06 julho 2018

[Resenha] A Mulher Entre Nós


Sinopse: Aos 37 anos, a recém-divorciada Vanessa está no fundo do poço. Deprimida, morando no apartamento de sua tia, ela não tem filhos, dinheiro ou amigos verdadeiros. Ao descobrir que Richard, seu rico e carismático ex-marido, está prestes a se casar de novo, algo dentro de Vanessa se quebra. A partir de agora, sua vida irá revolver em torno de uma única obsessão: impedir esse matrimônio. Custe o que custar.
Na superfície, Nellie se parece com qualquer outra jovem bela e sonhadora que veio para Manhattan começar sua tão sonhada vida adulta. Mas a personalidade tranquila que ostenta é apenas uma fachada. Em sua mente, perdura um segredo que a fez fugir de sua cidade natal e que a impede de caminhar em paz quando está sozinha.
Ao conhecer Richard – bem-sucedido, protetor, o homem dos sonhos – ela finalmente começa a sentir-se segura. Ele promete protegê-la de todos os males, para o resto de sua vida. Mas, de repente, ela começa a receber ligações misteriosas. Fotografias em seu quarto são movidas de lugar. O lenço que ela planejava usar em seu casamento desaparece. Alguém está perseguindo-a, alguém quer o seu mal. Mas quem?



O que eu achei?

“A Mulher Entre Nós”, livro escrito por Greer Hendricks e Sarah Pekkanen, tem como missão fazer a sua mente de boba e acabar com as suas convicções enquanto lê.

A trama segue um jogo de aparências, com duas mulheres, a futura esposa e a ex mulher, que tem em comum um homem muito bem sucedido: Richard. Este é o ponto central da história, ao qual todos os pontos convergem, mas há um mundo de coisas que completam o suspense, o que torna escrever essa resenha um exercício extremamente complicado.

O livro é dividido em três partes, mas não há muitas quebras de tempo. O que acontece é uma divisão em relatos de um passado e um presente, que logo após um tempo revelam planos para um futuro. Como posso dizer sem entregar a história? O livro nos leva numa passeio entre passado e presente de forma a nos mostrar as possíveis causas e efeitos daquele casamento.

As personagens se apresentam em extremos psicológicos e emocionais. Ou são extremamente responsáveis e controladas, ou são traumatizadas até o osso, assombradas por um passado que vamos descobrindo aos poucos. E quando digo aos poucos, quero dizer quase por migalhes, uma vez que a história nós é contada ao gosto das autoras, que criaram muito bem o conceito de resgatar o passado em memórias que brotam do nada, em meio a uma situação corriqueira. São lembranças quase que fragmentadas que vão se clareando com o decorrer da história.

O suspense vem de várias direções. Tanto por conta da tensão e dos momentos claustrofóbicos vivenciados por uma das protagonistas, quanto pelos segredos que ela teme revelar – ou, aparentemente aceitar, além de traumas ainda mais antigos que volta e meia ressurgem para assombra-la. Há também um jogo de identidades nessa história, já que nada é o que parece, há a possibilidade de ninguém ser quem diz. Supor algo enquanto se lê este livro é como tirar uma foto com os olhos fechados – ou algo do tipo.

A história segue interessante e até instigante por um tempo, mas se torna linear, não conseguindo criar muita tensão. Algumas revelações nos pegam de surpresa, e com muita força, mas são momentos que por vezes passam rápidos demais. Por um lado isso é interessante, visto que é um dos aspectos que mais achei interessante na construção da história – que é a manipulação, onde um é subjugado e oprimido. O medo é um elemento também muito importante, pois ele dita o andar de uma das protagonistas, e nos situa no cotidiano dela – sério, é muito difícil falar disso sem spoiler.

O que eu posso dizer que há de bom nesse livro é como é abordado o tema das aparência em um casamento. Porque, basicamente, é nisso que a história se vale. O que se esconde por trás das aparências de um casal lindo e um casamento perfeito; o que uma vida bem sucedida, sem escassez de nada tem de mais obscuro para esconder. As personalidades são bem criadas até certo ponto, mas nem tudo são flores.

A história, como disse, é um pouco linear, com poucos momentos de grande tensão – que logo passam. Aos diálogos, falta uma profundidade emocional e um certo desespero que seriam necessários em algumas cenas, e a atmosfera de suspense as vezes se perde, deixando a história monótona e falhando ao tentar reerguer a tensão outra vez.

No geral, é um livro interessante de se ler pela história e pelos jogos entre as personagens, mas como um todo, me pareceu um pouco fraco e forçado em alguns momentos.

Booktrailer

Nenhum comentário

Postar um comentário