23 janeiro 2018

[Nerds & Geeks] Marvel versus DC: é realmente necessário escolher?

Se puxarmos o histórico de cultura pop nos anos 1990, ninguém saberia o significado destes dois nomes do título, apesar de já naquela época ter mais de meia década de existência cada uma delas. Porém, de lá para cá, vemos camisetas Marvel, action figures (os antigos bonequinhos) da DC, camisetas, jogos, séries de televisão destas duas editoras de quadrinhos. O que aconteceu para isso tudo ficar assim você já sabe: cinema.


"Olha a treta chegando, moleque!"
Não quero me aprofundar no assunto de como tudo isso começou, quem fez mais filme, como cada uma trabalha, mas sim em: essa rivalidade é existente e necessária?
O ser humano é um ser dicotômico, um time contra o outro, um partido, uma religião. Por que seria diferente com editoras de quadrinhos em pleno auge dos super-heróis na sétima arte? Temos de escolher um lado!

“A Marvel é melhor pois os heróis são mais humanos, são mais divertidos”, “Não, a DC é melhor, é tudo mais sombrio, realista, os heróis são deuses e de perfeita moralidade!”. Hoje não importa a resposta disso. Por quê um atrito? Por que algo tem de ser ruim para outro ser bom? Não é possível duas coisas boas ao mesmo tempo e totalmente independente da qualidade da outra?
Editoras já se enfrentaram (com lucros)
Eu, querido leitor, venho de uma década onde uma massa muito pequena discutia sobre isso, os anos 1980. Sim, já existia essa rivalidade lá atrás, mas era um nicho tão pequeno, tão mínimo, que se isso viesse à tona em uma mesa de família ou na escola, íamos ser (e éramos!) alvos de piada. Sim, um dia foi feio gostar de super-heróis. Hoje, temos empresas brigando por licenças de camisetas. Naquela época, a DC dominava o gênero de super-herói no cinema com... Um filme a cada, 3, 4 anos. Sim, só ano passado tivemos dois da DC (Mulher-Maravilha, Liga da Justiça), dois da Fox (Logan e X-Men: Apocalipse), dois da Marvel (Thor: Ragnarok e Guardiões da Galáxia Vol. 2) e um da Sony em parceria com a Marvel (Homem-Aranha: de Volta ao Lar), isso sem contar de outras editoras, de personagens desconhecidos. Agora imagina esperar por três anos por um filme de super-herói, você hoje fã.

Apesar da rivalidade já existente naquela época, como disse anteriormente, não havia mal no que era dito. Eram comparativos simples, o que hoje, ao sair do nicho, virou ofensas online, ameaças à roteiristas e diretores. É lindo ver o cinema contar tanta história que lia em papel e imaginava que nunca viraria filme? Claro que é, mas tem um custo.

Agora, somos obrigados a guardar a opinião que o Batman Vs. Superman é ruim caso goste de DC: “É fã da Marvel, você é burro, não é para mentes pequenas”, entende que alguém realmente pode ser fã da DC e não ter gostado do filme por estrutura dramática, personagens, arco heroico? É normal, mas já não se pode, oras como assim? Se seu time jogar mal, tem de mentir que sempre jogou bem e é impressão nossa, o time nunca erra, as pessoas erram pelo time, a religião, o amor. Tenho uma notícia triste para te contar, meu amigo: tudo tem erros.

O fã de cinema não gosta de Homem de Ferro 3 assim como não gosta de Batman Vs Superman de forma igual. Mas se você não gostar (ou odiar, já que não existe gostar pouco ou muito no mundo atual, ou você ama ou você odeia), isso quer dizer que não é fã daquela editora/estúdio? Não, quer dizer que não gostou daquele filme.

A escala de qualidade de qualquer coisa no mundo não é a mão de um imperador, que aponta só para cima ou para baixo. Ela tem milhares de posições além daquelas do polegar. Em 2017 tivemos ótimos filmes de super-heróis e até outros fora do gênero, É fácil comparar um que você não gostou com o que você adorou, mas difícil mesmo é ver qual você gosta mais dentre todos que adorou, ou até mesmo achar defeito no que curtiu, é uma fraqueza crítica.
Autoexplicativo, não é?
Dizem que devemos ser imparciais nas opiniões. É quase impossível se privar de tudo que é seu na hora de expressar a ideia, mas temos de tentar. Senão, o mundo não só dos quadrinhos, mas da política, religião, esporte, cinema, música, tudo será um campo de guerra e, em alguns casos desses isso deveria ser apenas entretenimento.

O que há em entretenimento em chamar o outro de burro por uma opinião de cinema, de a escolha de uma banda predileta, ofender, agredir, ameaçar como alguns roteiristas e diretores foram. Mantenha a paz de alguns atores e produtores que no final preferem falar que estão felizes com os resultados do filme concorrente que aquele que escreva “Fuck Marvel” no pôster da DC para provar seu argumento.

Aliás, não disse que é errado ter uma predileta, mas sim achar que só por ter uma preferência, todas as outras são erradas e ilegais. Grandes ofensas e injustiças acontecem assim, até mesmo ditaduras.

Escrito por Fernando Belucci




2 comentários

  1. Fernando!
    Concordo plenamente com sua ideia.
    Para que disseminar rivalidade quando podemos optar por um ou por outro ou pelos dois, o que não quer dizer que o não escolhido, seja ruim, concorda? Eu pelo menos amo os dois.
    É como a rivalidade entre Star wars e Star Trek, para que?
    Amar faz bem a sáude...kkk
    “Que o novo ano que se inicia seja repleto de felicidades e conquistas. Feliz ano novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Eu sinceramente nunca consegui escolher entre os dois! Tem muitos super-heróis bons tanto da DC quanto da Marvel! Vejo umas tretas mó loucas do povo por causa disso e fico tipo: Que que está acontecendo aqui?! hehe

    ResponderExcluir