31 julho 2018

[Programação] Teatro de 31 de julho a 7 de agosto

    Confira a programação de teatro do RJ de 31 de julho a 7 de agosto:

                       Teatro da Gávea:

        Aquarela da Gata Maria, de 21 de julho a 8 de setembro, às 15h, 60 a inteira e 30 a meia.


A Gata Maria personagem dos Saltimbancos, como conta sua história fugiu da sua patroa e foi para o Telhado. Lá conheceu uma banda de Gatos e aprendeu a tocar violão! Com tanta liberdade e aventuras se interessou pela música Brasileira e seus grandes compositores e passou a cantar músicas de Toquinho, Chico Buarque, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Paralamas do Sucesso e as mais lindas Cantigas de Roda de domínio público! Assim começou a viver da música e alegrando as crianças, proporcionando a oportunidade das crianças brincarem de ser artistas, subindo ao palco, soltando a voz e experimentando coreografias. Este exercício de espontaneidade e liberdade encanta a todos, as crianças até as tímidas tem vontade de participar e tudo flui de uma forma muito lúdica e respeitosa. Assim papais, mamães, vovós, vovôs, titias cantam junto e a cada apresentação algo fantástico acontece com todos que participam! Uma transformação para melhor! O exercício da auto – estima!
Maria Lucia Priolli começou muito cedo a ser artista, com apenas 5 anos de idade! Esta oportunidade é seu desejo para oferecer para todas as crianças! É um espetáculo de amor e fofura!

  O barquinho da Malu, domingos ás 11h, 60 a inteira e 30 a meia.

Espetáculo aplaudido por pais, educadores, psicólogos e pedagogos. Conceitos da gestação, nascimento, família, a sustentabilidade e a inserção deresponsabilidade com o meio ambiente e outros importantes conceitos socioculturais são apresentados de forma lúdica junto à educação artística. A bebezinha Malú interage com bichinhos dublados e as crianças acompanham ,“hipnotizadas”, a linguagem apropriada à idade. Mescla técnicas dos musicais com cuidadosa adaptação aos bebês e primeira infância com canções criadas para a peça e cenário embasado na cromoterapia. No final, as crianças participam de uma vivência sensorial com seus pais com os objetos de cena e bichinhos que tanto chamaram a atenção no espetáculo. A direção é do ator e músicoAlan de Oliveirae de Liliana Rosa, atriz portuguesa fundadora da Cia que também está no elenco interpretando Malú.Alan também assina a produção musical e letras de algumas das canções e desenvolve a pesquisa, junto à Liliana, embasado em sua experiência com bebês em sala de aula. O texto também é assinado por Liliana e Alan.A Cia. é reconhecida pela crítica e veículos de comunicação como Revista Mente & Cérebro, Veja, O Globo e o programa Ana Maria Braga. Os espetáculos já foram prestigiados com a visita de grandes atrizes como Gabriela Duarte, Cissa Guimarães, Débora Falabella e Isabela Garcia com suas famílias na plateia.

 Vou deixar de ser feliz por medo de ficar triste?, sexta e sábado, ás 19h, 80 reais valor único.



A partir de 1º de junho o Teatro das Artes recebe a comédia romântica “Vou deixar de ser feliz por medo de ficar triste?”, de Yuri Ribeiro, com argumento do próprio autor em conjunto com Claudia Wildberger. Para contar a história do casal Andréia e Daniel, o diretor Jorge Farjalla optou por uma linguagem poética e lúdica para criar uma montagem não realista, transformada em fábula.

Se valendo da atualidade do tema, Yuri Ribeiro, que também está como ator, resolveu transformar sua experiência de vida em espetáculo teatral. O espetáculo aborda as várias fases de um relacionamento amoroso, prometendo deliciosas risadas e muita reflexão. No palco, Paula Burlamarqui dá vida a Andrea, uma mulher mais “experiente” que casa com Daniel, interpretado por Ribeiro, um rapaz que tem uns bons anos de experiência a menos que ela. O filho de Andrea, Caio (Vitor Thiré), brincalhão e piadista, não se dá muito bem com “a espécie de irmão mais velho que ele arrumou”.
Vou Deixar De Ser Feliz Por Medo De Ficar Triste? é uma produção da CW MARKETING em parceria com a BRAIN +. Espetáculo com aproximadamente 70 minutos de duração, promete conquistar um público diversificado, emocionando e, principalmente, divertindo com um humor leve e inteligente.

                                         Os Saltimbancos, sábados, domingos e feriados às 15h, 60 a inteira e 30 a meia.

O musical “OS SALTIMBANCOS’’ é um clássico da nossa dramaturgia infantil.
Adaptado brilhantemente por Chico Buarque,tornou-se referência para várias gerações e até hoje encanta crianças e adultos por sua magia.
Ao longo da trajetória de 25 anos, o elenco de “Os Saltimbancos” contou com nomes como: Alexandra Richter, Suely Franco, Mônica Martelli, Telma Leite, Nizo Neto, Andrea Veiga, Ricardo Graça Melo, Ruben Gabira, Felipe Dylon, entre outros, que estão sendo homenageados ao longo da nova temporada. No elenco atual, além de Maria Lucia Priolli, estão Julie Duarte, André Rayol e Claudio Gardin, que reveza o personagem do Jumento como ator Cristiano Sauma.
A peça conta a história de quatro animais: Gata, Cachorro, Jumento e Galinha, que fogem se suas casas por receberem maus tratos de seus patrões. Rumo a cidade grande se encontram e formam um conjunto musical. Através da união seguem um caminho de liberdade onde amor, respeito e amizade são fundamentais. “Nas sessões especiais que iremos realizar entre novembro e dezembro, esses sentimentos serão ainda mais valorizados, através de algumas canções natalinas que iremos cantar com as crianças”, finaliza Priolli.

       O mágico de Oz-Uma aventura em busca do sonho, sábados, domingos e feriados ás 17h, 60 a inteira e 30 a meia.

Após grande sucesso nos últimos anos, o espetáculo “O Mágico de OZ, uma aventura em busca do sonho” volta aos palcos do Teatro Vannucci em 2018 para uma nova temporada encantando crianças e adultos.

Desde sua estreia, em 2014, a montagem recebeu ótimas críticas pela adaptação e direção (Carla Reis), canções originais (Bruno Camurati), cenário (Pedro Valério) e figurinos (Fernanda Lima. Foi eleita pela revista Veja Rio entre as cinco melhores peças em cartaz na cidade. Ganhou o prêmio de “Melhor Diretor de Teatro Infantil”, além de ser indicado em diversas categorias como: Melhor Espetáculo do ano, Melhor Texto, Melhor Ator e Melhor Atriz, na premiação do site Botequim Cultural.
O musical traz como destaque principal a linha tênue entre o bem e o mal através do conflito da famosa Bruxa Má do Oeste. A dúvida em escolher ser uma Bruxa Boa ou uma Bruxa Má conduz a história e que faz com que todos os outros acontecimentos se desenrolem na trama a partir deste ponto.
Com muito humor e emoção, coreografias e números musicais, cantados ao vivo, que inclui desde country até hip-hop na trilha, o espetáculo é moderno, mas mantém toda a essência do conto original e magia do mundo de Oz. Seus personagens lúdicos e inesquecíveis contam a trajetória de uma menina, um espantalho, um homem de lata e um leão que vão à procura do Mágico de Oz para realizar seus sonhos, mas são impedidos pela Bruxa Má. A partir daí, cada um deles descubra dentro de si qualidades que eles nem imaginavam que possuíam: inteligência (espantalho), sentimentos (homem de lata), coragem (leão).
Publicado pela primeira vez em 1900, ‘O Mágico de Oz’ tornou-se um dos livros mais lidos e amados de todos os tempos e se matem atual e necessário até os dias de hoje. Um ótimo programa para a família.
Uma verdadeira lição de vida e aprendizado sobre quem realmente somos nós!

                  Rock for babies, dias 4 e 5 de agosto às 16h, 70 a inteira e 35 a meia.

A apresentação, voltada para CRIANÇAS DE TODAS AS IDADES e inclusive para BEBÊS, trata-se de um show interativo, onde cada música propõe manipulações de objetos cênicos e brincadeiras que as crianças podem participar de seus lugares, ou no próprio palco em alguns momentos. O repertório inclui rock nacional e internacional que vai desde Celly Campello e Skank até adaptações de Beatles, Guns N’ Roses, Nirvana, Pink Floyd e muitos outros.
O Violúdico faz versões musicais bastante divertidas, transformando cantigas em rock and roll, parodiando clássicos, criando mash – ups e, claro, cantando alguns sucessos na íntegra, de um jeito único que permite contar histórias e brincar muito.
Os rapazes do Violúdico advertem: até quem não gosta de rock and roll irá gostar demais do Rock for Babies do Violúdico!

             Lololendi, sábado e domingo ás 17h, de 21 de julho a 30 de setembro (não haverá sessão nos dias 18 e 19 de agosto), 40 a inteira e 20 a meia.

Heloísa Périssé está de volta aos palcos e em dose dupla. Além de escrever e atuar na comédia Loloucas, em que fala da passagem do tempo e da amizade, a atriz, autora e roteirista assina outro projeto simultaneamente, desta vez destinado ao público infantil. O musical Lololendi, idealizado em parceria com o diretor Paulo Dimantas, ocupa o mesmo Teatro dos Quatro que abrigará o espetáculo adulto, em sessões vespertinas nos fins de semana, a partir de 21 de julho. Com copatrocínio da Vivo, forte incentivadora do teatro brasileiro, a peça fica em cartaz até 30 de setembro e conta a história de uma ex-dona de cantina de escola que vira cuidadora de crianças e, sem abrir mão da tecnologia, mostra a elas que há todo um mundo de brincadeiras e aventuras além da telinha do celular.
“Eu e Paulinho (Paulo Dimantas, diretor, roteirista e produtor, enteado da atriz) há um bom tempo pensamos em fazer algo juntos. E sempre que a família se reúne, inventamos brincadeiras para Pietra, a filha dele de 5 anos, e isso, aos poucos, foi se desenhando em um projeto e dando material para bolarmos a peça”, explica Heloísa, que escreveu o texto, montado com a direção de Paulo. “Comecei minha carreira trabalhando com teatro infantil e sempre quis fazer uma personagem que fosse uma mistura de Mary Poppins, Noviça Rebelde e Nanny McPhee”, confessa a atriz.
No musical, Lolô é ex-dona da cantina de uma escola, que fecha por causa da crise. Pressionada pelas dívidas e por Leleco Casas (Vitor Thiré) – rico proprietário de vários imóveis da região, que faz de tudo para comprar a casa que é da família dela há várias gerações –, Lolô resolve virar cuidadora de crianças e resgatar brincadeiras da sua época como pique esconde, pique pega e pula bandeira. Ao perceber e despertar o talento e as habilidades de cada criança em áreas como esportes, moda, culinária, música e contação de histórias, Lolô faz de sua casa – que, desde pequena, acredita ser encantada – um lugar de magia e diversão, o sonho de qualquer criança: a Lololendi. Quem pontua a história como narradores são os cachorros Arroz e Feijão, que vivem no quintal da casa, bonecos manipulados por Thaisa Violati e Alexandre Guimarães, que pularam da realidade para a ficção: “São os nomes dos meus cachorros de verdade. E eu e Paulinho já nos divertíamos, inventando vozes e personalidades para eles, nas brincadeiras com Pietra e resolvemos colocá-los na peça”, diverte-se Heloísa.
Para criar esse mundo fantástico, o diretor Paulo Dimantas elaborou uma cena em que a tecnologia marcasse presença, com uso de projeções e vídeo mapping (criados por Dado Marietti e Bruno Grieco), e ao mesmo tempo destacasse o caráter lúdico das brincadeiras que atravessam gerações, concretizada na cenografia colorida e geométrica de Teca Fichinski, que assina também o figurino. Seguindo a mesma linha, a luz de Maneco Quinderé acentua o lado mágico e alegre que permeia o espetáculo: “Não há como ignorar que as crianças são tecnológicas hoje em dia, mas pensamos em usar isso de uma forma que elas conseguissem ser crianças e ao mesmo tempo não ficassem bitoladas nesse mundo cibernético; que o celular, ao invés de tomar conta da vida delas, fosse uma ferramenta para explorar suas habilidades”, explica Paulo.
A trilha sonora inédita, com letras de Heloísa Périssé e melodias do diretor musical Max Viana (há ainda um música assinada por Raquel Farias) é interpretada pelo elenco, que canta e dança as coreografias criadas por Johayne Hildefonso e Gisele Bastos.
Em breve, a peça irá extrapolar o palco para ganhar um canal no Youtube: “A história tem potencial para vários desdobramentos. Temos várias ideias a partir desse trabalho e essa é uma que já iremos colocar em prática”, adianta Heloísa.

                           Teatro Bradesco

    Al Di Meola, 1 de agosto de 2018, às 21h, de 110 a 280 reais.

Atenção: O Meet & Greet com o artista é vendido separadamente, NÃO INCLUI ACESSO AO SHOW.  *M&G não possui valores de meia-entrada.

O lendário guitarrista e compositor de Latin jazz fusion, vencedor do GRAMMY, Al Di Meola, iniciará o seu altamente esperado Opus Acoustic Tour pela América do Sul, em Montevidéu (Uruguai), seguido por apresentação pelo continente.
Com a sua banda acústica, Di Meola comemora o seu aniversário de palco de 45 anos, apresentando o seu legado, assim como focando no seu atual álbum de estúdio OPUS (earMUSIC). Este álbum explora as últimas quatro décadas de uma carreira excepcional, enquanto desafia a si mesmo e à sua música, fazendo uma afirmação positiva sobre uma nova perspectiva de vida. "Com OPUS, eu queria estimular as minhas habilidades de composição porque eu acho que a evolução desta parte da minha pessoa me rotulou mais como compositor/guitarrista do que como guitarrista/compositor", diz Di Meola. Este álbum marca uma nova era na vida de Di Meola. "Pela primeira vez na minha vida, eu escrevi música sendo feliz. Estou num relacionamento maravilhoso com a minha esposa, tenho uma filhinha e uma família linda que me inspira todos os dias. Eu acredito que isso aparece na música."
Di Meola é um pioneiro por mesclar world music e jazz. Ao decorrer das últimas quatro décadas, a lenda viva de guitarra explorou as influências ricas da música flamenca, tango, do Oriente Médio, brasileira e africana. Os álbuns de Di Meola foram vendidos mais de oito milhões de vezes, mais do que qualquer outro artista de jazz fusion, sendo o mais vendido do gênero. Os fãs e os aficionados de guitarra ficarão deslumbrados pela combinação de talento inigualável e romantismo raro que evoca de suas várias guitarras no álbum Elysium, o que permanece um dos seus manifestos de seis cordas mais cativantes numa carreira longa e ilustre.
Durante uma carreira de mais de 40 anos marcada por gravações muito influentes e turnês mundiais, Di Meola, que conquistou mais prêmios de guitarra do que qualquer outro guitarrista na história, da revista de guitarra mais prestigiosa, "Guitar Player", regenerou o idioma de jazz três vezes enquanto se dedicou à sua arte.
"OPUS ACOUSTIC TOUR" de Al Di Meola é uma jornada musical que comemora acusticamente os seus primeiros anos até o seu trabalho mais recente. A turnê destacará algumas releituras de Di Meola a composições de Astor Piazzolla e de Lennon e McCartney, assim como o seu álbum de estúdio, OPUS.

                    CCBB RJ:
   Lugar nenhum-uma peça-ensaio da Companhia do Latão, até 6 de agosto, das 19:30 às 21:10.30 a inteira e 15 a meia.

Em comemoração aos seus 20 anos, a Companhia do Latão apresenta espetáculo inédito inspirado em escritos de Anton Tchekhov. A peça dialoga com as primeiras encenações da companhia, tanto por adotar a forma livre de uma peça-ensaio como por refletir novamente sobre os desajustes ideológicos na experiência cultural brasileira.


Nenhum comentário

Postar um comentário