16 março 2018

[Resenha] Orlando


Sinopse: A fascinante história de Orlando compreende mais de três séculos. O fato de ter envelhecido não mais que trinta anos ao longo desse período lhe permitiu viver a fantasia de assumir diversos papéis na sociedade inglesa, indo de um jovem membro da aristocracia elisabetana a uma mulher moderna do século XX. Somando experiências nesta jornada através da história, a personagem de Virginia Woolf é livre não apenas das restrições do tempo, mas também das imposições da sexualidade, numa narrativa brilhante que reflete de maneira espirituosa e feminista sobre a natureza dos sexos.

O que eu achei?
"Orlando", de Virginia Woolf, que foi lançada pela Nova Fronteira em uma edição lindíssima, é uma biografia parte ficcional, parte real, inspirada na sua amante Vita Sackville-West. O livro, que difere de suas obras por não ter sido escrito em fluxo-consciente, aborda temas absurdamente atuais e revolucionários para a epoca - 1928.


A história segue como um romance de formação, nos guiando pela vida do jovem Orlando, e brinca e conversa com o leitor, com um olhar afiado tanto da mente de seu personagem quanto do mundo que o cerca. Os detalhes que a autora capta em sua escrita são tão específicos e simples, e ainda tã importantes para o desenvolvimento da história, que são como coadjuvantes nessa trajetória.
É incrível a habilidade de Woolf de dar vida aos seus personagens, detalhando não somente sua aparência física, mas toda sua mentalidade, caráer e moral, de forma minuciosa e honesta. É como se pudessemos ver cada personagem ganhar vida lentamentr diante dos nossos olhos.


A história aborda temas e questões que hoje estão em pauta, como ambiguidades da identidade feminina e masculina e suas relações com a condição humana, onde é analisado o papel da mulher na sociedade em comparação ao dos homens, mas escritos em um livro de 1928. Quão moderno é isso?
Bem, Orlando, inicialmente homem na história, por um acaso acorda mulher, em um dia, sem sustos nem dores nem espanto. Uma transição de gênero que por todos foi aceitado e tido como normal, pois essa era a idéia da autora. Analisar como um homem reagiria quando imposto a ele ser mulher é um ponto muito importante dessa história. Além disso, Orlando e imortal. Um ponto muito interessante é que Orlando possui uma aparência androgêna, o que lhe permite transitar pelas ruas e estabelecimentos vestido de homem - quando na verdade era mulher - sem que ninguém desconfiasse, pois como a autora deixa claro, apenas a roupa poderia diferencia seu gênero.


O tempo nessa história também é importante. Viajamos junto com Orlando do século XVI até o século XX, mais precisamente no dia 11/10/1928, onde Orlando AINDA possui 36 anos. Mestre em criar alegorias para questões complexas da vida humana, Woolf nos mostra como um ser humano pode viver tantas coisas em tão pouco tempo.
A sociedade também é um ponto a se observar nessa história, onde o elitismo literário se mostra um meio corrisivo e nocivo a mente de Orlando, que desde jovem sonha em ter fama com seus escritos, mas de frustra imensamente quando um poeta o diminui e o humilha.
O livro levanta uma discussão incrível sobre identidade de gênero e a natureza dos sexos, de forma simples e objetiva. No início o livro me pareceu meio arrastado - confesso -, mas assim que a mudança de Orlando ocorreu, foi uma leitura deliciosa de se acompanhar.

Nenhum comentário

Postar um comentário