24 fevereiro 2018

[Crítica] Trama Fantasma

Sinopse: Década de 1950. Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis) é um renomado e confiante estilista que trabalha ao lado da irmã, Cyril (Lesley Manville), para vestir grandes nomes da realeza e da elite britânica. Sua inspiração surge através das mulheres que, constantemente, entram e saem de sua vida. Mas tudo muda quando ele conhece a forte e inteligente Alma (Vicky Krieps), que vira sua musa e amante.


O quê eu achei ?
Embora possa parecer um filme romântico pelo pôster e trailer, não vá assistir Trama Fantasma esperando um romance ideal. Essa é uma história de uma obsessão e duvido que o personagem principal realmente amava sua musa. A história começa na Londres na década de 50 e nos apresenta Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis, eternizado por filmes como O último dos moicanos, Meu pé esquerdo e Lincoln e mais uma vez indicado ao Oscar de Melhor Ator)um estilista que faz roupas para a alta sociedades britânica. Seu carisma é contrastado por sua personalidade controladora e possessiva. Solteiro, ele mora com sua irmã Cyril (Lesley Manville, indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante)que é responsável pela gestão de seu ateliê, The House of Woodcock, que fica localizada na casa deles (nem preciso dizer que é uma mansão escandalosa de linda). Assombrado pela morte da mãe, ele costuma esconder mensagens ocultas dentro das tramas de suas criações.Ele usa suas modelos como fontes de inspiração e se envolve superficialmente com cada uma mas sem se aprofundar em nenhuma em especial.
Tudo isso muda quando ele viaja para um restaurante no campo e conhece Alma Elson (Vicky Krieps), uma simples garçonete.Ele a convida para um encontro e ela aceita.Eles começam um relacionamento que vai gradativamente evoluindo e ela acaba se mudando para a residência dos Woodcock. A princípio, Cyril fica meio desconfiada em relação à ele mas depois passa a gostar dela.
A princípio, Alma gosta da ideia de ser uma diva, uma musa inspiradora para Reynolds mas conforme ela vai conhecendo-o melhor,passa a conhecer seu lado obsessivo e difícil de agradar. 
Você pode até achar a narrativa meio chata e melancólica mas os figurinos são de encher os olhos. A transição de cenas feita com notas de um piano dão um ar erudito e sofisticado ao filme. Foi indicado ao Oscar de Melhor Figurino e Melhor Trilha Sonora e é um forte concorrente para ambas as categorias.
Um ponto alto do filme é a crítica à hipocrisia das relações entre os membros da alta sociedade. Todos são educados uns com outros, mesmo que se detestem.O resultado é um filme belo em sua essência, uma crítica à superficialidade das relações e uma atmosfera em que as aparências mostram a ponta do iceberg do que as coisas realmente são. Embora eu tenha gostado mais de A forma da água e de Três anúncios para um crime, Trama Fantasma também tem chance na categoria principal do Oscar.

Trailer:


Nenhum comentário

Postar um comentário