27 outubro 2017

[Resenha] Pílulas azuis

Nesta narrativa gráfica pessoal e de rara pureza, por meio de um roteiro simples e de temas universais (o amor, a morte), Frederik Peeters conta sobre seu encontro e sua história com Cati, envolvendo o vírus ignóbil que entra em cena e muda tudo, e todas as emoções contraditórias que ele tem de aprender a gerenciar: amor, raiva, compaixão. Pílulas azuis nos permite acompanhar, sem nenhum vestígio de sentimentalismo, através de um prisma raramente (senão nunca) abordado, o cotidiano de uma relação cingida pelo HIV, sem deixar de lançar algumas verdades duras e surpreendentes sobre o assunto. Apesar da seriedade do tema, Pílulas azuis é uma obra cheia de leveza e humor. Não é à toa que é considerada por muitos a obra-prima de Frederik Peeters. Uma das mais belas histórias de amor já publicadas.
O que eu achei?
Numa história de autoconhecimento entre duas pessoas que descobrem juntos o amor e como viver com tantas diferenças, essa HQ conta a história biográfica de Fred e Cati, ela é soropositiva e juntos terão que enfrentar diversas dificuldades. 

Fred era um homem comum, com seu emprego comum, que se encanta por uma mulher, pelo estilo livre com que ela demonstra levar sua vida, até que um dia tem a oportunidade de conversar com ela. Mas infelizmente a vida segue seu curso e cada um vai pro seu lado.
Fred sempre demonstrou ser meio depressivo, variavelmente ele ainda esbarrava com Cati por aí.
Então após um reencontro e um café Cati conta que é soropositiva e que seu filho também é, a partir daí todas dúvidas e medos são fortemente descritos em quadrinhos repletos de pontos de interrogações. 
Obviamente Fred decide continuar e assim  começamos a adentrar junto à ele a um mundo totalmente novo: amor, sexualidade, dúvidas, frustrações e descobertas de uma nova relação.

Frederik Peeters nos emociona com tanta sensibilidade, onde as dúvidas são sanadas sobre como o vírus da Aids realmente é transmitido, e que é sim possível ter um relacionamento e até mesmo filhos sem que seja contaminado. 
A HQ é simples com traços simples, em preto e branco, onde é transmitido todo sentimento do autor.
Espero que você se apaixone tanto quanto eu por esta história de amor e superação de Fred e Cati.

Nenhum comentário

Postar um comentário