consertando eletrodomésticos, mas o dinheiro que ganha não é suficiente para pagar as suas contas. Tudo muda quando um tio distante aparece em sua vida com uma proposta irrecusável: pagar todas as dívidas e despesas de Alec desde que ele se mude para Nova Escócia, no Canadá, por um ano. Sem muitas alternativas, o jovem aceita o acordo e inicia uma nova fase de sua vida, agora em um novo país, podendo recomeçar do zero.

O que eu achei?
Fui assistir ao filme sem ter lido a sinopse nem assistido ao trailer. A única coisa que sabia era que a renda líquida obtida pela venda de ingressos seria doada para instituições de combate ao câncer infantil. Isso foi o suficiente para me conquistar e querer ir à cabine de impressa. Assim, imaginei que o filme seria de drama com uma história triste de alguma criança com câncer. Para minha surpresa (e felicidade!) o filme possui um enredo muito bonito e animador. É claro que tem cenas que fazem lágrimas escorrerem dos olhos, mas também é possível rir com o humor tranquilo (e não forçado) dos personagens principais. E pra completar tem um pouco de romance. É um filme de grandes emoções! (Prepare-se!)

“O que de Verdade Importa (The Healer)” conta a história de um rapaz, Alec Bailey, que tem uma loja de reparos de eletrodomésticos em Londres, chamada The Healer. Alec é um mulherengo e gosta de apostar em corrida de cavalos. Ou seja, não trabalha como deveria e vive endividado. Assim, prestes a ter problemas financeiros sérios, um tio desconhecido aparece com uma proposta curiosa: quitar todas as dívidas em troca de Alec se mudar para o Canadá e viver lá por pelo menos um ano. Sem ter outra opção, o jovem se muda e sua vida sofre uma reviravolta surpreendente, quando descobre um grande segredo de sua família: o dom da cura.

A partir daí Alec encontra um dilema: aceitar ou não o dom. A forma como esse dilema é apresentado é bem desenvolvida e sustentada em fatos simples, porém interessantes.

Apesar de parecer religioso, o longa não trata exatamente de religião e sim de se fazer o bem ao próximo e de ter fé. Não faz diferença do quê você acredita e sim no simples fato de acreditar. O misticismo do filme poderia ter sido chato, mas é bem trabalhado e apresentado ao espectador de forma mais mágica do que sobrenatural. Isso torna o filme leve e divertido, apesar de envolver uma história triste do meio para o fim.

“O que de Verdade Importa (The Healer)” tem como inspiração a diferença que Paul Newman fez na vida de muitas pessoas. Ele foi um ator visionário que criou acampamentos para ajudar crianças com câncer em estado terminal. O nome do projeto chama-se Serious Fun Network (vale a pena pesquisar para conhecer).

Os personagens principais (Alec Bailey, a amiga Cecilia e o tio Raymond Heacock) são estrelados por: Oliver Jackson-Cohen, Camilla Luddington e Jonathan Pryce. Apesar de às vezes o filme ser meio paradão, a química entre o casal Alec e Cecilia é interessante. Mas meu destaque vai para a atriz Kaitlyn Bernard, que faz o papel de Abigail, uma menina com câncer em estado terminal que é levada pelos pais para ser curada por Alec. A atriz faz bem o papel de transformar uma parte triste do filme em algo alegre e divertido.

Relembrando que a renda do filme será doada para instituições de tratamento de crianças com câncer. Não deixe de ir ao cinema assistir! Vale muito a pena! Assistirei de novo com certeza!

Data de estreia no Brasil: 27 de setembro de 2018.

Trailer:
Escrito por Victor Monteiro

Nenhum comentário

Postar um comentário