06 março 2018

[Crítica] Copenhagen na Netflix


Sinopse:

Depois de semanas viajando pela Europa, o imaturo William conhece uma jovem dinamarquesa em Copenhagen, a cidade natal de seu pai. A exuberância da jovem o desafia, e os dois saem em busca do avô do rapaz.



O que eu achei?
Estava  pesquisando na net minhas opções de filmes na lista da Netflix e achei isso: Copenhagen” não é um filme que muda vidas, mas garante um pensamento contundente sobre a idade certa para crescer: ela não existe e pode vir por meio de qualquer pessoa com quem nos conectamos ao longo de nossa trajetória, parei e pensei nossa que propaganda... será que esse filme é tudo isso?
Parei, assisti e no final minha conclusão foi: Sim é tudo isso e um pouco mais.

Essa polêmica  de ter uma idade no RG e uma mentalidade contrária  foi primeira coisa que me cativou nos personagens como o William consegue ser extremamente babaca e a Effy muito mais madura, com ideias fixas e como juntos eles chegam ao entrosamento perfeito.
Ao mesmo tempo que temos esses opostos é bem explorado a relação dos dois, de perfeitos estranhos que passam à amigos, que depois se apaixonam e mudam suas vidas com essa experiência (Me lembrou o filme antes do amanhecer).

Agora algo sério:  romanização da pedofilia....
Eu sei ele tem 28 e ela 14 quando eu li a sinopse eu juro que queria queimar o script só que após ver eu passei quase duas horas pensando: se ela tivesse 20 e ele 60 também julgariam como errado.
Em nenhum momento eu me senti ofendida por ele andar com ela, por ele a beijar muito pelo contrário eu senti que ele foi de um cuidado extremo com ela mesmo de um modo "babaca".
Quando ele descobre que ela realmente tem 14 anos ele tem seu momento " que merda estou fazendo" só que já é tarde ele já tinha se apaixonado.
Eu senti essa conexão deles, esse amor inocente que nasceu e não acho que agrida ninguém até por que se alguém presta atenção aos pequenos detalhes fica claro quem tem péssimas intenções com a Effy.

Deixo essa dica de filme como uma forma de pensar, de encarar tabus e abrir a mente.

Trailer:


Escrito por: Jaqueline Ribeiro

Nenhum comentário

Postar um comentário