02 outubro 2017

[Resenha] As Luzes Mais Brilhantes


Julién passou por uma fase terrível e seu coração ainda está despedaçado. Agora, ele decidiu viver um dia após o outro, tentando compreender as particularidades dessa cidade enorme que é São Paulo, onde ele vive, mas se sente sozinho. Porém, um dia, quando cruza a Avenida Paulista de bicicleta, ele tromba com Bruna, a aprendiz de cineasta mais diferente que já viu. Por causa desse momento tão inesperado - e quase trágico -, eles decidem tomar um café. E, depois desse café, nada mais foi como antes. Talvez algo possa surgir entre as luzes mais brilhantes da Paulista e repetidos cafés no Starbucks. Talvez eles – e os leitores – possam descobrir se e existe ou não amor em SP.

O que eu achei?
As Luzes Mais Brilhantes conta a história de Julién, um jovem que já passou por maus bocados em sua vida e que se sujeita a uma vida pacata trabalhando em uma grande livraria em São Paulo. Certo dia Julién e sua amiga Mari vão a um estúdio de tatuagens e ao se despedirem, Julién não tinha ideia que em poucos instantes alguém cruzaria seu caminho e mudaria sua vida de uma tremenda forma.

Em seu percurso de bicicleta pela Avenida Paulista, Julién conhece Bruna da pior forma possível, ele a atropela. O que tinha tudo para dar errado, com o tempo foi-se dando certo e Julién e Bruna sentem uma conexão bem forte um pelo outro, mesmo sendo pessoas bem diferentes. Bruna é uma menina muito inteligente, está cursando cinema e não se deixa ser abatida pela sociedade por não ser o clássico padrão. E com seu coração tão gentil consegue aos poucos levar paz ao turbilhão de emoções que se passa no coração de Julién.

Com várias situações do cotidiano, em As Luzes Mais Brilhantes, Augusto Alvarenga nos mostra a perspectiva de vida de um jovem que sofreu bastante e é surpreendido por alguém de seu passado que consegue desestabilizar o coração tão pouco tranquilizado por Bruna. Uma história de amor que com certeza vai agradar os amantes do gênero e até mesmo que não tem tanto contato. Pois além de conter uma pitada de drama essencial e que nos traz a realidade, ainda conta com inúmeras referências musicais, já que Augusto usa o álbum "The Earth Is Not a Dead Cold Place" da banda Explosions in the Sky como parte de sua inspiração, e além da música, vemos também referências a Amelie Poulain e outros grandes sucessos cinematográficos.

Um livro leve e com uma pegada bem agradável, onde veremos se é realmente possível encontrar o amor em São Paulo, uma cidade tão agitada e com suas luzes mais brilhantes.

Escrito por Leonardo Alves

Nenhum comentário

Postar um comentário