10 setembro 2018

[Resenha] O amante da princesa

Sinopse:Maria Amélia de Bragança é princesa do Brasil, prometida a Maximiliano Habsburgo, arquiduque da Áustria. Mas não há nada que ela deseje menos
do que esse casamento: como alguém pode querer que ela se case com um homem que nem sequer conhece?
O que Amélia não esperava é que seu noivo chegasse ao Palácio das Janelas Verdes, em Lisboa, acompanhado do amigo Klaus Brachmann, um homem charmoso e experiente que se sente compelido a seduzir a princesa apenas pelo prazer da conquista.
Uma viagem inesperada que Maximiliano precisa fazer se mostra a oportunidade perfeita para que Klaus ensine uma coisinha ou outra a Amélia entre quatro paredes... E, conforme o jogo avança, a possibilidade de casamento se torna cada vez mais remota para a princesa, que agora precisa proteger seu coração a todo custo.

O que eu achei?
A autora de As bruxas de Oxford e Amor plus size (só li trechos do último,está na lista mas pelo que li, é um manifesto sensacional para ensinar as garotas acima do peso a amarem seu corpo) escreveu seu primeiro romance histórico pela Verus, selo da editora Record dedicado á ficção e também culinária, turismo, moda e assuntos de conhecimento geral. Desde o primeiro capítulo, somos apresentados à princesa Maria Amélia, uma princesa portuguesa (nasceu na França mas foi para Portugal ainda bebê) que mora no Palácio das Janelas Verdes (conhecido hoje como Museu Nacional de Arte Antiga) em Lisboa e foi prometida ao arquiduque da Áustria, Maximiliano Habsburgo. Ela sabe de seus deveres para manter a linhagem mas não está nem um pouco feliz com esse arranjo. 

 A chegada de seu noivo guarda uma surpresa: ele trouxe seu amigo, o galante Klaus Brachmann, cujo interesse pela noiva de seu colega é logo despertado. Ele começa a galanteá-la às escondidas. Para agravar a situação, surge um compromisso inadiável e o arquiduque precisa se ausentar por alguns dias. Com Maximiliano temporariamente fora da jogada, Klaus aproveita para fazer mais investidas... 

A narrativa é uma delícia de se ler, mesmo com alguns trechos do português lusitano, ela flui e te deixa curioso para saber por qual rumo a relação dos dois irá tomar. Maria Amélia é uma heroína forte que lembra algumas clássicas do gênero como Elizabeth Bennett e Jane Eyre mas nem por isso deixa ter uma personalidade própria. 
Em hora nenhuma Larissa perde o fôlego da narrativa; alterna cenas mais calmas com algumas mais corridas. E saber que os personagens são baseados em figuras históricas reais (caso você não saiba, Maria Amélia era filha de D.Pedro I e Dona Amélia de Leuchtenberg e foi a única filha do segundo casamento de seu pai) só contribui para aumentar nosso interesse pelo contexto. Espero que Larissa continue se aventurando pelo gênero!


Nenhum comentário

Postar um comentário