Novidades

[News] Festival Concertos na Serra reúne oito recitais transmitidos online de igreja histórica em Jundiaí. Direção de Claudia Feres

 

Natureza, história, preservação ambiental, música e artes cênicas. O 1. Festival Concertos na Serra apresenta uma série de recitais de música clássica realizada em clima intimista no interior do espaço centenário da Igreja Santa Clara, construção de 1917 tombada pelo Patrimônio Histórico e que integra o recém-criado Espaço Japi – Cultura e Meio Ambiente, no coração da na Serra do Japi, em Jundiaí, área de proteção ambiental.  Este será o cenário de oito apresentações musicais pensadas especialmente para o espaço, que acontecerão em duas semanas, de 11 a 14 e março e de 18 a 21 de março, de quinta a sábado, 20h e domingo, 17h. De graça. Transmissão online e gratuita via Youtube pelo link abaixo -

 https://www.youtube.com/channel/UCbTCV8eERVkqleDjtYjdgQQ.

 

A ideia de criar no local um espaço cultural, por iniciativa dos atores e diretores teatrais Carla Candiotto e Rodrigo Matheus, vem ao encontro da trajetória de 50 anos da Escola de Música de Jundiaí, representada pela maestrina Claudia Feres, curadora e diretora artística do festival, que assina ainda a direção geral e a concepção. A direção cênica do festival é de Carla Candiotto e a gestão do projeto é do músico e cantor Fábio Vianna Peres, que integra a programação. Completam a equipe de criativos Marco Lima na direção de arte e Wagner Freire na iluminação.

 

“Os gestores do Espaço Japi - Cultura e Meio Ambiente, Carla Candiotto e Rodrigo Matheus, me convidaram para idealizar projetos musicais para o espaço. Comecei a elaborar alguns quando surgiu o Proac Expresso LAB, permitindo que realizássemos o 1º Festival Concertos na Serra em parceria com EMJ”, conta Cláudia. Para dar corpo ao projeto musical, a curadora e diretora artística incluiu na ficha técnica direção cênica, iluminação e direção de arte, respectivamente, Carla Candiotto, Wagner Freire e Marco Lima. “Acredito que estes profissionais irão trazer um olhar para a cena de música de concerto muito diferente do que estamos acostumados. Geralmente temos esses profissionais em óperas, mas não em concertos camerísticos”, comenta Claudia.

 

Cada um dos oito artistas ou grupos convidados ocupará a igreja realizando um recital com 50 minutos de duração, transmitido pelo canal do festival no Youtube. A programação foi escolhida cuidadosamente pela maestrina Claudia Feres. O Festival Concertos na Serra é uma iniciativa de pessoas que dedicam suas vidas intensamente às artes e convidam o público a mergulhar, a partir de suas casas, nesse ambiente cheio de história, sons e natureza em que vai se transformar a Igreja de Santa Clara nessas duas semanas. 

 

Programação camerística

 

A programação abre com a música antiga da Capela Ultramarina, de Fábio Vianna (dia 11 de março), com suas influências portuguesas, com voz e vihuela. Destaque para a participação do ator Roney Facchini na leitura de sonetos e outros versos de Camões entre uma e outra canção interpretada por Fábio. O duo de flauta e violoncelo Bico de Pena, do casal Angelique Camargo e Renato Camargo (12 de março), apresenta obras de autoria do próprio Renato. A viola de orquestra se encontra com a viola caipira na apresentação de Gabriel Marin, violista da Orquestra Sinfônica da USP, e do violeiro Neymar Dias. (dia 13 de março). Para encerrar a primeira semana tem o concerto solo de Heloisa Meirelles (dia 14 de março), violoncelista da OSESP, que foi aluna da EMJ quando criança.

 

A segunda semana do Concertos na Serra será aberta pelo Trio Madera, de cordas, com Mayra Pezzuti, violino; Renato Bandel, viola, e Denise Ferrari, violoncelo, interpretando repertório com música do período clássico. Renato Bandel foi coordenador pedagógico do Festival de Inverno de Campos do Jordão é o chefe do naipe de cordas da Orquestra Municipal de Jundiaí, da qual também fazem parte Mayra e Denise ((dia 18 de março). Representante do barroco está o reverenciado Duo Lanfranchi-Santoro, com a flauta de Livia Lanfranchi e o cravo de Alessandro Santoro (dia 19 de março). O duo Dellarole & Campbell, com o violinista da Orquestra Sinfônica da USP, Pedro Dellarole, e a harpista do Teatro Municipal de São Paulo, a escocesa Jeniffer Campbell toca dia 20 de março. E para fechar o festival, abraçando a Serra do Japi, está a música de raiz do violeiro João Paulo Amaral (dia 21 de março).

 

Curadoria e direção artística

 

Sobre a curadoria e seu critério de seleção, a maestrina Claudia Feres conta que em primeiro lugar pensou em reunir músicos apaixonados pelo que fazem. “Precisava ser uma programação camerística e intimista pela própria arquitetura do espaço, sem descaracterizar a igreja como lugar de reflexão. Muitas igrejas pelo mundo são palcos de concertos exatamente por essa característica.” Seu olhar de curadora buscou o diálogo entre a música erudita e a cultura rural, forte em Jundiaí, especialmente na Serra do Japi. “Todos os artistas convidados tem uma carreira sólida, com trajetórias internacionais e dialogam juntos em favor do prazer em fazer e ouvir música, que é o grande mote da Escola de Música de Jundiaí.”

 

A maestrina Claudia Feres cresceu na Escola de Música de Jundiaí, criada por sua mãe, na garagem de casa, em 1971. Josette Silveira Mello Feres, aluna de Villa-Lobos no Rio de Janeiro nos anos 1950, juntou os filhos, primos e amigos e formou a primeira turma de musicalização. Graduada em Composição e Regência na Unicamp, fez Mestrado em Regência nos Estados Unidos. “Cresci dentro da Escola, tendo aulas, fazendo música de câmara, tocando com os amigos. Com meus 17 anos, comecei a reger a orquestra de crianças da escola, que era regida por minha mãe. Em 2001 voltei para a EMJ assumindo a parte artística de projetos e Orquestra Jovem. Hoje divido meus trabalhos principalmente com a EMJ e a Orquestra Municipal de Jundiaí.” Embora a EMJ tenha hoje um foco para crianças de 8 meses a 12 anos, ela já iniciou importantes músicos que circulam nas principais salas de concertos, como por exemplo a Heloisa Meirelles, violoncelista que estará no festival. A própria Carla Candiotto foi aluna da EMJ.

 

Parceria do teatro com a música

 

O músico e cantor Fábio Vianna Peres, responsável pela gestão do projeto Concertos na Serra, e uma das atrações do festival, destaca a importância do encontro artístico entre ele, Claudia, Carla e Rodrigo. A EMJ chega aos seus 50 anos com um espírito de se reinventar e o encontro com o Espaço Japi, recém-criado, proporciona o ambiente ideal para os concertos na Serra, que encontra uma jóia no meio do serra, reunindo pessoas tem sua história ligada a essa região e à arte.”

 

Vianna comenta o reencontro da maestrina com a diretora de teatro, antigas colegas de escola, em Jundiaí. “Houve uma reaproximação das duas por meio da música.” Os caminhos se cruzaram novamente pois Claudia Feres está à frente da Orquestra Municipal de Jundiaí e Carla, diretora da cia de teatro de Jundiaí, está em Jundiaí, onde moram seus pais, desde o começo da quarentena. Vianna acredita que brotarão mais projetos interessantes desta parceria entre criativos da música e do teatro. “De um lado o desejo criativo de músicos e de outro o espírito de realizadores de Carla e Rodrigo. Nosso encontro aconteceu no momento certo e está pegando fogo.”

 

O que vem por aí no Espaço Japi

 

Sobre a programação do Espaço Japi, Rodrigo Matheus adianta que está nos planos  apresentar sessões de cinema na parede externa da igreja, ao redor de um jardim de primaveras, além de atividades como cursos, oficinas de fotografia ecológica e de edição de vídeo para redes sociais e palestras, entre outros eventos, inspiradas na questão da preservação do meio ambiente e em temas importantes para a comunidade. Queremos programar um festival de teatro infantil, temporadas de espetáculos de nossas companhias (a Candiotto Produções e a Circo Mínimo) e de outros grupos. Em cinema, pensamos em realizar ciclos de ciclos de cinema mudo, com Chaplin, Buster Keaton e O Gordo e o Magro. Além de uma série de humoristas britânicos, como Monty Python.” As primeiras peças a serem apresentadas no local serãSimbad, o Navegante e Momo, o Senhor do Tempo, respectivamente, com os grupos de Rodrigo e Carla. Já confirmado na programação está também o festival de peças do grupo de teatro de Jundiaí, o Catarsis.

 

O centro cultural é um conjunto arquitetônico formado pela igreja e pelas instalações da antiga escola EMEB prof. José Flávio Martins Bonilha, ambas de propriedade da associação dos amigos dos Bairros de Santa Clara, Vargem Grande, Caguassú e Paiol Velho, na Serra do Japi, em Jundiaí. O Espaço Japi agrega ao bairro Santa Clara um dimensão cultural e artística que busca valorizar sua importância histórica e ambiental para a região do Aglomerado Urbano de Jundiaí.

 

1. FESTIVAL CONCERTOS NA SERRA - De 11 a 14 e março e de 18 a 21 de março. Espaço Japi - Cultura e Meio Ambiente. Serra do Japi. De quinta a sábado, 20h e domingo, 17h. De graçaTransmissão online e gratuita via Youtube pelo link abaixo -

 https://www.youtube.com/channel/UCbTCV8eERVkqleDjtYjdgQQ.

 

Programação - Março de 2021

 

Quinta-feira, 11/03, 20h – Fábio Vianna Peres, Capela Ultramarina, “Cantar Camões”.  Participação do ator Roney Facchini na leitura de sonetos e outros poemas Circulusde Camões entre uma e outra canção interpretada por Fábio.

 

Sexta-feira, 12/03, 20h – Duo Bico de Pena.

Sábado, 13/03, 20h – Gabriel Marin e Neymar Dias.

Domingo, 14/03, 17h – Heloisa Meirelles.

 

Quinta-feira, 18/03, 20h - Trio Madera, cordas.

Sexta-feira, 19/03, 20h - Duo Lanfranchi – Santoro.

Sábado, 20/02, 20h - Duo Della & Campbell

Domingo, 21/03, 17h - João Paulo Amaral.

 

Ficha Técnica

 

Direção Artística e curadoria: Claudia Feres (maestrina). Direção Cênica – Carla Candiotto. Gestão do projeto - Fábio Vianna Peres. Gestão do Espaço Japi - Rodrigo Matheus. Direção de arte - Marco Lima. Iluminação - Wagner Freire. Captação de áudio e sonorização - Uli Schneider, USC Brasil. Captação em video e streaming - Thiago Capella Zanotta, Circulos Operą. Designer gráfica - Juliana Mesquita, Aldeia Hum Design. Fotografia - João Caldas. Comunicação – M. Fernanda Teixeira e Macida Joachim- Arte Plural.  Gerenciamento de Redes sociais - Kyra Piscitelli.  Produção - Carol Reto.

 

Projeto de Música do Proac Expresso da Lei Aldir Blanc, o 1º Festival Concertos na Serra é uma realização da Escola de Música de Jundiaí - 50 anos e do Espaço Japi - cultura e meio ambiente.

 

PROGRAMAÇÃO DETALHADA DE CONCERTOS

 

Quinta-feira, 11/03, 20h

Capela Ultramarina - Fábio Vianna Peres, Cantar Camões"

Participação do ator Roney Facchini na leitura de sonetos e outros poemas de Camões entre uma e outra canção interpretada por Fábio.

 

Programa – Redondilhas de Camões adaptadas a peças originais dos cancioneiros portugueses renascentistas de Paris e Elvas. A ideia é dar uma voz musical à poesia de Camões, fazendo uma um diálogo da poesia falada com a poesia cantada.

 

Muito Sou meu enemigo”, Descalça vai pela neve”, Não sei se mengana Helena”, Perguntais-me quem me mata”, Vi chorar uns claros olhos” , Minina dos olhos verdes” ,

Vos senhora, tudo tendes” , Descalça vai para a fonte” , Na fonte está Lianor” , Pastora da Serra” .

 

Capela Ultramarina é o grupo criado em 2000 por Fabio Vianna Peres para pesquisar e interpretar a música renascentista portuguesa. Ao longo de 20 anos de trajetória, se apresentou em diversas formações, tendo como base sempre um conjunto vocal de até três vozes. Em 2019 lançou o álbum “A cantar uma cantiga”, reunindo obras sobre poemas em língua portuguesa provenientes do manuscrito de origem portuguesa do século XVI conhecido como “Cancioneiro de Paris”.

 

“Cantar Camões” é o novo projeto desenvolvido por Fabio para a Capela Ultramarina e é, de certa forma, um desdobramento de “A cantar uma cantiga”. Durante as pesquisas para o álbum foram identificadas algumas peças para as quais existem versos escritos por Luis de Camões, poeta maior da língua portuguesa. A partir dessa relação estabelecida entre a poesia de Camões e a música dos Cancioneiros, criou-se o projeto “Cantar Camões”, onde versos originais do poeta foram adaptados à músicas de alguns cancioneiros portugueses quinhentistas. Este concerto apresenta Fábio Vianna Peres, que canta e se acompanha em instrumentos de cordas dedilhadas antigos – vihuela e viola de cinco ordens.

__________________________________________________

 

Sexta-feira, 12/03, 20h

Duo Bico de Pena

Renato Camargo - flauta e Angelique Camargo - violoncelo

 

Programa:

Renato Camargo - Luz e Sombra

Renato Camargo - Breve Olhar

João Bosco / Aldir Blanc - O Bêbado e a Equilibrista

Renato Camargo - Seu Sorriso

Chico César - Alcaçuz

Jacob do Bandolim - Noites Cariocas

Renato Camargo - Prisma

Pattapio Silva - Zinha

H. Villa-Lobos - Bachianas Brasileiras No. 1 (II - Modinha)

Renato Camargo - Deixe Estar

Edu Lobo / Chico Buarque - Valsa Brasileira

Renato Camargo - Reencontro

 

Com apenas duas linhas musicais - uma flauta e um violoncelo - o DUO BICO DE PENA abraça o desafio de expressar a riqueza da Música Brasileira pelas entrelinhas de suas composições e arranjos. Fundado em 1992, é detentor de vários prêmios e participou de CDs ao lado de artistas renomados como Nelson Ayres e Paulo Belinatti. Tem dois CDs gravados, independentes: "Entrelinhas" - Produzido por Maurício Pereira - e "Suíte das Crianças”. Angelique Camargo - Formada em violoncelo pelo Departamento de Música da ECA-USP, aperfeiçoou-se com Antonio Del Claro, como bolsista da Fundação Vitae e com Roman  Mekinulov. Foi integrante da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo por quase quinze anos. Atualmente integra a Orquestra Municipal de Jundiaí, é professora no Instituto Fukuda e na  Escola de Música de Jundiaí. Renato Camargo - Formado flautista pelo Departamento de Música da ECA-USP sob orientação de Antonio Carlos Carrasqueira, aperfeiçoou-se em Dijon (França), com Michel Lavignole. Integrou as orquestras Sinfônica Municipal de Santos, Jazz Sinfônica e a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo.

__________________________________________________

 

Sábado, 13/03, 20h

Grabriel Marin e Neymar Dias - viola e viola caipira

 

Programa –

 

J. S. Bach (1685 - 1750) - Suite 1 em Sol Maior, BWV 1007 (adaptação para viola e viola caipira de Neymar Dias)

  - Minuetto 1 e 2

  - Courante 

 

J. S. Bach (1685 - 1750) - Suite 2 em Ré menor, BWV 1008 (adaptação para viola e viola caipira de Neymar Dias)

  - Preludio

 

J. S. Bach (1685 - 1750) - Coral da Cantata BWV 147 Jesus alegria dos homens”  (adaptação para viola e viola caipira de Neymar Dias)

 

Neymar Dias - Dueto n. 3 para viola e viola caipira

  

Neymar Dias - Depois da Serra, para viola e viola caipira

 

Neymar Dias - La Valse

 

Neymar Dias - Suite caipira, para viola e viola Caipira

 

H. Villa-Lobos (1887 - 1959) - Bachianas Brasileiras n. 5 (adaptação para duo de viola e viola caipira de Neymar Dias)

  - Aria (Cantilena) e Adagio

 

Neymar Dias - If I could, para viola e viola caipira

 

O Duo promove o encontro de dois dos mais destacados artistas em seus respectivos instrumentos, com Gabriel Marin na viola de arco, instrumento mais comumente encontrado no ambiente da música erudita, e Neymar Dias com sua viola caipira que transita com desenvoltura pelos mais variados estilos musicais. Juntos, os músicos desafiam essas fronteiras imaginárias estabelecidas para seus instrumentos.

 

Gabriel Marin - Natural de Piracicaba, é violista do Quarteto Carlos Gomes e da OSUSP. Estudou na Dinamarca na classe do Prof. Rafael Altino, além de ter ganho bolsa integral da Heinemann Foundation para participar na Suiça do Verbier Festival & Academy. Em seu retorno ao Brasil, foi  o primeiro viola solo da OSB por 6 temporadas. É fundador e idealizador do Encontro Campestre de Violas. Atualmente, além do Quarteto e da Orquestra, é Professor de Viola e Coordenador de Música de Câmara no Instituto Baccarelli.

 

Neymar Dias - Autodidata, aprendeu a tocar sozinho viola caipira, guitarra, violão, baixo elétrico, guitarra havaiana e bandolim. Começou a tocar viola caipira com 4 anos de idade. Iniciou carreira artística ainda criança, com seis anos de idade apresentando-se no programa "Viola minha viola" apresentado por Inezita Barroso na TV Cultura. É autor de uma grande discografia desde 1990. Em 2017, lançou o álbum "Neymar Dias Feels Bach", com obras de J.S.Bach transcritas para a viola caipira. Ao longo da carreira trabalhou com diferentes nomes da música popular brasileira, entre os quais, Inezita Barroso, Tinoco, Monica Salmaso, Ivan Lins, Theo de Barros, Nana Vasconcellos, André Mehmari, e Toninho Ferragutti.

__________________________________________________

 

Domingo, 14/03, 17h

Heloisa Meireles, violoncelo

 

Programa –

 

J.S. Bach - Suite número 1  21

 

G. Ligeti - Sonata para violoncelo solo  10

 

Clovis Pereira - Suíte Macambira 3o mov - Dança 5

 

F. Mignone- Valsas   

1- Mistério... (Quanto Ameia-a ) 350

2- Macunaíma ( A Valsa sem Caráter) 350

 

Canção Anônima da Catalunha - Canção dos Pássaros  300

 

Concertino do naipe de violoncelos da Osesp desde 1997, Heloísa Torres Meirelles também realiza intenso trabalho camerístico junto a destacados músicos de sua geração. Bacharel em artes pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), estudou sob orientação de Antonio Del Claro e aperfeiçoou-se com David Strange em Londres e François Guye em Genebra. Cursou o Conservatório Nacional de Música de Lyon, na França, obtendo medalha de ouro em violoncelo e música de câmara na classe de Robert Duval. Vencedora de c rsos desde os 11 anos, integrou a Orquestra do Pan Pacific Music Camp, na Austrália, e a Orquestra Mundial da Jeunesses Musicalles, apresentando-se na Nova Zelândia, Canadá, Noruega, Alemanha, Holanda e Polônia. Como solista, atuou com orquestras como as sinfônicas de Jundiaí, de Piracicaba, da Unicamp, de Rio Claro, de Ribeirão Preto e com a Osesp.

__________________________________________________

 

Quinta-feira, 18/03, 20h

Trio Madera - cordas

Mayra Pezzutti - violino, Renato Bandel - viola e Denise Ferrari - violoncelo

 

Programa:

 

J. S. Bach (1685 - 1750) - Goldberg Variationen BWV 98

I.             Aria

II.            Var. 1

 

J. Haydn (1732 - 1809) - Divertimento in B-Dur Nr.8

I.             Adagio / Variationen

II.            Menuett

III.           Finale Presto

 

W. A. Mozart (1756-1791) - Divertimento in Es Kv 563

I. Allegro

III. Menuetto

 

M. Reger (1873 - 1916) - Trio Op. 77b

I.             Sostenuto - Allegro agitato

 

P. I. Tchaikovsky (1840 - 1893) - Serenata para cordas op.4

II.            Valsa

 

A. Piazzolla (1921 - 1992) Libertango

 

Formado por instrumentistas integralmente atuantes no cenário musical de São Paulo - capital interior - o Trio MADERA surgiu durante a pandemia através de alguns projetos de gravações realizados remotamente, onde seus integrantes notaram uma sintonia e interação que poderia possibilitar em apresentações efetivas e presenciais, explorando tanto o repertório original para formação como um crossover com o repertório popular brasileiro e estrangeiro. O repertório do Trio MADERA se estende desde Bach, Mozart e Beethoven até música brasileira erudita  popular, rock, cinema e temas para datas comemorativas.

 

Mayra Pezzuti, violino - Graduou-se em violino pelo Conservatório Riva del Garda (Itália), aperfeiçoou-se em performance instrumental pela Accademia di Pinerolo (Itália), vencedora do prêmio da Accademia di Salò (Itália), participou como bolsista de importantes festivais nacionais   e internacionais, tais como Festival de Campos do Jordão (Brasil) e Festival Accademia Chiagiana (Itália). Ao longo de seu percurso profissional integrou diversos grupos e formações musicais, tais como Accademia del Teatro alla Scala (Itália), Orquestra do Conservatório de Lugano (Suíça), Academia da Orquestra Sinfônica da USP (Brasil), Orquestra Filarmônica de Goiás (Brasil) Orquestra do Teatro Municipal de São Paulo (Brasil). Atualmente é integrante do grupo de tango Três Mundos e membro estável da Orquestra  Sinfônica de Jundiaí.

 

Renato Bandel, viola - Nascido em Piracicaba-SP, iniciou seus estudos de música aos seis anos de idade, com sua mãe. Renato é mestre em Música pela Universidade de Artes de Berlim. Aos 20 anos recebeu uma bolsa para estudar na Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim. Realizou concertos com a orquestra sob regência de Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Seiji Ozawa, Günter Wand, Zubin Mehta, Bernard Haitink, Simon Rattle, Nikolaus Harnoncourt entre outros, em várias cidades europeias. Durante sua estada de sete anos em Berlim, integrou “Ensemble Oriol Berlin”, realizando concertos na Alemanha, México, Portugal, com renomados solistas internacionais. Atuou também como músico convidado  na  Orquestra  Gulbenkian  (Lisboa / Portugal).

 

Renato exerce intensa atividade como camerista e solista. Participa como professor nos mais importantes festivais de música do Brasil, como Campos do Jordão, Curitiba, Poços de Caldas, entre outros.

 

Denise Ferrari, violoncelo - Natural de São Caetano do Sul, iniciou seus estudos musicais aos 6 anos e aos 15 começou a estudar violoncelo. É Bacharel em violoncelo pela Faculdade de Artes “Alcântara Machado” (FAAM) e em 2012 concluiu seu Mestrado em Performance – Violoncelo (Master of Music – “Musik und Kreativität”) pela Musikhochschule Münster (Alemanha).

 

Atualmente ocupa a posição de primeiro violoncelo na Orquestra Sinfônica de Santo André e integra o naipe da Orquestra Orquestra Municipal de Jundiaí. É também professora de violoncelo do Núcleo de Cordas de Barueri e integra o Quarteto de Cordas de Barueri e os grupos camerísticos “Palindrum” , “Quarteto Só Saia” e o espetáculo infantil “Crianceiras – Mário Quintana”.

__________________________________________________

 

Sexta-feira, 19/03, 20h

Duo Lanfranchi - Santoro

Livia Lanfranchi - flauta e Alessandro Santoro - Cravo

 

Programa – a confirmar.

 

O Duo de traverso e cravo com Livia Lanfranchi e Alessandro Santoro foi formado na época de seus estudos na Europa. Já se apresentaram na Holanda, Alemanha, Itália, Espanha e nas séries

is jovem finalista da história da Young Traditional Musician of the Year, do BBC, e venceu o primeiro prêmio do World Harp Festival para menores de quinze anos. Estudou na Purcell Music School em Londres. Foi solista em apresentações no Buckingham Palace, St. Martin-in-the-Fields e House   of Lords. Concluiu o Bacharelado em harpa no Conservatoire de Paris (CNR) onde foi premiada com o primeiro prêmio por sua performance em estudos orquestrais e solo, foi orientadora em Harpa Pedal e harpa celta no Conservatoire de Paris 17eme arrondissement.

__________________________________________________

 

Sábado, 20/03, 20h

Duo Della - Campbell

Pedro Dellarole - violino e Jennifer Campbell - harpa

 

Programa

 

Erik Satie (1866 - 1925) - Gymnopodie no. 1 - harpa solo

Claude Debussy (1862 - 1918) - Beau Soir

Maurice Ravel (1875 - 1937) - Kaddish (de 2 melodias hebraicas)

Camille Saint-Saëns (1835 - 1921) - Fantaisie para violino e harpa. op. 124

 

O duo Della & Campbell traz em seu repertório as vertentes da música contemporânea bem   como obras tradicionais para violino e harpa. Tem como objetivo levar até o público todo primor marcado por refinamento técnico, senso de conjunto, e interpretação estilística sofisticada, além da busca constante por diferentes palhetas de cores sonoras. Pedro Dellarole - Mestre pela Universidade de São Paulo em música, graduado pela Trinity College of London em Performance violinistica. Gravou ao lado de nomes importantes no cenário musical brasileiro. Ocupa-se com a pesquisa e com a grande arte do ensino sem deixar de ser  um músico versátil e atuante em diferentes linguagens musicais.

 

Jennifer Campbell - teve suas primeiras aulas de harpa celta aos cinco anos. Foi a mais jovem finalista da história da Young Traditional Musician of the Year, do BBC, e venceu o primeiro prêmio do World Harp Festival para menores de quinze anos. Estudou na Purcell Music School em Londres. Foi solista em apresentações no Buckingham Palace, St. Martin-in-the-Fields e House   of Lords. Concluiu o Bacharelado em harpa no Conservatoire de Paris (CNR) onde foi premiada com o primeiro prêmio por sua performance em estudos orquestrais e solo, foi orientadora em Harpa Pedal e harpa celta no Conservatoire de Paris 17eme arrondissement.

__________________________________________________

 

Domingo, 21/03, 17h

João Paulo Amaral - viola caipira

                                                    

Programa – a confirmar.

 

Pesquisando a viola caipira há mais de vinte anos, e com experiência nacional e em palcos de Portugal, Espanha, México, Inglaterra e Estados Unidos, o músico, pesquisador e compositor João Paulo Amaral se destaca por propor novos caminhos musicais para a centenária viola caipira. Seu contato com a música caipira começou na infância, quando acompanhava seu pai   em cantorias na sua cidade natal, Mogi das Cruzes – SP, e nas viagens ao sul de Minas Gerais. Graduou-se em música popular pela Unicamp, onde estudou violão com Ulisses Rocha. Pós- graduado pela mesma universidade, defendeu o primeiro mestrado em música sobre a viola caipira do país, com pesquisa sobre o lendário violeiro Tião Carreiro, sob orientação do Prof.   José Roberto Zan.

 

Integrou importantes grupos no cenário da viola como Trio Carapiá e Orquestra Filarmônica de Violas, grupo criado e dirigido por Ivan Vilela onde teve contato e aprendizado com este e outros mestres da viola como Vinícius Alves e Messias da Viola, e que desde 2011 está sob sua direção. É professor de viola caipira da EMESP Tom Jobim (desde 2005) e da Faculdade Cantareira (desde 2009), autor do método de viola utilizado pelos professores do projeto Guri e do livro/CD “Viola Caipira - arranjos instrumentais de musicas tradicionais”, vencedor do prêmio  Ney  Mesquita e com 2a edição relançada em 2019 em formato eBook com vídeos. Em 2010, com seu trio formado por Alberto Luccas (baixo acústico) e Cléber Almeida (bateria e percussão), lançou “Viola Brasileira”, seu primeiro álbum em carreira solo, elogiado pela crítica especializada.






Nenhum comentário