15 junho 2017

[Crítica] Antes que eu vá

Samantha Kingston (Zoey Deutch) é uma jovem que tem tudo o que uma jovem pode desejar da vida.. No entanto, essa vida perfeita chega a um final abrupto e repentino no dia 12 de fevereiro, um dia que seria um dia como outro qualquer se não fosse o dia de sua morte. Porém, segundos antes de realmente morrer, ela terá a oportunidade de mudar a sua última semana e, talvez, o seu destino.                                                                                                                                       
O que eu achei?
Sem sombra de dúvida Bullying é o grande assunto do momento e é justamente sobre isso que Antes que eu vá retrata, mas desta vez sem escolher um lado. A história não conhecemos a história da vítima ou da principal “vilã”, mas sim da amiga da “vilã” que está tão perdida ali em sua amizade que não se dá conta da crueldades que faz, nem do porquê as faz, só se importa em estar ali com suas amigas e fazer parte do grupo.

Samantha nossa protagonista é a típica adolescente de filmes americanos, tem seu grupo de amigas incríveis e populares, namora um dos caras mais gatos do colégio, e como não poderia faltar tem um nerd apaixonada sempre a seu encalço. Tradicionalmente no dia do cupido, alunos enviam a outros alunos rosas e cartões que são entregues durante várias aulas, quanto mais rosas você receber mais popular você é, o que claro gera um grande mal estar para aqueles que não recebem nenhuma, como é o caso de uma menina muito introvertida e alvo de bullying pela turma de Samantha, Juliet.

Na noite do dia do cupido uma grande festa acontece e Sam decide que esta noite será a noite onde se entregará ao seu namorado, ela e as amigas tem tudo planejado, mas nada acontece como elas planejam após Juliet entrar na festa e humilhar o grupo de amigas de Sam o que acaba com Juliet sendo linchada e recebendo vários copos de cerveja em cima dela, depois disso o clima de festa acaba, as meninas vão embora e neste momento um acidente muda tudo, e Samantha terá que reviver este dia até notar o que tinha passado despercebido naquele dia e tentar mudar seu destino e o dos outros.

O filme traz uma grande carga reflexiva sobre o que fazemos na nossa vida e de como cada pequeno gesto pode modificar a vida do outro. Com o tema de bullying que é mais que atual o filme vem mostrar uma nova perspectiva onde a protagonista tem a chance de repetir e repetir o dia e mudar o impacto que suas atitudes ruins causaram aos outros sem que ela nem soubesse. É impossível sair da sala de cinema e não levar as reflexões do filme para nossa vida.

Trailer:



Um comentário

  1. Oi Mayara,
    Realmente este filme é bem reflexivo, nos faz pensar o quanto nossas atitudes podem mudar o meio em que vivemos e até o destino das pessoas.
    beijos

    ResponderExcluir