21 fevereiro 2018

[Resenha] Ninguém vira adulto de verdade


Sinopse:
As tirinhas certeiras de Sarah Andersen, que já contam com mais de 1 milhão de fãs no Facebook, registram lindos fins de semana passados de pernas pro ar na internet, a agonia de andar de mãos dadas com alguém de quem estamos a fim (e se os dedos ficarem suados?!), a longa espera diária para chegar em casa e vestir o pijama, e a eterna dúvida de quando, exatamente, a vida adulta começa. Em outras palavras, este livro é sobre as estranhezas e peculiaridades de ser um jovem adulto na vida moderna. A sinceridade com que Sarah Andersen lida com temas como autoestima, timidez, relacionamentos e a frequência com que lavamos o sutiã torna impossível não se identificar com esses quadrinhos hilários e carismáticos.
O que eu achei?
Esse é um livro que você lerá em no máximo duas horas, é pouco tempo mas a diversão será intensa e grande. Sarah Andersen retrata inúmeras situações que passamos quando estamos virando adultos ou pensa que nunca terá maturidade, espírito ou preparado para ser um adulto segundo as normas sociais. Então se você acha que não consegue ser um adulto de verdade esse livro é para você.

Entre as diversas situações que a autora retrata entre elas está quando temos que decidir o que ser quando crescer, ao ter uma casa própria e não conseguir nos primeiros meses controlar seu dinheiro, para os introvertidos ter que voltar às aulas ao entrar na faculdade e ter que relacionar-se com as pessoas quando obviamente você não quer. Não conseguir desapegar de seus bichinhos de pelúcias e muitas outras coisas que são consideradas para “crianças”e você não acha certo e nem justo.

Das muitas tirinhas identifiquei-me com várias, acho que diria a maioria, a pessoa com espírito de criança aqui sou, amo animações, adoro brinquedos e cuido deles como se fossem filhos, tem atividades voltadas para crianças e que eu acharia super normal um adulto participar. Brincadeiras a parte, ser adulto não deve ser fácil, eu ainda não considero-me uma mesmo estando na idade, assim como a personagem do livro, estou entrando pra Faculdade, começando a ter minhas responsabilidades e aprendendo a valorizar mais um salário.

Acho que a maioria aqui vai concordar que quando está começando a chegar na casa dos trinta ou quase quarenta, e você desde muito nova não quis ter filhos e não vai ter mas as pessoas ao seu redor, principalmente a família vai fazer dissertações de como é ter um filho, que é um milagre, benção, verdadeira felicidade etc. Não julgando quem tenha mas as pessoas deveriam aceitar e respeitar mais quem optou não ter ou criar filhos, isso não torna ninguém menos feliz ou com menos responsabilidades.

Teve muitos quadrinhos que adorei e achei bastante graça foi os que retratam bem a minha vida como quando um dia acordo achando-me linda e chego na rua vejo alguém mais bonita e arrumada do que eu e deixo o pensamento de lado, ficar procrastinando quando tenho que fazer resenha ou estudar, nesses dias eu arrumo tarefa ou desculpa em tudo; o amor pelos livros e como às vezes fico abraçada ou cheirando-os, quando vou comprar roupa e vejo que o PP ficou grande e sinto-me a magrela e quando vou vestir um G sinto-me enorme e fico tentando imaginar como que essas pessoas escolhem esses tamanhos. São tantas tirinhas cômicas que fica impossível falar de todas aqui.

A qualidade das tirinhas é incrível, como a autora consegue captar bem a essência das situações em pequenos quadrinhos, sem contar as múltiplas expressões da personagem que dão um toque a mais na história combinando isso com as muitas frases cômicas mostrando como a autora virou um sucesso na internet.

Espero que a Sarah faça mais dessas tirinhas e faça outro livro porque eu preciso e quero muito ler outros quadrinhos tão divertidos e engraçados como este e parece que ela pretende lançar um este ano, então já estou torcendo. Se um dia eu estiver querendo rir ou apenas ler algo só para passar o tempo, com toda certeza voltarei a este livro.

A Seguinte fez um excelente trabalho na composição deste livro, a capa ficou maravilhosa e achei bem melhor que a original. A tradução do André Czarnobai ficou excelente, a revisão e diagramação ótimas.

Se você acha que não é considerado um adulto de verdade não pode deixar de divertir-se e deliciar-se com esse livro que retrata tão bem o que muitas pessoas passam.
Por Thaís Marinho

Um comentário

  1. Oi, tudo bem? Já vi algumas tirinhas desse livro pela internet e me fez querer ler o livro. Parece ser muito divertido!
    Vou colocar na wishlist.

    Beijos,
    Jéssica
    http://snowhitejt.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir