14 novembro 2017

[Crítica] A trama

 É verão em La Ciotat, na França. Antoine acaba de aceitar um convite para participar de um grupo de escrita, onde alguns jovens têm a tarefa de escrever um romance policial com a ajuda de Olivia, uma famosa romancista. O problema é que, durante o processo, o texto vai acabar revisitando assuntos antigos da cidade, fazendo com que Antoine perca o interesse, e criando uma complicada inimizade com o grupo.
A cidade de La Ciotat fica localizada cerca de 30 km ao leste de Marselha. Cercada pelo Mar Mediterrâneo, é um popular destino de férias para os franceses nas férias. Uma famosa escritora chamada Olívia (Marina Foïs, a Christiane de Um amor em Paris e Sucettalanis de Asterix e Obelix: Missão Cleópatra) Dejazet, resolve organizar um oficina de escrita para 7 adolescentes: Antoine,Etienne, Malika, Benjamin, Lola, Bouba e Fadi, com o objetivo de escreverem um suspense. Cada um deles tem personalidades e origens diferentes: ex-colônias francesas do norte da África, como a Tunísia, local da onde a família de Malika veio, árabes como Fadi, etc. Olivia é parisiense, o que significa que ela tem uma realidade bem diferente deles. 
Eles alugam uma casa na praia e todo dia, depois do café e de jantarem, se reúnem para trocarem ideias e na maioria das vezes entram em desacordo devido aos seus diferentes pontos de vista.A cidade já fora um centro próspero graças ao estaleiro, que havia fechado uma década antes. Benjamin, Etienne, Fadi e Malika mais do que os outros gostam de se provocar fazendo piadas e comentários intolerantes em relação à religião ou cultura. A trama toda é uma crítica e um convite à reflexão em temas como a realidade sócio-econômica da França atual, o poder da escrita como forma de retratar o mundo. Olivia força os jovens a debaterem questões como: é possível um escritor desenvolver um personagem um indivíduo cujas ideias sejam diferentes das suas ou o personagem obrigatoriamente espelha os valores de seu criador\ É concebível narrar uma situação pela qual você nunca tenha passado\ Qual aspecto do texto é essencial: inovação, ser relevante à nossa realidade,dar uma voz para as minorias..\ 
Conforme cada um dos adolescentes vai desenvolvendo sua própria narrativa, Antoine vai ficando cada vez mais perturbado. Ele vem de uma família de baixa renda, está desempregado e encontra-se preso em uma cidade que não oferece chances de construir uma carreira e crescer. Consequentemente, o garoto vai procurar respostas em grupos neonazistas, que pregam o ódio contra as minorias sociais. Uma das ideias do filme é sugerir que a formação de ideias racistas, xenofóbicas, homofóbicas e machistas surgem quando há uma falta de compreensão, não entende as diferenças do outro, teme o desconhecido e odeia tudo que é diferente de seus valores. Antoine dá indícios que estaria se apaixonando pela professora mas uma noite, vai até o quarto onde ela dorme com uma arma. 
O maior trunfo de Cantet é traçar um reflexo da sociedade francesa, que foi abalada nos últimos anos após os atentados do jornal Charlie Hebdo em janeiro de 2015, o Bataclan (uma casa de espetáculo em Paris) em novembro de 2015 e o ataque em Nice em julho de 2016. As eleições desse ano em que Marine Le Pen perdeu para Emmanuel Macron também causaram um grande impacto. O diretor quis mostrar como os pensadores radicais de direita usam artifícios enganosos para ludibriar os jovens decepcionados com a democracia, fazendo-os pensarem que o ódio, a violência e os extremismos são as respostas.
  Achei um pouco monótono mas a mensagem que passa é pertinente para nos conscientizarmos da realidade vivida pelos franceses pois isso não acontece apenas na França e nem só na Europa-aqui no Brasil também há grupos que pregam esses valores deturpados
Após o filme, conversei um pouco com o diretor e ele respondeu algumas perguntas:

-  Qual foi a mensagem principal que você quis passar com A trama\

Laurent: Não há apenas uma mensagem, há várias. Fazer um retrato dessa geração que está tendo que lidar com um mundo repleto de violência, sem perspectiva para o futuro. Queria mostrar que nós, como pessoas mais velhas, se não fizermos o esforço para estabelecer uma conexão com eles,é necessário criar espaço onde ideias possam ser trocadas e discutidas. Se você deixar aquele espaço vazio, os extremistas vão tentar seduzi-los com suas ideias. Estamos caminhando para um momento ainda mais agravante.

-O filme é uma misturar de drama e suspense. Conte-nos como a narrativa foi desenvolvida.

 Acho que o dia que entendi meu desejo de mostrar os adolescentes. Queria mostrar como eles pensam, sem apelar para o escapismo, ser realista. E também queria mostrar que quando perdemos nossas bases, como Antoine, desenvolvemos um desejo de ficarmos sozinhos. Têm um desejo de se expressarem mas não sabem como. É um dilema que os adolescentes tem. 

 O diretor Laurent Cantet deixou uma mensagem para os brasileiros:

  
  Estreia dia 16 de novembro.

   




5 comentários

  1. Achei bem interessante o modo como o filme decorre, diferente de muitos outros que tentam se igualar entre si, esse busca, na minha visão, a sua própria essência e, trata de assuntos super importantes.
    Gostei muito do trailer, demostrou um pouco do que o filme vai tratar, como, mesmo o diretor disse, aliás, essa conversa foi ainda melhor para esclarecer alguns aspectos do filme! Bjs!!

    ResponderExcluir
  2. Olá! Caramba, o filme trata de assuntos fortes e muito importantes, gostei bastante disso, acredito que seja fundamental discutir tais temas, pois são cada vez mais corriqueiros.

    ResponderExcluir
  3. Hum, gostei bastante. Sua crítica foi perfeita e me deixou com muita vontade de assistir. Confesso que amo filmes onde na história há personagens escritores e que ainda passam uma mensagem para nos fazer pensar.

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Acabei de assistir ao trailer. A história é fortíssima. Amei!

    ResponderExcluir
  5. Achei a premissa do filme bem interessante.
    Acho fascinante poder acompanhar o processo de escrita de um escritor (mesmo que seja ficcional).
    Parece retratar bem os adolescentes de hoje, a presença constante da violência e como isso pode influenciá-los.
    Espero ver esse filme logo!
    Bjs

    ResponderExcluir