09 outubro 2017

[Resenha] A história da ciência para quem tem pressa

Desde os tempos antigos, homens do mais brilhante intelecto vêm tentando entender o universo observando corpos celestes situados muito além de nossa capacidade de observação ou contato — desde os menores átomos às mais distantes estrelas. A História Da Ciência para Quem Tem Pressa é um guia essencial para o leitor que queira conhecer os resultados de 2.500 anos de atividades e esforços na área da ciência. É uma obra que trata simplificadamente, em ordem cronológica, das principais descobertas dos mais fecundos pensadores atuantes em cada um dos ramos da ciência, entre os quais podemos citar Aristóteles, Galileu, Fibonacci, Darwin, da Vinci, Curie, Edison e Hawking. O livro dá destaque também às vidas e os trabalhos dos cientistas mais influentes. Nele, o leitor saberá, entre muitas outras coisas interessantes, que Ptolomeu teve que corrigir certo aspecto de suas convicções para que se harmonizasse com suas teorias; que Freud usava cocaína em suas sessões de atendimento psicoterápico para “expandir” a própria mente; e que Tim Berners-Lee, o inventor da Rede Mundial de Computadores (WWW), foi proibido de usar computadores de sua universidade depois que descobriram que ele estava violando o sistema. Também com seu objetivo de demonstrar que a curiosidade humana não tem limites, esta obra apresenta a vida e os feitos dos visionários que ousaram contestar “verdades” consagradas e cujas teorias mudaram nossa forma de ver o mundo.
O que eu achei?
Quando a editoria Valentina disponibilizou esse livro para solicitação, admito que por muito pouco não o ignorei. Logo de cara me passou uma sensação de livro acadêmico. E de certa forma ele é, pois entrega estritamente o que promete: fatos científicos; mas isso não quer dizer que deixe o entretenimento totalmente de lado.

As autoras apresentam toda a evolução científica em sete capítulos: Astronomia e Cosmologia, Matemática, Física, Química, Biologia, O ser humano e a medicina e Geologia e Meteorologia; estruturando de maneira que tudo se organize tanto acadêmica quanto cronologicamente. Desde os primeiros métodos utilizados para a observação dos astros até a invenção do telescópio óptico, do surgimento da sequência Fibonacci (logo me lembro de O Código Da Vinci e bate uma saudade!) à Teoria do Caos, e por aí vai.

Esse é definitivamente um livro para quem possui mente aberta quanto aos mais variados assuntos, algo que não tenho em quantidade adequada. Como uma boa pessoa de Humanas, coisas relacionadas à Matemática e Física me dão tonteira só de pensar, de modo que a leitura de tais sessões foi bem difícil em comparação às sessões de Astronomia que me fascinaram.

Minhas partes favoritas são as pequenas biografias, tanto das grandes figuras como dos nomes que muito contribuíram para a pesquisa científica e pouco recebem crédito sobre isso. Por toda minha vida — e acho que isso é comum entre todos — aprendi sobre grandes feitos. As grandes descobertas que trouxeram o ser humano ao patamar que se encontra hoje. Mas nunca sobre quem realizou os experimentos necessários para chegar a tais conclusões. Então, saber, mesmo que de forma extremamente sucinta, sobre as mentes por trás das inovações foi muito interessante.

Particularmente prefiro ler uma obra de uma ponta à outra, esse livro seria uma boa exceção. Possui um quê de consulta, do tipo a ser deixado na mesa da sala para ler uma história outra quando vier à telha. Por mais que tenha sido um livro que me tirou totalmente da minha zona de conhecimento, onde me sinto mais apto a opinar conforme a banda toca, A História da Ciência Para Quem Tem Pressa não deixa de ser uma leitura muito rica mesmo que bastante concisa e direta.

Um comentário

  1. Oi Julio, tudo bom?
    Assim como você, acho que rejeitaria esse livro inicialmente.
    Mas que bom que você se permitiu sair da sua zona de conforto e acabou tendo uma experiência positiva, né?
    A obra parece realmente uma pedida interessante!

    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir