Novidades

[News]A importância da superação para lidar com as angústias da vida

 A importância da superação para lidar com as angústias da vida



Angústias e superações são ciclos diários e precisam ser reconhecidos

O ser humano constantemente vive diversos sentimentos durante o dia, entre eles as angústias e superações estão presentes no cotidiano de muitas pessoas, principalmente diante das incertezas e desamparos da vida, assim causando ansiedade, insegurança e muita instabilidade emocional. Infelizmente alguns indivíduos não sabem como ou não têm forças para iniciar o processo de superação.

“Superação, como o próprio nome diz, é uma ação maior”, a psicóloga Léa Michaan explica que quando existe frustração, angústia, decepção e qualquer outro sentimento que impede um ser humano seguir em frente, é necessário tomar uma ação que supere aquela que estagna ou machuca a pessoa.

Formada em psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, com mestrado na PUC-SP e especialização na USP, a profissional está sempre ajudando seus seguidores e em vídeo sobre a superação informou: "Precisamos expandir a mente, os sentimentos, buscar uma ideia no mundo das ideias de Platão que dê conta da gente não sucumbir àquela situação", e concluiu afirmando que é necessário não ficar no domínio da situação, mas sim colocar a situação sob o próprio domínio.

O processo é bastante diferente de pessoa para pessoa, até porque existem superações positivas, como quando um profissional alcança um objetivo ultrapassando a meta anterior. Porém, infelizmente a realidade não tem tanta carga positiva entre todos os seres humanos, como o caso de Samuel Alexandre, campinense de 21 anos que se prepara para lançar seu primeiro livro.

“Certamente ainda estou em processo de aprendizado e tudo isso ainda é novo para mim, mas com calma eu venho me conhecendo, entendendo minhas limitações e compreendendo que tudo bem não estar bem hoje”, o artista ainda está em processo de lidar e superar aquilo que impede de seguir em frente, os passos podem ser rápidos ou lentos, o importante é ter ciência que ações superiores precisam ser tomadas.

Samuel Alexandre, particularmente, pratica atividades de aprender a ser autossuficiente e ter independência emocional, inclusive ele acredita ser muito necessário grandes vozes conversar sobre esses assuntos, pois assim diversos jovens e adolescentes conseguem lidar com situações semelhantes com o passar da vida.

No caso do artista, ele informa que seu maior vilão foi a insegurança, pois ela desencadeou diversos outros sentimentos: “A insegurança se torna ansiedade e a ansiedade se torna angústia, por fim quando você vê está mergulhando em uma imensidão de vazio infinito onde você olha para si mesmo e aponta apenas os seus defeitos e fracassos, é frustrante.”

Entre os diversos mecanismos que existem para dialogar sobre os assuntos ou até mesmo lidar com eles, Samuel Alexandre optou pela arte. Em “Benjamin Pollux e o Medalhão da Lua”, seu livro de estreia, ele compartilhou um pouco de suas personalidades e outras que gostaria de ter por meio de três protagonistas: “Sabendo não ser o único que passa por isso tentei ao máximo humanizar meus personagens, pois exatamente por se tratar de um livro de fantasia era necessário que o leitor sentisse ao menos um pouco de apego e identificação com os protagonistas. Saúde emocional é algo que vem sendo cada vez mais necessário ser tratado e achei importante falar sobre depressão, ansiedade, insegurança e autossuficiência em um livro que tem como abordagem principal magia e aventura.”, concluiu. Além de escritor, o artista também é desenhista e seu livro de estreia tem previsão de lançamento para outubro deste ano

A escritora, economista e coach motivacional Carolina Reginatto também está em processo de superação e levou o significado da palavra para “Numbers: As Runas do Poder”, seu livro de estreia. A artista perdeu a mãe pelo câncer quando tinha 15 anos: “hoje, após dez anos desse grande baque, consigo dizer que estou no caminho da superação. Tudo é um processo e eu ainda estou nele.”, disse.

A arte não ajudou a escritora a superar somente a ausência da mãe, mas também outros problemas da vida, e analisando a própria realidade ela entendeu que outras pessoas podiam passar pelo mesmo e que podia ajudá-las atuando como coach motivacional.

“Eu sempre senti, modéstia a parte, que conseguia tocar as pessoas com algumas palavras minhas”Carolina Reginatto vem recebendo retorno positivo de seus clientes e leitores. Como coach ela trabalha com questionamentos e motivações e na literatura ela explora a vida dos personagens como uma grande superação por meio de uma história que envolve fantasia e distopia.

Apesar de a arte ser um grande fator contribuinte para vencer as angústias, também é recomendado consultas com profissionais capacitados na saúde da mente. 

Nenhum comentário