18 abril 2018

[Resenha] Nephalins, A Herança dos Anjos

Sinopse:“No dia em que Lívia Diirr mostrou para Naveen Diirr o desenho da tatuagem que se fixaria na pele de seus filhos, as mangueiras estavam em flor. Por causa disso, ela pensou em algo que representasse a proteção do caminho e a vida dos viajantes. Para Lívia, nas viagens, as pessoas cruzavam com mangueiras e essas árvores cheiravam a céu.”Ela não sabia que anos mais tarde seu filho caçula ia querer retirar a tatuagem, desativando sua proteção. Em uma longa jornada de perigos, perdas e testes de coragem os irmãos Diirr, junto com caçadores de criaturas fantásticas terão que se proteger de impalers, os sugadores de energia e descobrir o que significa ser um descendente de angelis. A tatuagem era só o princípio.

O que eu achei?
Ganhei esse livro em um sorteio em um dos eventos do blog No Meu Mundo (parceiro do Reino) e resolvi dar uma chance. Ele foi publicado de maneira independente, o que significa que a autora Hanny Saraiva teve que arcar com os custos da publicação do próprio bolso, desde a revisão de texto até a impressão na gráfica, não teve ajuda de nenhuma editora. Só por causa disso, ela já subiu no meu conceito.

A família Dirr sempre foi unida. Os irmãos Laura,Max e Pedro sempre tiveram uma relação harmônica e levavam uma vida como qualquer outra família mas em um belo dia acontece algo que mudaria a vida deles para sempre: Pedro resolve tirar a tatuagem no tornozelo de um trískle-um símbolo celta que significa a relação animista, ou seja, da alma e era usado para invocar os quatro elementos naturais. Sem saber, os pais deles, Naveen e Lívia Diir,tatuaram esse símbolo quando eles eram pequenos para protegê-los das criaturas que querem caçá-los, os impalers (espécie de vampiro que suga não o sangue mas a alma das pessoas). Os pais morreram em um acidente de carro e eles foram enviados para morar com a tia e o avô.


Eles são nephalins, o que significa que são metade-anjos, metade humanos. Uma coisa que achei interessante na diagramação foi o fato de que a cada duas páginas, uma tem o símbolo do trískle no fundo. O desenvolvimento da história é meio confusa, vários personagens e conceitos são apresentados ao leitor de maneira rápida mas depois a narrativa flui melhor. O primeiro personagem que os Diir encontram é Amon, um caçador que explica a eles o mundo que acabaram de descobrir e sua missão:encontrar Carolina Pamorim,a vítima que foi estuprada e gerará um Nephalin.


 Há alguns estereótipos como Max ser o piadista, faz várias referências à cultura pop, como Harry Potter e Star Wars, Laura é a menina inexperiente que se apaixona pelo seu salvador e Pedro é o destemido, quer dar uma de herói e provar a todos seu valor, já que ninguém parece colocar fé que ele irá salvar o dia, já que só tem 14 anos. Mas Hanny conseguiu fazer uma releitura de alguns seres tão conhecidos de nós e criou outros novos como impalers, Illuminus, dhampirs, que deixarei para você descobrir caso queira ler. E há uma cena que me remeteu ao The Walking Dead: em determinado momento da história,há um enterro e para que a pessoa não retorne como um zumbi,é necessário cortar a cabeça dela, colocar cachaça na boca e cuspir, jogar alho e tacar fogo.É uma daquelas obras que você precisa prestar atenção o tempo todo ou corre o risco de perder algo importante. Mais uma obra da literatura nacional fantástica que preza pela originalidade e autenticidade.







Nenhum comentário

Postar um comentário