22 fevereiro 2018

[Crítica] A Grande Jogada

 SinopseApós perder a chance de participar dos Jogos Olímpicos devido a uma fatalidade que resultou em um grave acidente, a esquiadora Molly Bloom (Jessica Chastain) decide tirar um ano de folga dos estudos e ir trabalhar como garçonete em Los Angeles. Lá conhece Dean Keith (Jeremy Strong), um produtor de cinema que decide contratá-la como assistente. Logo Molly passa a coordenar jogos de cartas clandestinos, organizados por Dean, que conta com clientes muito ricos e famosos. Fascinada com o ambiente e a possibilidade de enriquecer facilmente, Molly começa a prestar atenção a todos os detalhes para que ela própria possa organizar jogos do tipo.
O que eu achei?
Aaron Sorkin, definitivamente teve "A" estreia, com A GRANDE JOGADA.
O Thriller dramático, baseado em uma história real, marcado por rápidos diálogos e enredo envolvente, te transmite as informações em piscar de olhos.

Chastain mostra para que veio, dando um show e mostrando a força da mulher na trama, que tanto gostamos de ver, logo após ter sido impedida de participar dos jogos olímpicos, se vê buscando novas oportunidades e logo começa a ser chamada de “A Princesa do Poker”.

Mas, nem tudo são flores, e logo poderosos estão a sua busca e ela se vê na mais delicada das situações. Racional ao extremo, traça um plano e parte em busca do objetivo,sabendo  o que quer. Molly usa de todos os artifícios, principalmente a sensualidade.


O elenco conta também com Idris Elba, que interpreta o advogado, que tem como missão livrar Molly de sua acusação. A relação entre os dois é algo muito marcante e de grande foco na trama.


Contudo, alguns "problemas" podem ser percebidos, ou não; como por exemplo o desenrolar da queda do império de Molly, é nítido que ela trabalha muito, e em meio a um universo quase que exclusivamente masculino, onde sempre há alguém para lembra-la disso; Porém essa guerra entre sexos, foi deixada de lado, e o foco foi dado ao problema de relacionamento entre Molly e o Pai, estrelado por Kevin Costner.


Mesmo com o que citamos acima, é um longa dá gosto de ver, envolvente e dinâmico, mostra um universo que poucos longas abordaram até hoje, porém com muita propriedade; O elenco se mostrou muito entrosado, o que tornou o filme ainda mais agradável aos olhos, além de linda fotografia. Acredito que podemos esperar outras obras sensacionais vindas de Sorkin.


Trailer:



Por Juliana Brito






2 comentários

  1. Obrigado pela crítica eu vi o filme por o elenco. Idris Elba esta impecável tambem no filme A Torre Negra. Ele sempre surpreende com os seus papeis, pois se mete de cabeça nas suas atuações e contagia profundamente a todos com as suas emoções. Adoro porque sua atuação não é forçada em absoluto. Suas expressões faciais, movimentos, a maneira como chora, ri, ama, tudo parece puramente genuíno.Ancho que este é umo dos melhores Idris Elba film é bom ator, porque tem muitos fãs que como eu se sentem atraídos por cada estréia cinematográfica que tem o seu nome exibição. Além, acho que a sua participação neste filme.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por compartilhar conosco sua opinião.
    Beijos.

    ResponderExcluir