21 novembro 2017

[Crítica teatral] Meu passado me condena

Sinopse: Miá (Miá Mello) e Fábio (Fábio Porchat) se conhecem na fila do banheiro de uma festa e um mês depois se casam. “A peça se passa antes do filme e do seriado. Fábio e Miá chegam em casa depois da festa de casamento e começam a discutir a relação”, explica Porchat. Assim, depois que chegam ao novo apartamento, o casal até tenta entrar no clima para a noite de núpcias, mas o apartamento pequeno, os presentes que não agradam, as duas famílias e – pior! – o fato de não saberem nada sobre o passado um do outro começa a interferir na lua-de-mel. Será que o amor sobrevive a essa noite?

O que eu achei?
O texto, divertido e inspirado, é de Tati Bernardi, que também assinou os roteiros da série e do filme homônimos, ambos produzidos por Mariza Leão e dirigidos por Julia Rezende. A série teve duas temporadas exibidas pelo canal Multishow e o filme, foi a segunda maior bilheteria nacional de 2013, ultrapassando três milhões de expectadores. É imperdível! 

Crítica: Fábio e Miá formam um casal irreverente e curiosamente encantador (sim, os personagens possuem os nomes reais dos atores). A peça inicia com o seu tão esperado casamento. Porém, o que se parecia um sonho, às vezes pode se mostrar um verdadeiro pesadelo. Como não duvidar de uma escolha tão séria? Seria ele/ela o/a homem/mulher da sua vida? 

Pensando neste conceito de felicidade ideal entre um casal que é vendido ao montes por aí, Fábio e Miá, logo após se casarem, começam a se cobrar incansavelmente por uma noite de núpcias inesquecível. Ficam conversando sobre como serão aquele tipo de casal que é ponto de referência da felicidade. 

Isso é muito comum de acontecer entre os casais. A ideia de que você e seu parceiro precisam ser felizes, que uma ou outra situação precisa ser perfeita, está tão profunda em nossas raízes, que nos cobramos sem sentir e sem perceber o quanto isso é nocivo para um relacionamento.

Muitas são as situações com que o casal precisa lidar. Ao abrir os presentes de casamento, eles começam a comparar a qualidade e a funcionalidade daquilo que cada um de seus familiares e amigos deram, começando a deixar um clima tenso que eles vão sempre tentando resolver com muito amor.

Tudo se agrava quando Miá percebe que se casou com um cara que ainda não cortou o cordão umbilical e precisa dar satisfações para a mãe o tempo todo, além de querer mantê-la sempre por perto, sendo o mais inconveniente possível. 

Falar do passado não é fácil pra ninguém. Imagina quando você resolve “conhecer” melhor a pessoa com quem você decidiu se casar após apenas 1 mês de relacionamento e as verdades começam a vir à tona na sua noite de núpcias. Não está fácil pra ninguém, não é mesmo?

Por conhecimento de causa, após ter assistido a essa peça 3 vezes, eu não tenho outras palavras para dizer a não ser: que show incrível! Que dupla maravilhosa! Fiquem de olho. Se em algum momento essa peça voltar para “em cartaz”, corram para assistir.

Os atores talentosíssimos levam você para dentro daquele loft e fazem com que você viva com intensidade cada emoção daquela noite tão especial. 

Você não sai de lá vazio, pois se questiona como ser humano e o quanto a sociedade nos cobra para sermos felizes o tempo todo e encontrarmos desde já o homem/mulher de nossas vidas, como se isso fosse uma obrigação e não tivéssemos o prazer de se descobrir. 

“Mas a gente vai ser feliz, né?”
Agradeço com carinho a Maisa do Blog Reino Literário Br pela oportunidade de acompanhar o encerramento de uma peça que assisti ao longo desses 4 anos em cartaz.

Local da apresentação: Teatro Bradesco/RJ
Data: 19 de novembro de 2017
Horário: 19h
Duração: aproximadamente 75 min.
Classificação: Livre
Escrito por Bruna Brezollini

4 comentários

  1. Olá! Me diverti muito assistindo os filmes, mas deve ser maravilhoso pode ver essa dupla de perto e ao vivo, já na torcida pela volta do "em cartaz".

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna.
    Essa peça parece ser ótima, bem engraçada, mas ao mesmo tempo tiramos algumas lições para vida.
    Nos dias de hoje acho mais difícil as pessoas casarem após 1 mês de namoro. Leva-se tempo para realmente conhecer alguém e casamento é um compromisso sério que exige de ambos muito comprometimento e compreensão.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. A peça realmente parece ser maravilhosa. E gostei de saber que o roteiro é assinado pela Tati Bernardi. Sempre gostei dos textos dela. Uma vez, eu vi um trecho do filme e até consegui dar umas risadas. O grande problema é que o Fábio me irrita, inclusive, até a voz dele, rs.

    ResponderExcluir
  4. O filme já é maravilhoso, imagina agora, que a obra se expandiu para o teatro!!
    Acompanho o trabalho da Tati e, meu Deus, que mulher genial, ela soube colocar melhor de si, sem dúvidas!!! ;D

    ResponderExcluir